O Governo Federal, por meio do Tesouro Nacional, tem disponibilizado boas possibilidades de investimentos para o público brasileiro. Tendo isso em vista, as taxas do Tesouro Direto precisam ser melhores compreendidas pelos investidores que estão iniciando na aplicação aos títulos públicos. Isso porque, dependendo dos valores, o investimento pode ser mais ou menos vantajoso do que outro dentro do programa.

Existem custos para garantir a operação de um título, seja na compra e venda ou na sua manutenção. Eles fazem parte do processo e saber  lidar com essas despesas é essencial para saber se realmente vale a pena investir.

Nesse caso, preparamos este artigo para mostrar quais são os gastos necessários para investir no Tesouro Direto e como se livrar de alguns deles. Conheça um por um e veja como se preparar melhor para fazer o seu dinheiro render com os títulos do Governo Federal.

Taxa da B3

É cobrada pela B3, Bolsa de Valores oficial do Brasil, para garantir a custódia do título, já que no caso do Tesouro Direto é obrigatória a existência dos agentes de custódia, instituições devidamente habilitadas para administrar as contas dos clientes.

Ao comprar um título público, ele fica custodiado no nome do proprietário na Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC), mas pode ser movimentado por seus representantes. Para viabilizar isso, existe um custo. Eis então a primeira das taxas do Tesouro Direto. O valor dessa cobrança é de 0,30% ao ano em relação ao que foi investido. Simplificando, quando alguém investe R$ 1.000,00, a taxa devida é de R$ 3,00.

Veja mais: conheça a taxa de custódia do tesouro direto

Abra sua conta - CTA

Taxa do agente de custódia

Existe também a cobrança realizada pelo agente de custódia, no caso, a corretora ou o banco que você escolher para movimentar seus investimentos. Essa não é necessariamente uma das taxas do Tesouro Direto, mas, sim, uma tarifa administrativa que a instituição pode cobrar para realizar ações em nome do investidor. Entre elas, estão:

  • o cadastro na BMF&Bovespa;
  • a intermediação da transferência de valores;
  • e as negociações dos Títulos Públicos.

Vale lembrar que ações assim têm um custo para os agentes de custódia, por isso eles podem repassar esses gastos para seus clientes por meio da tarifa. O valor depende de cada instituição. Existem as que simplesmente não cobram e as que apresentam taxas de até 2% ao ano.

É importante ressaltar que para investir no Tesouro Direto, você deve escolher entre os bancos e corretoras autorizados a intermediar a sua relação com o Tesouro Nacional, pois, sozinho, você não consegue investir. Ainda assim, é possível eliminar esse custo dependendo da instituição escolhida. Algumas delas, como a Genial Investimentos, apresentam um plataforma de investimento integrada com o Tesouro Direto e não cobram nenhuma taxa.

Imposto de Renda

O Imposto de Renda (IR) sobre investimentos é um dos temas que mais perturbam os investidores. É preciso garantir a adequação às exigências dele para evitar contratempos futuros. Mas preste atenção: o que o Imposto de Renda tributa não é o valor total dos seus investimentos em Títulos Públicos, mas apenas os seus rendimentos. É preciso declarar tudo o que você tem investido, mas a cobrança é aplicada somente ao que o seu investimento rendeu no período em questão.

As alíquotas são decrescentes, em função do prazo do investimento realizado. Como a cobrança do IR é regressiva, ela favorece o investimento em longo prazo, ou seja, quanto mais tempo o dinheiro ficar investido, menor será o tributo cobrado. Assim, até 180 dias, a alíquota é de 22,5%, entre 181 e 360, de 20%, entre 361 e 720, de 17,5% e a partir de 720 dias, de 15%.

Ela só será cobrada caso ocorra a venda o título, vença ou quando é feita a opção pelo recebimento de juros semestrais.

Taxas do Tesouro Direto que podem ser eliminadas

Imposto sobre Operações Financeiras (IOF)

O IOF é uma das taxas do Tesouro Direto que podem ser facilmente evitadas pelo investidor. Esse tributo compreende operações de crédito, câmbio, seguros e de valores imobiliários, entre outros. Sua taxa segue uma lógica de proporcionalidade aos investimentos realizados. É um imposto federal devido por pessoas físicas e jurídicas, criado para regular a economia e dar ao governo o controle sobre a oferta e procura por crédito no país.

O IOF incide sobre investimentos de renda fixa em circunstâncias muito específicas, no caso, somente quando eles são resgatados em até 30 dias após efetivada a sua aplicação. Sua alíquota é regressiva, de maneira que o primeiro dia após o investimento corresponde a 96% da rentabilidade, o segundo, 93%, e assim por diante até o 30º dia, quando ela cai para 0% da rentabilidade.

Dessa forma, para não ter o IOF como uma das taxas do Tesouro Direto, é preciso atenção e não retirar o seu dinheiro antes de 30 dias após a aplicação.

Custo de transferência bancária

Você poderá ter custos na movimentação do seu dinheiro entre o banco e a corretora em duas situações: para fazer o investimento e para resgatar os rendimentos. Sendo assim, considerar esse custo como uma das taxas do Tesouro Direto também é importante, pois dependendo do tipo de investimento realizado e da frequência dos aportes, esse gasto poderá atrapalhar muito a sua rentabilidade.

O Tesouro Direto permite que você crie estratégias para investir, por exemplo, depositando mensalmente. Em casos assim, se você tiver que pagar uma taxa alta a cada transferência, acabará tendo gastos muito maiores do que o ideal no fim do processo.

As corretoras trabalham com a Transferência Eletrônica Direta (TED), um tipo de movimentação que apresenta custos de acordo com cada transação realizada e isso varia em função da instituição financeira onde o investidor tem conta. Nesse caso, vale lembrar que é possível evitar tarifas bancárias, pois existem bancos que não cobram esse tipo de transferência. Procure se informar com o seu banco a respeito das taxas de TED e não deixe de conhecer as soluções digitais que o mercado apresenta. Elas costumam não cobrar por esses serviços.

Por fim, vale lembrar: as taxas do Tesouro Direto influenciam a rentabilidade dos títulos que você compra. Sendo assim, conhecer a natureza delas e sabendo como agir para economizar é uma maneira de garantir melhores resultados para as suas aplicações.

Entendeu como funcionam as taxas do Tesouro Direto? Então comece a investir já na Genial Investimentos sem cobrança de nenhuma taxa. Tenha o máximo de retorno. Abra sua conta!

Abra sua conta - CTA

Genial

Genial

A Genial é a plataforma de investimentos que está democratizando o acesso aos melhores produtos do mercado, de forma simples, ágil e eficiente, através de uma assessoria financeira isenta, transparente e qualificada.

Deixar um comentário