Tecnologia utilizada no Brasil e no mundo preserva a segurança de correntistas no mercado financeiro.

A biometria facial é uma tecnologia utilizada no Brasil e em todo o globo para preservar a segurança tanto em empresas privadas quanto no setor público. O reconhecimento de rosto captura e analisa as características faciais de uma pessoa para autentificar a sua identidade. A tecnologia é aplicada também como meio de segurança para correntistas do mercado financeiro. 

De acordo com a consultora internacional MarketsandMarkets, o mercado da biometria facial movimenta 3,3 bilhões de dólares no mundo e pode chegar a 7,7 bilhões em 2022. O reconhecimento de rosto codifica as características de cada pessoa, permitindo a verificação de autenticidade em diversos setores. 

Segundo o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos EUA, o nível de precisão da tecnologia que mapeia os traços do rosto humano é de 99,8%. A biometria facial pode ser aplicada em diferentes situações e fornece diversas soluções para os setores que usam esse tipo de sistema. 

Biometria facial para a segurança do correntista

O método de validação facial faz um mapeamento de diversos pontos do rosto por meio de algoritmos. A partir daí, algumas características são analisadas, como a distância do nariz aos olhos, da boca ao queixo; as marcas e as cicatrizes; o formato do rosto como um todo e o seu contorno. Depois disso, a imagem é transformada em números e guardada no sistema ao qual é inserida. 

A tecnologia biométrica funciona como uma conveniência para o mercado financeiro e seus correntistas. Como ressaltado pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital (Abrid), ela substitui a senha numérica e alfabética e adiciona segurança à transação.

Além disso, dispensa a necessidade de o usuário criar e lembrar uma combinação para ter acesso aos serviços e, também, o protege contra hackers ladrões de senhas.

Por meio da biometria facial é possível detectar e prevenir fraudes, por exemplo, e oferecer segurança em procedimentos como compra de produtos, concessão de crédito ou outras movimentações em sistema. Dessa forma, os processos passam a ser automatizados, demandando menos documentos impressos. 

Reconhecimento de rosto amplia acesso 

Segundo pesquisa divulgada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), em 2020, o celular foi o principal canal para realizar transações financeiras pelos brasileiros. Pela primeira vez, de acordo com os dados, essas transações representaram mais da metade do total das operações feitas no país (51%). 

Os serviços oferecidos no caixa eletrônico e na internet por uma instituição financeira que conte com o reconhecimento facial podem diminuir os gastos operacionais com agências físicas, além de contar com o corte de custos de gerenciamento de senha. Os celulares são ferramentas atuais de acesso a transações, o que acelera a transição das senhas para a biometria facial, que funciona como método de autenticação para os correntistas. 

De acordo com artigo publicado na Abrid, o Brasil é um dos países que mais utiliza a biometria no setor bancário. A estimativa é de que mais de 80% dos correntistas possuam biometria cadastrada, sendo a impressão digital e a da palma da mão as mais utilizadas. Além disso, ampliação segura do acesso a produtos financeiros também é mencionada como uma maneira de alcançar a população de menor renda, já que esse acesso é possível por meio dos smartphones.

Dúvidas

Ficou com dúvida sobre o funcionamento da biometria facial e de outras formas de reconhecimento biométrico? Entre em contato com o Banco Genial. Estamos à disposição.

Foto de goffkein em Freepik

Comentários