Confira dicas para se prevenir contra golpes e fraudes em compras, pagamentos, investimento e movimentações financeiras no ambiente virtual.

A realização de transações financeiras por meio da internet tem se tornado cada vez mais comum no Brasil. A praticidade e a comodidade para fazer compras, pagamentos, investimentos e movimentações em contas bancárias no ambiente virtual estão entre os principais atrativos. Mas é preciso ter atenção à segurança dos domínios para garantir a proteção dos dados e evitar golpes e fraudes.

Pesquisas revelam que a pandemia da Covid-19 promoveu a aceleração do uso dos canais digitais pelos brasileiros. O e-commerce ganhou 13 milhões de novos consumidores em 2020. Este ano, o processo segue em expansão, com o ingresso de mais 6,2 milhões de compradores no primeiro semestre, segundo dados da Ebit/Nielsen.

Outro comportamento observado foi o aumento do uso das tecnologias para movimentações bancárias. Estudo realizado pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) identificou que 67% das operações realizadas no ano passado foram por meio dos canais digitais, internet banking e mobile banking.

No total, foram feitas 68,7 bilhões de transações bancárias no ambiente virtual. Ainda de acordo com a Febraban, os canais digitais foram responsáveis por 80% dos pagamentos de contas e 90% das contratações de crédito.

Crescimento de fraudes e golpes durante a pandemia 

Paralelamente ao aumento do uso da internet pelos brasileiros para a realização de transações financeiras, também foi registrado o crescimento de golpes e fraudes no ambiente virtual. 

De acordo com a Febraban, os ataques de phishing aumentaram 80% em meio à pandemia da Covid-19. Esse tipo de golpe consiste no envio de e-mails e mensagens com links que direcionam para sites falsos a fim de capturar os dados da vítima. 

A entidade alerta, ainda, que 70% das fraudes estão relacionadas à engenharia social, uma tática de manipulação utilizada pelos criminosos para que a vítima repasse informações confidenciais, como senhas e número de cartões. O crime pode acontecer via mensagem, e-mail ou redes sociais. 

Como saber se um site é seguro

Com o aumento das fraudes no ambiente virtual, surge a dúvida sobre como saber se um site é seguro. Alguns cuidados podem ajudar nessa identificação. Confira as principais orientações para se prevenir:

1. Verifique o domínio e a URL

A primeira observação que deve ser feita em um site é se há o uso de criptografia digital, o que confere maior segurança ao usuário. Isto é indicado pelo https no início do endereço (URL) e, em alguns navegadores, pelo ícone do cadeado. O “s” e o cadeado indicam que o domínio dispõe de certificado de segurança válido, o que torna a conexão segura.

Também é importante desconfiar de páginas que tenham domínios que imitam marcas reconhecidas no mercado. Essa é uma das estratégias usadas por criminosos com o intuito de induzir o usuário ao erro.

2. Confira as informações disponíveis na página

Um site seguro deve oferecer informações de identificação da empresa, como razão social, CNPJ, telefone e outras formas de contato que não sejam apenas o e-mail. Vale avaliar, também, se a página disponibiliza um canal de atendimento ao cliente. Tais dados costumam ser publicados no rodapé da página.

Outro aspecto fundamental é que o site informe ao usuário sobre as políticas de privacidade. Deve haver clareza sobre quais são os dados coletados e armazenados pelo site e com qual finalidade isso é feito.

3. Busque auxílio de fontes oficiais e confiáveis

Outro passo para saber se um site é confiável é pesquisar informações junto aos órgãos de defesa do consumidor e outras fontes oficiais. A Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor do Estado de São Paulo (Procon-SP) mantém uma lista com 500 sites considerados não confiáveis.

Já o site Reclame Aqui apresenta relatos e avaliações dos consumidores, sendo uma boa alternativa para pesquisar o histórico de reputação das marcas.

4. Não clique nos links recebidos

Os ataques de phishing acontecem por meio de links que direcionam o usuário para sites falsos. Por isso, é importante estar atento. Não clique diretamente no link recebido por e-mail, WhatsApp ou mensagens antes de testá-lo.

Para isso, abra uma aba separada e digite o endereço para checar se ele realmente existe. Caso sim, ainda é aconselhável analisar a página antes de efetuar qualquer transação.

5. Esteja sempre atento

Parece uma orientação simples, mas ela faz toda a diferença. Além de contribuir para incorporar hábitos de segurança nas atividades realizadas pela internet, ajuda a identificar detalhes que entregam que um site não é confiável.

Busque referências com amigos e familiares sobre os sites em que vale a pena fazer transações; baixe apenas aplicativos de lojas e jogos conhecidos; desconfie de ofertas muito vantajosas; não compre com fornecedores que aceitam apenas PIX, depósitos e boletos bancários; guarde todos os comprovantes das operações realizadas.

É válido lembrar que no Brasil já está em vigor a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), Lei nº 13.709/2018, que estabelece determinações para as empresas sobre o tratamento de dados pessoais dos consumidores, inclusive no meio digital.

O Banco Genial tem entre seus principais pilares a segurança dos correntistas e, por isso, utiliza tecnologia de ponta para a proteção de dados.

Comentários