A Genial Investimentos participa do projeto piloto da primeira moeda digital do Brasil, a DREX.

A Genial Investimentos ultrapassou o primeiro marco do piloto do Real Digital (DREX) ao conectar seu nó à rede do Banco Central. O consórcio, liderado pela Genial Investimentos e pelo Mercado Bitcoin, e composto por Mastercard, Sinqia e Cerc, utilizou a infraestrutura da Genial para essa integração. Embora o consórcio estivesse pronto para a conexão desde meados de julho, foi necessário aguardar o aumento da banda de conexão na Rede do Sistema Financeiro Nacional (RSFN), um pré-requisito essencial. Para otimizar o desenvolvimento, o grupo optou por criar uma rede Hyperledger Besu própria, possibilitando a elaboração de funcionalidades que serão aplicadas ao piloto do Banco Central (BACEN). 

Agora que a conexão foi estabelecida, o foco se volta para a realização de emissões, resgates e transferências de Real Digital. Como uma CBDC (moeda digital de banco central), o DREX tem potencial para transformar profundamente a liquidação de ativos financeiros no Brasil. Assim como o PIX revolucionou os pagamentos, o DREX traz inovação da programabilidade para a moeda, abrindo caminho para a criação de novos produtos e novas oportunidades no cenário financeiro brasileiro. 

O que é DREX?

DREX é o nome dado a moeda digital brasileira. Diferente do PIX que é um sistema de pagamentos instantâneo, a DREX é a própria moeda. A moeda terá duas versões, a de atacado e a de varejo. A moeda de atacado servirá para alimentar as contas de reserva dos bancos, e será transacionada somente entre os bancos e o próprio Banco Central. Já a de varejo será emitida pelos bancos e representará os depósitos à vista na instituição.

 Na prática, cada banco fará a sua própria tokenização dentro da rede do Banco Central. Por ser construído em cima de uma blockchain, o DREX terá algumas vantagens, que motivam o Banco Central a implementá-lo. A blockchain escolhida permite a criação de smart contracts (contratos inteligentes). Eles possibilitam programar certas tarefas, fazendo com que não dependam de intermediários. 

Um exemplo é programar para que a titularidade de um veículo seja passada de uma pessoa a outra somente quando os recursos caírem em conta. No entanto, existem inúmeras outras situações, as quais a programabilidade se aplica. Outra vantagem do DREX é o registro das transações em uma única rede, gerando mais interoperabilidade em transações financeiras, liquidação e registro de titularidade de ativos.

Para o usuário final, os benefícios devem ser observados em menos erros, falhas, e menor tempo de liquidação de ativos, que consiste no tempo entre a solicitação de compra e a compra de fato ser efetuada. Uma rede única também beneficia a segurança do sistema financeiro, pois os investimentos de múltiplas instituições privadas passam a ser direcionados para uma mesma rede. Esse ponto é especialmente importante com o aumento de temas como segurança cibernética.

Quais são os principais desafios?

Na primeira fase do piloto, será testada a programabilidade e privacidade. Como as transações ocorrerão em uma única rede, será necessário garantir a privacidade entre os participantes. No que se refere a privacidade existem desafios consideráveis, principalmente se considerarmos que algumas soluções, como o zero-knowlodge, ainda são incipientes e pouco aplicadas.

Expectativas

A previsão é que o DREX seja utilizado em todas as atividades financeiras convencionais, como empréstimos, seguros e investimentos. A expectativa é de que seja disponibilizado ao público até o fim de 2024.

Inscreva-se no nosso canal do YouTube
Institucional

Genial Investimentos

Somos uma plataforma de investimentos que tem como objetivo facilitar o acesso ao mercado financeiro e ampliar a educação financeira no Brasil.

Ver todos os artigos
Campanha Institucional - Ativação - Abra sua conta

Navegação rápida

O link do artigo foi copiado!