Como começar a investirPlanejamento financeiro

O que torna um investimento conservador, moderado ou arrojado

Por 6 de outubro de 2017 Nenhum comentário

Assim como os investidores, os investimentos também podem ser classificados como conservadores, moderados ou arrojados/agressivos. E o que caracteriza cada perfil de risco?

Seria simplista definir que os investimentos conservadores são destinados aos investidores conservadores, os moderados aos investidores moderados e os arrojados aos investidores arrojados.

Investidores moderados, por exemplo, podem ter investimentos arrojados na carteira, porém um percentual pequeno quando comparados aos investidores arrojados.

Estes, por sua vez, não deveriam investir 100% do seu patrimônio em investimentos arrojados. O mais aconselhável é diversificarem entre os três tipos de perfil de risco.

Por sinal, todos os investidores, mesmo os mais arrojados, precisam de uma reserva de emergências aplicada em investimentos conservadores.

Neste outro post, falamos sobre o que caracteriza cada perfil de investidor – conservador, moderado e arrojado/agressivo. Já neste texto, explicamos o conceito de risco, para ninguém confundir risco com perda. E neste post explicamos os diferentes tipos de risco que você pode correr ao investir.

Em geral, os investidores devem responder a um questionário, ao abrirem conta em uma instituição financeira para investir.

A partir das respostas, ele será enquadrado em um desses perfis, o que ajudará a instituição financeira a indicar as aplicações mais adequadas ao seu perfil. Mas nada impede também que o próprio investidor, sabendo as características de cada perfil, se identifique mais com um deles.

Agora, vamos falar um pouco sobre o que faz com que um investimento seja caracterizado como conservador, moderado ou arrojado/agressivo.

Investimentos conservadores

Investimentos conservadores são aqueles considerados de baixíssimo risco. Seu desempenho costuma ser estável e positivo, com poucas oscilações.

São investimentos de renda fixa ou operações que tomam características de renda fixa. Isto é, o investidor já sabe de saída de que forma será remunerado e receberá no prazo acordado incondicionalmente.

Quando se trata de um investimento com algum risco de crédito – também chamado de risco de calote – este é baixíssimo. Em outras palavras, o responsável pelo pagamento é uma entidade com boa saúde financeira, boa pagadora, ou as garantias são bastante sólidas.

Finalmente, esses investimentos têm alta liquidez. O investidor pode se desfazer do investimento a qualquer momento, por meio de venda ou resgate, ainda que antes de uma eventual data de vencimento. Além disso, o dinheiro cai na sua conta imediatamente ou em poucos dias.

Em resumo, os investimentos conservadores são os mais tranquilinhos, em que o investidor não terá rendimento negativo nem ficará com o seus recursos “presos” a uma data de vencimento.

Sua rentabilidade costuma ficar próxima da taxa básica de juros (Selic) ou do CDI, taxa de juros que se aproxima da Selic, e não tem como ficar muito acima disso. Este é o preço que se paga pelo baixo risco. No Brasil, isso tende a ser suficiente para preservar o patrimônio investido.

Exemplos de investimentos conservadores: poupança, CDB-DI com liquidez diária, fundos de renda fixa conservadora, título público Tesouro Selic (LFT).

Para que tipos de investidores são indicados: todos os investidores deveriam ter ao menos uma parcela dos recursos alocados em investimentos conservadores, na forma de uma reserva de emergência. Investidores muito conservadores podem aplicar apenas em investimentos com este perfil.

Para que tipos de objetivos são indicados: objetivos de curto e médio prazo, como reserva de emergência, poupança para viajar, reserva para pagar uma festa de casamento ou um curso no exterior que deve acontecer dentro de pouco tempo.

Investimentos moderados

Os investimentos moderados ficam no meio-termo. Eles têm risco um pouco maior que os investimentos conservadores, mas, consequentemente, são capazes de render um pouco acima da Selic e do CDI.

Eles podem ter restrições de liquidez, apresentar desempenho negativo em certas circunstâncias ou ter um risco de calote maior – ou ainda, apresentar uma combinação desses tipos de risco mais elevados.

Investimentos moderados podem, por exemplo, impossibilitar o resgate ou venda antes de determinado prazo. No caso de um título de renda fixa, essa restrição à liquidez permite ao emissor pagar mais do que os títulos de liquidez diária geralmente pagam. Isso porque o emissor tem a garantia de que o investidor permanecerá na aplicação até o fim do prazo.

Há, ainda, investimentos moderados que podem, eventualmente, ter rendimentos negativos, dependendo das circunstâncias econômicas e do momento em que o investidor resolve resgatá-los ou vendê-los.

Em resumo, os investimentos moderados buscam uma remuneração um pouco superior à taxa básica de juros para quem está disposto a correr algum risco.

Exemplos de investimentos moderados: LCIs e LCAs, debêntures, títulos de renda fixa prefixados e atrelados à inflação (públicos ou privados), CRIs e CRAs, fundos imobiliários, certos tipos de fundos multimercados e de crédito privado.

Para que tipos de investidores são indicados: para os moderados e arrojados/agressivos. Isto é, para os investidores que entendem os riscos que correm e estão dispostos a se expor a um pouco de risco para ganhar uma rentabilidade mais vitaminada, mas de forma ainda bastante controlada. Isso, é claro, sem descuidar da reserva aplicada em investimentos conservadores.

Para que tipos de objetivos são indicados: objetivos que possibilitem casar a data de vencimento (se houver) com a data em que serão concretizados, como uma viagem, um curso, uma festa de casamento, o nascimento de um filho, a compra de um carro ou um imóvel; objetivos de médio e longo prazo, como a aposentadoria ou a faculdade dos filhos que ainda são pequenos; ou simplesmente para fazer o patrimônio crescer.

Investimentos arrojados/agressivos

Os investimentos arrojados e agressivos são os de maior risco. Por conta disso, eles tendem também a ter maior potencial de rentabilidade, podendo render bem acima da taxa básica de juros.

Contudo, suas perdas também podem ser grandes, ou mesmo ilimitadas. Sua volatilidade costuma ser alta, isto é, os retornos podem oscilar bastante, para cima ou para baixo.

Os investimentos de renda variável se enquadram nesta categoria, o que significa que o retorno para o investidor está condicionado a fatores como o desempenho da economia e das empresas.

Alguns investimentos arrojados e agressivos também permitem a chamada alavancagem. Trata-se de um mecanismo que permite ao investidor operar volumes financeiros maiores que seu patrimônio, ou ainda, operar grandes volumes com apenas uma fração dos recursos. Falamos mais sobre alavancagem neste post.

A alavancagem permite potencializar os ganhos, mas também as perdas, caso a estratégia não saia como esperado. Neste último caso, o investidor pode perder mais do que o capital investido inicialmente.

Normalmente, os termos arrojado e agressivo são usados como sinônimos. Mas pode haver uma pequena diferenciação, em que investimentos agressivos são ainda mais arriscados que os arrojados.

Exemplos de investimentos arrojados/agressivos: ações, fundos de ações, fundos multimercados com investimento em renda variável e que permitam alavancagem, derivativos.

Para que tipos de investidores são indicados: investidores arrojados/agressivos, que estejam dispostos a expor parte do seu patrimônio a um risco mais alto a fim de turbinar seus ganhos. Investidores moderados também podem querer pôr um percentual pequeno de sua carteira em aplicações mais arrojadas, como estratégia de diversificação.

Para que tipos de objetivos são indicados: objetivos de médio e longo prazo, como a aposentadoria ou a independência financeira, ou simplesmente para fazer o patrimônio crescer.

Já sabe se você tem mais perfil conservador, moderado ou arrojado? Aqui na GENIAL Investimentos você pode descobrir, e indicaremos os investimentos mais adequados ao seu perfil. Veja como a GENIAL pode ajudar você a investir melhor o seu dinheiro e abra sua conta.

Genial

Genial

A Genial é a plataforma de investimentos que está democratizando o acesso aos melhores produtos do mercado, de forma simples, ágil e eficiente, através de uma assessoria financeira isenta, transparente e qualificada.