Todo investidor deve buscar investimentos que superem a inflação. Do contrário, o poder de compra de sua poupança será corroído, e ela perderá valor com o tempo.

A inflação é a alta generalizada de preços na economia. Se os preços, de maneira geral, sobem, uma determinada quantia hoje é capaz de comprar mais produtos e serviços do que a mesma quantia daqui a um ano, por exemplo. A moeda perde valor.

Assim, se sua poupança fica embaixo do colchão, fatalmente ela será corroída pela inflação. De nada adianta juntar um milhão de reais ali se, daqui a alguns anos, um milhão de reais não forem suficientes nem para comprar um carro popular.

Onde investir

Se sua intenção é apenas preservar o poder de compra da sua poupança, ela deve ser investida em aplicações cuja rentabilidade líquida (isto é, depois de descontados impostos e taxas) seja pelo menos igual à inflação.

Já se sua intenção é ficar mais rico com investimentos, ou seja, fazer com que seus investimentos ajudem você a atingir seus objetivos financeiros mais rápido, então as aplicações escolhidas precisam render acima da inflação.

É esse rendimento acima da inflação, a chamada rentabilidade ou juro real, que de fato vai te enriquecer.

Investimentos que perdem da inflação não são muito melhores do que o colchão do seu quarto. Eles só ajudam seu dinheiro a perder menos valor, mas ele ainda assim é corroído.

Está certo que aplicações de risco mais alto, como as de renda variável, podem apresentar desempenhos negativos ou inferiores à inflação, ainda que positivos.

Mas por se tratarem, em geral, de investimentos de longo prazo, o mais importante é que eles sejam capazes de vencer a inflação no longo prazo. As perdas podem ser momentâneas, mas recuperações podem fazer esses investimentos voltarem a render bem.

Do que fugir

O importante é tentar fugir daqueles produtos que simplesmente não tem a capacidade de vencer a inflação em algumas ou todas as circunstâncias.

A caderneta de poupança é um bom exemplo. Quando a inflação está num patamar elevado, com frequência a poupança perde, já que sua rentabilidade tem uma espécie de teto.

Investimentos muito conservadores com custos muito altos também podem perder da inflação, uma vez que sua rentabilidade é limitada e as taxas comem parte do rendimento.

Produtos financeiros frequentemente confundidos com investimentos, como consórcios e títulos de capitalização, também não serão capazes de repor a inflação.

Os primeiros, na verdade, são uma espécie de poupança programada pela qual se pagam taxas, a fim de se adquirir um bem; já os segundos são produtos que dão direito a sorteios de prêmios, e não investimentos, pois seu dinheiro praticamente não rende.

Publicado por Genial

A Genial é a plataforma de investimentos que está democratizando o acesso aos melhores produtos do mercado, de forma simples, ágil e eficiente, através de uma assessoria financeira isenta, transparente e qualificada.

Contentários