A revista Exame premia todos os anos os melhores fundos de investimento do mercado e a asset do Brasil Plural foi destaque na categoria de renda fixa este ano. Os fundos Brasil Plural Crédito Corporativo II e o Brasil Plural Yield Renda Fixa DI receberam quatro e cinco estrelas, respectivamente. Ambos estão disponíveis na plataforma de fundos de investimento da GENIAL.


Rafael Zlot, sócio e gestor de crédito privado da asset do Brasil Plural, afirma que esses serão dois tipos interessantes de investimento em 2018: o fundo de crédito privado para buscar uma rentabilidade maior dentro da própria renda fixa, diante de um cenário de Selic na mínima histórica, e o fundo DI para reduzir o risco do portfólio de aplicações em um ano eleitoral, que deve trazer volatilidade ao mercado.

A Exame destaca que em 2017 os gestores souberam aproveitar um cenário mais previsível, de alta da bolsa e queda dos juros, para entregar bons resultados. Mas que em 2018 o desafio será manter a performance com um cenário que deve ser completamente diferente. A maioria dos analistas espera que os juros fiquem estáveis e que o mercado fique volátil por causa das incertezas com as eleições presidenciais.

Gestão da Brasil Plural

O fundo de crédito corporativo da Brasil Plural apresenta uma rentabilidade de 11,44% nos últimos 12 meses, equivalente a 108% do CDI no período.

Zlot diz que a gestora é muito cuidadosa na análise de crédito dos papéis que entram na carteira. A boa relação entre o risco e o retorno do fundo também se deve à agilidade para comprar e vender títulos no mercado secundário quando os gestores avaliam que há uma piora na qualidade de crédito de um papel ou quando identificam uma boa oportunidade no mercado.

“Isso é uma coisa que fazemos com maestria e pelo qual somos reconhecidos”, diz o gestor. Segundo ele, o fundo não teve nenhuma aplicação que tenha dado “default” (calote) durante os anos de 2015 e 2016, quando as empresas do país passaram por uma séria crise de crédito.

Cenário para 2018

Para o ano que vem, o gestor está otimista. A melhora da economia deve aumentar as vendas das empresas brasileiras e fazer com que elas voltem a fazer investimentos. Para isso, terão que captar dinheiro. “Teremos mais empresas acessando o mercado”, diz Zlot.

Ele avalia que a taxa de juros menor melhora o perfil de dívida das companhias, melhorando também a qualidade de crédito dos títulos que elas emitem.

“O crédito corporativo é uma alternativa interessante para o investidor que procura uma rentabilidade maior dentro da renda fixa”, diz o gestor.

O Guia Exame

O levantamento da Exame é realizado pelo  Centro de Estudos em Finanças da Fundação Getulio Vargas (FGV), que analisa 1000 fundos nas categorias de ações, multimercado e renda fixa para escolher os melhores do mercado considerando o risco e o retorno das carteiras.

Confira aqui o ranking de fundos completo da Exame.

Fonte: Revista Exame, edição 1152, 20/12/2017, página 74 a 76

Brasil Plural Yield FI Renda Fixa Referenciado DI

Aporte inicial: 3 mil reais
Movimentação mínima: Não há
Taxa de administração: 0,30% a.a., com taxa de administração máxima de 0,31% a.a.
Taxa de performance: não há
Resgate: Cotização D+0 e pagamento D+0.

Brasil Plural Crédito Corporativo II FIC FIM CP

Aporte inicial: 20 mil reais
Movimentação mínima: 5 mil reais
Taxa de administração:  0.75% a.a., paga mensalmente (não compreendendo a taxa de adm. dos Fundos aplicados).
Taxa de performance:  20% sobre a valorização que exceder 100% do CDI
Resgate: Cotização D+60 e pagamento no primeiro dia útil subsequente.

Advertência

Selo da AnbimaEste material tem propósito informativo, não consistindo recomendação financeira ou estratégica para investimentos. A Geração Futuro pode efetuar alterações no conteúdo deste documento a qualquer momento. As informações contidas neste material são de caráter exclusivamente informativo e não necessariamente foram auditadas. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do Fundo Garantidor de Créditos – FGC.

A rentabilidade divulgada não é liquida de impostos. Para a avaliação de performance de fundo de investimento é recomendada uma análise de no mínimo 12 (doze) meses. LEIA O PROSPECTO E O REGULAMENTO ANTES DE INVESTIR EM QUALQUER FUNDO DE INVESTIMENTO. RENTABILIDADE PASSADA NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA. A comparação da rentabilidade dos Fundos com os respectivos indicadores econômicos se trata de mera referência econômica, e não meta ou parâmetro de performance.

Brasil Plural Crédito Corporativo II FIC FIM CP: iniciou atividades em 20/09/2013, P.L. em NOVEMBRO de R$ R$ 198.768.356,05 e P.L. Médio 12 Meses R$ 162.620.573,88. No MÊS sua rentabilidade foi de 0,58%% equivalente a 101,44% do CDI. No ANO acumulou uma rentabilidade de 10,11%% equivalente a 108,02% do CDI e ao longo dos últimos 12 meses acumulou uma rentabilidade de 11,44% equivalente a 107,99% do CDI. A rentabilidade acumulada desde o início foi de 65,27%, equivalente a 108,15% do CDI  no mesmo período. O FUNDO ACIMA É DESTINADO AO PÚBLICO EM GERAL.

Brasil Plural Yield FI Renda Fixa Referenciado DI: iniciou atividades em 22/03/2010, P.L. em OUTUBRO de R$ R$ 292,391,696.87 e P.L. Médio 12 Meses R$ 247,975,775.28. No MÊS sua rentabilidade foi de 0,65%% equivalente a 100,35% do CDI. No ANO acumulou uma rentabilidade de 8,89% equivalente a 101,66% do CDI e ao longo dos últimos 12 meses acumulou uma rentabilidade de 10,72% equivalente a 101,24% do CDI. A rentabilidade acumulada desde o início foi de 120,22%, equivalente de 99,79% do CDI no mesmo período. O FUNDO ACIMA É DESTINADO AO PÚBLICO EM GERAL.

 

Thais é jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero com MBA em Informações Econômico-Financeiras. Foi repórter de finanças e investimentos dos maiores veículos especializados do país, entre eles o jornal Valor Econômico e as revistas Exame e Capital Aberto.

Contentários