Para escolher os investimentos adequados para a sua carteira, nem sempre a rentabilidade é o mais importante. Em muitos casos, a liquidez é uma característica essencial, o que leva à necessidade de buscar opções de investimento com liquidez diária. 

Dessa forma, você conseguirá resgatar seu dinheiro com facilidade e em menos tempo. Essa possibilidade pode ser fundamental em uma situação imprevista, por exemplo. Considerando as diferentes necessidades, portanto, se torna mais fácil encontrar mais de uma alternativa que pode compor sua carteira. 

Neste artigo, nosso time da Genial Investimentos apresenta 3 alternativas de investimento com liquidez diária. Confira! 

O que é liquidez? 

Ao aplicar o seu capital, surgem momentos em que é necessário transformar o investimento em dinheiro novamente, antes do seu prazo de resgate. A essa capacidade de converter um investimento em dinheiro é dado o nome de liquidez

Portanto, considerando o significado da liquidez em finanças, pode-se dizer que essa é uma das características mais relevantes de um investimento. Ao investir a reserva de emergência, por exemplo, o ideal é que a aplicação permita o acesso fácil aos recursos em caso de necessidade. 

O que é liquidez diária? 

Além de saber o que é a liquidez, vale a pena conhecer o conceito de liquidez diária. Ele representa a capacidade de converter um ativo em dinheiro no mesmo dia útil em que foi feita a solicitação. 

Portanto, não há risco de precisar esperar semanas ou meses, por exemplo. Por essa característica, os investimentos com liquidez diária são os mais líquidos do mercado e permitem que você resgate os ativos a qualquer momento. 

Visite nosso canal no YouTube

3 Investimentos com liquidez diária 

Agora que você entende o que significa liquidez e como funciona a liquidez diária, é interessante conhecer os investimentos que apresentam tal característica. A seguir, confira 3 aplicações financeiras com liquidez diária! 

1. Títulos públicos 

Os títulos públicos federais, negociados pela plataforma do Tesouro Direto, são investimentos conservadores, pois estão expostos ao risco do Governo Federal. Na prática, há três tipos de títulos públicos: 

  • os pós-fixados, cuja remuneração acompanha a taxa Selic;  
  • os prefixados, que pagam uma taxa acordada no ato do investimento;  
  • os híbridos, atrelados à inflação, que pagam uma taxa prefixada mais a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). 

Em todos os casos, eles têm liquidez diária, pois o Governo se compromete a recomprá-los todos os dias. Contudo, tenha em mente que a rentabilidade obtida quando se vende um título público não é, necessariamente, igual à rentabilidade contratada no ato da compra do título. 

Isso porque os títulos públicos sofrem a marcação a mercado, que serve para atualizar o preço diariamente de uma aplicação, considerando as condições do mercado. Com isso, os preços flutuam de acordo com as perspectivas do mercado — com exceção do Tesouro Selic (pós-fixado). 

Assim, a venda antes do vencimento de títulos prefixados ou híbridos pode resultar até em rentabilidade negativa, caso o preço de venda seja menor que o de compra. Apenas levando o título ao vencimento o investidor tem a garantia de receber a rentabilidade prometida no ato da compra. 

Entretanto, como você viu, a marcação a mercado traz menos impactos no título Tesouro Selic. Por isso, em geral, pode ser vendido antes do vencimento com rendimento positivo. 

2. CDBs 

Os certificados de depósito bancário (CDBs) são títulos de renda fixa emitidos por instituições financeiras. Também são considerados conservadores, pois contam com a proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). 

Ele garante a cobertura de até R$ 250 mil por CPF em títulos de uma mesma instituição financeira. Ainda, há um limite global de R$ 1 milhão por investidor renovável a cada 4 anos. Em relação ao retorno, os certificados podem ser prefixados, pós-fixados ou híbridos. 

Contudo, quando se trata de liquidez diária, em regra ela fica disponível apenas nos pós-fixados. Nesse caso, a rentabilidade costuma ser atrelada a um percentual do certificado de depósito interbancário (CDI), que fica pouco abaixo da Selic.  

Isso porque os investimentos prefixados ou híbridos, que costumam estar atreladas ao IPCA, tendem a permitir o resgate apenas no vencimento. Aqui, a alternativa para obter os valores antecipadamente é recorrer ao mercado secundário, o que também pode trazer perdas.  

3. Fundos de investimento 

Os fundos de investimento apresentam regras variadas sobre liquidez, conforme o seu tipo e estratégia específica. Contudo, existem alternativas fundos de renda fixa conservadora, como os fundos DI, que apresentam alta liquidez.  

Com elas, é possível que o cotista receba o dinheiro no mesmo dia do pedido de resgate. Esse tipo de fundo faz aplicações em títulos de renda fixa de baixo risco, com rentabilidade atrelada à Selic ou ao CDI.  

Logo, podem ser alternativas para quem busca um investimento conservador de alta liquidez, com capacidade de render mais que a poupança. Porém, vale destacar que determinados fundos de renda fixa podem ter estratégias mais arrojados.  

Nesses casos, eles podem investir em títulos de dívida de empresas ou em aplicações com rentabilidade atrelada à inflação. Isso potencializa a rentabilidade, mas tende a reduzir a liquidez e aumentar os riscos. Por isso, vale a pena consultar a lâmina do fundo para entender como funcionam os prazos de resgate. 

Como considerar a liquidez ao investir? 

Como você viu, a liquidez é uma das características principais de um investimento e ela pode ter um peso diferente a cada estratégia. Se ela for um fator crucial para você, é preciso avaliar com cuidado essa questão ao compor a carteira. 

Para seu portfólio proporcionar disponibilidade financeira, pode ser interessante priorizar alternativas de investimento com liquidez diária. Lembre-se de que muitos títulos permitem resgate apenas no vencimento ou após um período de carência. 

Caso decida investir em um fundo, considere os prazos de cotização e de liquidação financeira. Para facilitar a avaliação, é necessário entender que esses termos significam. O prazo de cotização é o tempo que leva para transformar suas cotas em dinheiro. 

Já o prazo de liquidação é o tempo que leva entre a transformação das cotas em dinheiro e a data de disponibilização do dinheiro na sua conta. Somados, os dois períodos indicam quanto tempo leva entre o pedido de resgate e a disponibilidade do dinheiro na conta.  

Prestar atenção a essas informações é importante para entender se a alternativa oferece liquidez diária e avaliar se ela se encaixa em suas necessidades. Dessa maneira, você conseguirá tomar decisões mais alinhadas para os objetivos do aporte.  

Ao conhecer esses 3 tipos de investimento com liquidez diária, você pode considerá-los para os objetivos que exigem maior facilidade na conversão das aplicações em dinheiro. Com isso, é possível atender necessidades a específicas, como seus investimentos na reserva de emergência. 

Quer aprender mais sobre os impactos da liquidez nos investimentos? Então veja o que é o risco de liquidez

Comentários