Quando falamos em investir na bolsa de valores, o que vem à sua cabeça? Provavelmente a compra de ações. E se fosse aplicar, quais ações você compraria? Também é provável que responda que investiria em ações de grandes empresas, como Vale ou Petrobras, já que são companhias bastante conhecidas e com um histórico de crescimento.

Mas e se você soubesse que existem empresas menores, com ações a preços muito mais baixos e com potencial de valorização muito maior, você pelo menos pensaria? Se sim, este artigo é para você!  

Nesse post vamos explicar como investir nas chamadas small caps, também conhecidas como ações de terceira linha. Continue a leitura para saber mais! 

Como investir em small caps

Antes de conhecer o caminho para esse investimento, é importante saber que aplicar em small caps vai exigir um bocado de estudo e dedicação. Por essas ações terem baixa liquidez (ou seja, você pode enfrentar dificuldades para encontrar compradores quando decidir vendê-las) e por haver risco de estarem com um preço menor do que quando as adquiriu, é recomendável procurar conhecer bem a gestão, dados sobre os resultados financeiros do negócio e o setor em que essa empresa atua.

Ao avaliar a companhia, é preciso verificar o histórico do negócio em gerar lucros recorrentes. Essas informações podem ser encontradas nos sites das próprias empresas ou nos reportes ao mercado no site da CVM. É importante também observar os demais fundamentos da instituição, por exemplo, como o negócio se comportou diante da recessão econômica brasileira e como está o setor em que ela atua. 

Outra forma de escolher em qual empresa investir pode ser por meio de uma carteira recomendada de uma corretora. Por isso, se você não possui experiência no mercado de small caps, isso não quer dizer que não possa investir nesse tipo de título. 

Na lista atualizada da Genial Investimentos, por exemplo, a carteira recomendada Small Caps 8+ conta com empresas das quais você já deve ter ouvido falar, como Camil, Tenda e Ferbasa. Fazem parte dessa carteira apenas ações de empresas cujo valor de mercado está entre R$ 1,5 bilhões até R$ 8 bilhões.

A Small Caps 8+ apresentou uma alta de 5,53% em junho de 2019 e, nos seis primeiros meses deste ano, o crescimento registrado foi de 30,62%. Ou seja, esse acréscimo significa que houve um ganho expressivo nesse intervalo de tempo.

Até mesmo o indicador da Bolsa que avalia o desempenho das small caps, o SMLL, teve um avanço de 19,26% entre janeiro e junho de 2019, um desempenho superior ao da Ibovespa, o principal índice da B3, a Bolsa de Valores brasileira, nas quais figuram grandes negócios.

Para investir em small caps não é preciso, necessariamente, focar em uma empresa. Normalmente, muitos investidores iniciantes optam por aportar em um Exchange Traded Fund (ETF), que nada mais é que um fundo de ações que segue um índice. 

Quando compra um ETF, você adquire cotas de um conjunto de ativos. Desta forma, consegue obter uma carteira diversificada e, portanto, com menor exposição aos riscos de se de investir em papéis de uma só empresa. Vale lembrar que há riscos de liquidez , de mercado, entre outros. 

No caso das small caps, também existe um ETF próprio, o Small 11, que apresenta um custo relativamente baixo: um ativo pode ser negociado em torno de R$ 100. O investimento significa uma possibilidade de diversificação da carteira. Um lote padrão conta com 10 ativos, assim, com R$ 1.000, você pode começar a fazer uma aplicação, com a praticidade de não precisar ficar o tempo todo acompanhando a movimentação do título.

Após definir a sua estratégia, comprar small caps é semelhante ao processo de compra de quaisquer outras ações: é preciso abrir uma conta em uma corretora de valores transferir o dinheiro, escolher as ações nas quais se quer investir, acessar o home broker e enviar a ordem de compra.

Small caps são para curto ou longo prazo?

Saber se você quer (ou pode) esperar muito ou pouco tempo para obter retorno é muito importante quando se trata de small caps.

A recomendação padrão é que, independentemente da estratégia – focar em uma empresa ou no ETF Small 11 -, se mantenha a operação em longo prazo, em um período de três a cinco anos pelo menos. Lembre-se de que as small caps são empresas cujo negócio ou setor estão em desenvolvimento e, justamente por esse fator, têm potencial de crescimento. No entanto, crescer demanda tempo. E no mercado de ações, os preços podem subir ou cair várias vezes até em uma mesma semana. 

Ao mesmo tempo, as small caps são mais expostas às variações do cenário econômico doméstico. Atualmente, pelo fato de o mercado brasileiro estar economicamente fraco, as ações das small caps também podem estar. Mas a expectativa dos especialistas é de que a economia nacional avance nos próximos anos, o que pode elevar o potencial das ações. Por outro lado, para uma grande empresa como a Petrobras, crescer não depende só do mercado nacional; o cenário internacional também é levado em consideração.

Portanto, ter paciência é fundamental para quem entra no mercado de ações, principalmente se o objetivo é investir em small caps.

Outro fator que vale ressaltar: como são companhias consideradas menores, as small caps tornam-se atraentes para processos de aquisições ou fusões. Essas operações podem melhorar o potencial de crescimento da companhia negociada, o que valoriza o preço da ação em um espaço de tempo mais rápido do que se ela “andasse sozinha”. No entanto, essas operações não ocorrem em um período curtíssimo, exigindo cuidado do investidor que desejar vender para obter lucro oriundo do processo de fusão ou aquisição.

Se você quiser saber mais sobre as small caps e ter acesso à carteira recomendada da Genial para começar a investir, entre em contato com a gente. Nossa equipe possui analistas especializados que poderão te orientar para lucrar com este e outros produtos. Abra já sua conta

abra sua conta

Leonardo é jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, com passagens por grandes veículos da imprensa brasileira, como TV Cultura, Veja e Estadão. Especializou-se em jornalismo econômico, com aprovação pela FGV, no curso de trainee promovido pelo Grupo Estado.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *