• O volume de vendas do comércio varejista cresceu 5,2 % m/m em julho na comparação com junho (acima da mediana das expectativas, 1% – Broadcast). Na comparação com o mesmo mês do ano anterior o volume de vendas apresentou variação de 5,5 % a/a.
  • O volume de vendas no varejo ampliado (inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção) cresceu 7,2% m/m e variou 1,6% a/a (interrompendo uma sequência de quatro meses em queda na comparação interanual).
  • O volume de vendas do varejo restrito registrou o maior resultado para o mês de julho da série histórica (iniciada em 2000), ultrapassando o patamar pré-pandemia. Já o varejo ampliado está 2% abaixo do nível pré-pandemia.
  • No ano, o varejo restrito apresenta uma queda de 1,9%. Nos últimos doze meses, apresenta um crescimento de 0,1%.
  • Para agosto, projetamos um crescimento de 1,5% m/m e 3% a/a para o varejo restrito. Indicadores de alta frequência indicam continuidade do crescimento na primeira semana de setembro.
Vendas no varejo, m/m
Volume de vendas no varejo restrito
Vendas no Varejo, a/a
Vendas no Varejo Ampliado, a/a
Vendas no Varejo - Bens Duráveis, a/a

Evolução Recente

O Comércio varejista continuou surpreendendo positivamente em julho. A penas a atividade de hiper/supermercados e produtos alimentícios não registrou alta, ficando estável em relação a junho (essa atividade cresceu muito em maio e em junho). Nos demais setores, predominam as taxas positivas, atingindo sete das oito atividades pesquisadas.

Contudo há muita heterogeneidade entre atividades. Algumas estão bem acima dos níveis de fevereiro, como móveis e eletrodomésticos (16,9% acima), hiper/supermercados (8,9%) e materiais de construção (13,9%), enquanto outros ainda estão muito abaixo, como é o caso de tecidos e vestuário (32,7% abaixo).

Variação em Relação a Fevereiro

O retorno dos índices de mobilidade urbana e as transferências de renda via Auxílio Emergencial, que somaram em julho R$ 47 bilhões, têm sustentado a forte recuperação do varejo. Esses dois vetores continuaram ativos em agosto; a mobilidade urbana tem aumentando no mesmo ritmo observado entre junho e julho e o Auxílio Emergencial transferiu R$ 45 bilhões em agosto.

Brasil - Índice de Mobilidade Urbana

Portanto, projetamos um crescimento de 3% a/a e 1,5% m/m para o varejo restrito em agosto. Além disso, indicadores de alta frequência (índice de faturamento de empresas do varejo, divulgado pela Cielo) indicam continuidade do crescimento na primeira semana de setembro.

Equipe Macro

José Márcio Camargo
Tiago Tristão
Eduardo Ferman

Abra sua conta na Genial Investimentos - Banner Post

Publicado por Tiago Tristão

Doutor em economia pela PUC-RJ é analista de atividade econômica na Genial Investimentos.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *