Quem investe na bolsa de valores costuma tomar as suas decisões com base nos indicadores da análise fundamentalista. Entre os mais conhecidos e utilizados no universo empresarial está o Ebitda, você já o conhece?

Por meio desse indicador, o investidor pode entender a saúde financeira de um negócio. Assim, saber como usá-lo permite complementar a sua análise e melhorar as suas escolhas no momento de compor a sua carteira de investimentos em ações.

Caso você ainda não conheça o que é, como calcular e qual a importância do Ebitda, aproveite para aprender mais sobre ele neste artigo preparado por nós, da Genial Investimentos.

Confira!

O que é Ebitda?

O termo “Ebitda” é o acrônimo da expressão de origem inglesa earnings before interests, taxes, depreciation and amortization. Em tradução para o português, a sigla fica “Lajida” que, por sua vez, significa lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização.

No universo empresarial, o conceito de Ebitda está atrelado à capacidade de uma companhia ter lucro, desconsiderando o pagamento de juros e os impostos. Isto é, ele exclui esses custos do negócio para que seja possível avaliar a situação e a capacidade da organização de gerar receita.

Dessa forma, o Ebitda é um dos indicadores mais utilizados quando é preciso avaliar o desempenho das empresas.

A realização desse tipo de análise é essencial para quem investe em companhias com visão de sócio. Afinal, ao avaliar os fundamentos de um negócio, é possível priorizar o investimento nas companhias que possuem maior capacidade de gerar valor de forma consistente — se esse for o seu interesse enquanto investidor.

Ainda que não haja garantias quando o assunto é renda variável, considerar a avaliação do Ebitda junto a outros indicadores fundamentalistas aumentam as chances de alcançar bons resultados para a sua carteira de investimentos.

Para ilustrar melhor como funciona essa avaliação, na prática, veja o exemplo do Ebitda da Ambev (ABEV3) e Gol (GOLL4), do terceiro trimestre de 2022. Ele foi baseado no site de relação com investidores, Bloomberg e Genial Analisa:

  • Ambev (ABEV3):
  • Gol (GOLL4):

Como funciona e por que é tão importante avaliar esse indicador?

Após conferir o conceito de Ebitda, é válido entender como se dá o seu funcionamento e porque ele é tão importante para o investidor.

No Ebitda são eliminados os dados não atrelados à atividade principal da organização. Logo, excluem-se as informações que dizem respeito a juros, impostos, amortização e depreciação.

Quando uma empresa revela um Ebitda positivo, isso pode indicar que ela tem potencial para cobrir as suas despesas e gerar caixa no futuro. Esse costuma ser o resultado de uma gestão de boa qualidade, embora não seja o único fator a ser avaliado nesse sentido.

Em contrapartida, se a companhia apresenta um Ebitda negativo, esse pode ser um sinal de que a companhia não está sendo rentável. Mas isso não significa que ela traz prejuízos, uma vez que ela pode ter lucro fora da atividade principal, por exemplo.

Também é preciso mencionar que o Ebitda ignora o fator endividamento. Por exemplo, ele não considera o pagamento devido a título de juros de empréstimos. Com isso, ele não contempla uma análise completa da saúde financeira da empresa, então não deve ser utilizado isoladamente.

Como calcular o Ebitda?

O cálculo do Ebitda é feito com as informações disponíveis no demonstrativo de resultado do exercício (DRE) da companhia. Trata-se de um documento de divulgação obrigatória para as empresas que possuem o capital aberto na bolsa de valores.

Ele traz os principais dados financeiros sobre a organização por período. Para calcular o Ebitda, será preciso somar o lucro líquido, o Imposto de Renda (IR), a contribuição social sobre o lucro líquido (CSLL), o resultado líquido, a depreciação e a amortização.

A fórmula fica assim:

Ebitda = Resultado líquido + Juros + Impostos + Depreciação + Amortização

Contudo, você não precisa se preocupar em fazer o cálculo manualmente, uma vez que as companhias já divulgam o seu Ebitda em seus relatórios financeiros. Entretanto, nada impede que você calcule o indicador para conferir se as informações prestadas pela empresa estão corretas.

Não é raro encontrar também o Ebitda ajustado. Essa modalidade depende das características e da realidade de cada empresa. É possível fazer alguns ajustes — como considerar outros valores que impactam na operação — para representar melhor a situação operacional da empresa.

Por exemplo, no relatório de desempenho da Vale (VALE3) do terceiro trimestre de 2022 (3T22), a companhia trouxe o Ebitda ajustado de duas formas. A primeira considerando as operações continuadas e a segunda (proforma) excluindo determinadas despesas. Veja:

Como saber o Ebitda de uma empresa?

Como você aprendeu, o Ebitda de uma empresa pode ser calculado pelo próprio interessado ou conferido nos relatórios financeiros disponibilizados pela própria companhia. Além disso, vale ressaltar que para uma empresa abrir o capital na bolsa de valores, ela precisa seguir uma série de exigências.

O órgão responsável por regulamentar e fiscalizar essas exigências é a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Entre elas, está a entrega dos formulários referentes a informações trimestrais (ITR) — artigo 16, inciso VIII, da Instrução CVM nº 202/93.

O ITR ainda conta com um prazo de entrega de até 45 dias após o término de cada trimestre do exercício social — exceto o último. Ademais, é exigido que a empresa informe aos acionistas ou terceiros, caso a divulgação ocorra em data anterior.

Esse e outros tipos de relatórios financeiros poderão ser acessados no site de relação com investidores (RI) de cada companhia listada na bolsa. Eventualmente, também podem ser acessados em sites de corretoras e casas de análise que disponibilizam avaliações sobre ações.

É o caso da Genial Analisa, que divulga conteúdo financeiro de qualidade para que você consiga tomar as melhores decisões de investimentos. Periodicamente, a nossa equipe de profissionais publica relatórios sobre ações e recomendações de investimento.

Assim, você saberá o Ebitda de uma empresa e poderá utilizar o indicador em suas análises, caso faça sentido para a sua estratégia.

Ebitda alto: é bom ou ruim?

Após conferir o que é Ebitda, como ele funciona e onde encontrá-lo, você poderá ter dúvidas se um Ebitda alto é bom ou ruim.

Existem diferentes maneiras de responder essa questão. Até aqui, você aprendeu que um Ebitda positivo pode indicar uma boa gestão. Afinal, quando o indicador supera o zero, isso mostra que a empresa tem capacidade de gerar caixa com a sua atividade principal.

Nesse contexto, é possível afirmar que quanto maior for o Ebitda de uma organização, melhor será para o investidor. Contudo, a realização de uma análise mais aprofundada evitará a realização de um investimento precipitado.

É o caso de investir na companhia considerando apenas o Ebitda positivo apresentado no último trimestre, por exemplo, sem considerar os demais ao longo do ano. Desse modo, é importante fazer análises temporais e comparar os dados de diferentes períodos.

Assim, você saberá se a capacidade da companhia em gerar lucros está aumentando ou diminuindo ao longo do tempo. Com essa prática, também é possível evitar ruídos e eventuais resultados obtidos diante de um período incomum no mercado.

O que é a margem Ebitda?

Ao encontrar o Ebitda, o investidor consegue realizar outros cálculos que podem contribuir para a tomada de decisão. Um deles é conhecido como margem Ebitda ou margem operacional.

A sua principal função é mostrar qual é a participação do lucro líquido operacional sobre as receitas obtidas em um determinado período. Dessa maneira, você consegue mensurar a capacidade produtiva da organização.

O cálculo da margem Ebitda é feito a partir da seguinte fórmula:

Margem Ebitda = (Ebitda / Receita líquida) x 100

O resultado dessa conta é multiplicado por 100 para obter um valor em porcentagem. Para entender como ela ficaria na prática, imagine que uma empresa apresente um Ebitda de R$ 350 mil e uma receita líquida de R$ 915 mil. Ao aplicar a fórmula, tem-se:

Margem Ebitda = 350.000 / 915.000

Margem Ebitda = 0,3825 x 100

Margem Ebitda = 38,25%

Esse indicador permite fazer comparações entre empresas de diferentes tamanhos, mas que atuam no mesmo setor. Assim, você terá dados para identificar aquela que apresenta maior eficiência em gerar lucros em sua atividade.

Qual é a diferença entre Ebitda e lucro operacional (EBIT)?

Além do Ebitda, a análise fundamentalista conta com uma grande variedade de indicadores. Entre eles, está o Ebit, que muitas vezes é confundido com o Ebitda, sendo necessário diferenciá-los.

Apesar de terem nomes parecidos, eles trazem dados distintos e podem ser utilizados em conjunto, para refinar a análise. Ebit é a sigla para a expressão em inglês “earnings before interests and taxes”. Em português, ela fica “Lajir” ou lucro antes dos juros e tributos.

Ao contrário do Ebitda, o Ebit não desconsidera a depreciação e a amortização no seu cálculo. Dessa forma, o Ebit apresenta dados diretos sobre o lucro operacional obtido. Já o Ebitda, como visto, demonstra a capacidade de lucro obtido na operação principal da companhia.

Portanto, é comum que o Ebitda apresente um valor maior que o Ebit. Desse modo, usando os dois indicadores, você conseguirá identificar a qualidade do lucro operacional da empresa e a capacidade de ela gerar caixa com sua atividade principal.

Quais são as vantagens e desvantagens do Ebitda?

Chegando até aqui, você já reúne bastante conhecimento sobre o Ebitda, mas ainda falta conferir as suas vantagens e desvantagens.

Veja em uma versão simplificada:

VantagensDesvantagens
– mede a produtividade da companhia;

– indica a qualidade da atual gestão;

– permite análises comparativas;

– mostra a eficiência do negócio no tempo;

– pode ser usado para fazer projeções;

– também serve como benchmark.
– despreza dados financeiros importantes;

– disfarça o eventual uso de alavancagem;

– não permite a avaliação da liquidez;

– pode ocultar prejuízos líquidos;

– limita a análise financeira do negócio;

– não pode ser utilizado isoladamente.

Quais são os principais cuidados ao analisar um Ebitda?

Ainda que o Ebitda seja um indicador bastante relevante para quem deseja investir em ações de empresas, é preciso ter cautela. Como você aprendeu, ele deixa de considerar questões importantes sobre as finanças de uma empresa.

Por exemplo, o Ebitda pode oferecer uma falsa ideia da real liquidez da companhia. Isso porque é normal os administradores contarem com empréstimos e financiamentos como forma de alavancagem operacional. Isto é, para impulsionar os seus resultados.

Nesse sentido, pode acontecer de a companhia ficar com as despesas maiores que as receitas. Como o cálculo desse indicador não considera essas informações, é possível encontrar empresas com um Ebitda positivo, mas que apresentem alto endividamento e prejuízos líquidos.

Então lembre-se de que avaliar apenas o Ebitda para tomar uma decisão de investimento pode gerar frustrações no futuro. Isso porque a previsão de geração de caixa feita por meio desse indicador pode não se concretizar por conta de outras questões financeiras não consideradas no cálculo.

Existem outros indicadores contábeis importantes?

Depois de ver que não é recomendado utilizar o Ebitda de forma isolada, você pode querer saber quais outros indicadores contábeis são importantes para a análise fundamentalista. Como você já sabe, existem diversos parâmetros que podem ser utilizados junto ao Ebitda.

Considerando que o Ebitda desconsidera o endividamento do negócio, é interessante buscar por indicadores que façam essa análise. Entre eles, é possível utilizar o múltiplo obtido pela dívida bruta/patrimônio líquido.

Ele é resultado da divisão do total de dívidas que o negócio possui pelo valor real que a companhia apresenta. Isto é, a diferença entre passivos e ativos da empresa — o que pode ser utilizado para identificar o nível de endividamento e eventual alavancagem da organização.

Outros indicadores podem ser usados para análise de questões específicas. Por exemplo, se você busca o recebimento de renda passiva, é interessante avaliar o dividend yield (DY). Ele mostra a relação entre os dividendos distribuídos nos últimos 12 meses e a cotação atual das ações da companhia.

Já o indicador preço/lucro (P/L) mede a relação entre o preço atual da ação da companhia pelo lucro por papel nos últimos 12 meses. Por meio dele, você pode identificar se o ativo está descontado, ou seja, com uma cotação maior que o seu efetivo valor.

Assim, utilizando-se o Ebitda junto a outros indicadores fundamentalistas do seu interesse, você terá uma avaliação mais precisa. Isso somado à análise do seu perfil de investidor e objetivos financeiros poderá fazer uma grande diferença no desempenho da sua carteira de investimentos.

Conclusão

Agora você já sabe o que é o Ebitda e de que forma ele é calculado. Não deixe de utilizá-lo na hora de analisar e investir em ações, se isso fizer sentido para você. Ademais, lembre-se de combiná-lo a outros indicadores da análise fundamentalista para fazer escolhas mais embasadas!

Quer contar com apoio para investir nas melhores ações com mais segurança? Entre em contato conosco, da Genial, e abra já a sua conta!

Genial Investimentos

Somos uma plataforma de investimentos que tem como objetivo facilitar o acesso ao mercado financeiro e ampliar a educação financeira no Brasil.

Ver todos os artigos
Campanha Institucional - Ativação - Abra sua conta

Navegação rápida

O link do artigo foi copiado!

Planilha Comparativa de Renda Fixa