Mesmo isenta de IR, a caderneta de poupança é uma aplicação financeira que deve ter seu saldo e rendimentos informados na Declaração de Ajuste Anual. Neste artigo, falaremos sobre como declarar poupança no imposto de renda.

Além disso, se você tiver saldo em conta-corrente nas suas contas bancárias, este também deve ser informado na declaração.

Como declarar poupança no imposto de renda

Saldos superiores a 140 reais em contas-poupança ou contas-correntes precisam ser declarados na ficha de Bens e Direitos.

Cadernetas de poupança devem ser discriminadas pelo código 41, e contas-correntes pelos códigos 61 (se for uma conta no Brasil) ou 62 (se for uma conta no exterior).

Em 2018, foram implantadas algumas mudanças para a declaração de aplicações financeiras nesta ficha. Agora, há campos específicos para informar o CNPJ da instituição financeira, o número da agência (sem o dígito verificador) e o número da conta. Você deve informar o número da conta sem o dígito no campo especificado, e o seu dígito verificador no campo DV.

No campo “Discriminação”, você deve informar o nome da instituição financeira, se a conta é conjunta e, se for, o CPF do outro titular.

Um exemplo: Conta Poupança no Banco XYZ conjunta com Fulano de Tal, CPF zzz.zzz.zzz-zz.

Os campos “Situação em 31/12/2016” e “Situação em 31/12/2017” devem ser preenchidos com os valores discriminados no informe de rendimentos enviado pela instituição financeira.

Já os rendimentos da poupança devem ser informados na ficha Rendimentos Isentos e Não Tributáveis. Você deve escolher o código 12, “Rendimentos de cadernetas de poupança, letras hipotecárias, letras de crédito do agronegócio e imobiliárias (LCA e LCI) e certificados de recebíveis do agronegócio e imobiliários (CRA e CRI)”.

Você deverá informar se os rendimentos são do titular ou de um dos dependentes da declaração, o nome e o CNPJ da instituição financeira pagadora e o valor dos rendimentos.

Uma observação sobre as contas-correntes

Alguns bancos fazem uma aplicação automática dos saldos em conta-corrente que recebe uma pequena remuneração. Esses saldos não devem ser declarados como contas-correntes, mas sim como as aplicações financeiras que foram feitas.

Em geral, os saldos em conta são aplicados em CDB e RDB, devendo ser informados na ficha de Bens e Direitos sob o código 45. Os demais campos devem ser preenchidos segundo a mesma lógica usada para declarar poupança e conta-corrente.

Os rendimentos advindos dessas aplicações automáticas não são isentos de IR. Sua tributação ocorre diretamente na fonte, então você não precisa se preocupar em recolher nada. Mas esses rendimentos devem ser informados na ficha Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva, no código 06, “Rendimentos de aplicações financeiras”.

Aí, é preciso informar se o beneficiário é o titular ou dependente na declaração, o CNPJ e o nome da fonte pagadora e o valor do rendimento.

Ficou alguma dúvida sobre como declarar poupança no imposto de renda? Deixe-a nos comentários!

A Genial é a plataforma de investimentos que está democratizando o acesso aos melhores produtos do mercado, de forma simples, ágil e eficiente, através de uma assessoria financeira isenta, transparente e qualificada.

Contentários