Os minicontratos do mercado futuro trouxeram a possibilidade do trader com menor capital buscar lucro no curto ou curtíssimo prazo na renda variável. Nesse cenário, também é possível operar diversos derivativos simultaneamente. Você já se imaginou, por exemplo, operando com 100 minicontratos? 

Embora o aumento no número de contratos permita alcançar lucros maiores, o mesmo pode se dizer em relação aos prejuízos. Assim, é preciso estar preparado para conseguir gerir todos os contratos, especialmente para tentar reduzir os riscos de perdas.  

Neste artigo, nós, da Genial Investimentos, explicaremos como operar minicontratos e os desafios encontrados para conseguir gerir um volume maior de derivativos.   

Acompanhe! 

O que é o mercado futuro? 

Muitos investidores estão habituados ao chamado mercado à vista, onde são negociadas açõesfundos imobiliários (FIIs), fundos de índice (ETFs), etc. Nele as negociações acontecem no dia e a liquidação é feita em um curto prazo. Porém, também existe o mercado futuro. 

Nele, as negociações são realizadas para uma data futura. Ou seja, os contratos são negociados na data atual com base nas expectativas em relação ao preço de um ativo em data posterior. Além disso, não se negocia o ativo diretamente, mas o contrato futuro, também chamado de derivativo

Ele recebe esse nome por estar vinculado a um ativo — derivando dele. Ademais, diferentemente do que acontece no mercado à vista, a sua liquidação geralmente é financeira. Isso significa que, no vencimento, os participantes são creditados ou debitados de acordo com suas posições. Não há transferência de ativos entre os operadores.  

O que é um minicontrato? 

No passado, os contratos futuros eram de apenas um tipo e normalmente envolviam valores elevados. Isso dificultava o acesso de traders ou investidores pequenos a esse tipo de negociação. 

Assim, visando democratizar o mercado futuro, a bolsa de valores brasileira (B3) decidiu criar a figura dos minicontratos. Eles representam uma pequena fração de um contrato normal — que passou a ser conhecido como contrato cheio. 

Por exemplo, um contrato futuro (cheio) de dólar (DOL) movimenta a quantia financeira de US$ 50.000,00. Já o minicontrato de dólar (WDO) envolve a quantia de US$ 10.000,00 (1/5 do valor do contrato cheio). 

Quais são os principais minicontratos negociados na bolsa? 

Na bolsa de valores são negociados contratos futuros de variados tipos. Por exemplo, o Índice Bovespa (Ibovespa), o dólar, o euro, o S&P 500 (um dos índices norte-americanos mais influentes no mundo), milho, soja, boi gordo, café, ouro, entre outros. 

Os minicontratos mais conhecidos e negociados no Brasil são o mini-índice (WIN) e o minidólar (WDO). As negociações diárias desses derivativos normalmente contam com alta liquidez e grande oscilação. Porém, além deles, existem minicontratos de euro (WEU), S&P 500 (ISP), soja (SJC) etc. 

Como funciona um minicontrato? 

Quem negocia no mercado futuro se posiciona na compra ou na venda de um contrato com liquidação em data futura. Com os minicontratos não é diferente. Desse modo, o trader ou o investidor abre a sua posição baseado nas expectativas do preço de um ativo no futuro. 

Os resultados acontecem por meio dos chamados ajustes diários. Próximo ao final do pregão, a bolsa credita ou debita todos os participantes conforme as posições assumidas e as oscilações de preços, que costumam ser altas no intraday. 

Além disso, não é preciso se manter posicionado até a data de vencimento do minicontrato. Então você poderá encerrar a posição assumida a qualquer momento, basta abrir posição contrária em mesma quantidade — se está comprado deverá abrir uma posição vendida, e vice-versa. 

Essa é uma estratégia utilizada por muitos especuladores do mercado, e permite a realização de lucros no curto prazo. Nesse caso, ela pode ser classificada das seguintes formas: 

  • day trade: se a realização dos lucros acontecer no mesmo dia; 
  • swing trade: se durar poucos dias ou semanas; 
  • position trade: se durar alguns meses. 

No mercado futuro, no entanto, é comum que as operações sejam de day trade ou swing trade. Afinal, existem vencimentos para os contratos disponíveis, que poderiam inviabilizar operações mais longas. 

Também é possível operar alavancado nesse mercado. Isso quer dizer que não é preciso ter em conta o valor total do minicontrato, basta possuir a margem exigida pela sua corretora. Aqui na Genial, você pode operar o minidólar (WDO), por exemplo, com margem de R$ 25,00 por contrato no Day Trade. 

Contudo, a B3 também exige que seja depositada a margem de garantia — uma porcentagem sobre o valor do contrato para cobrir suas operações. Esse valor serve como garantia de que, havendo prejuízos, você consiga arcar com eles. Caso não seja acionada, ela é devolvida ao final da operação. 

Como operar minicontratos? 

Ao chegar até aqui, você aprendeu o que são os minicontratos, quais são os mais negociados e que é possível especular com pouco capital por meio da alavancagem. No entanto, ainda precisa saber como operá-los. Para facilitar a compreensão, vamos a um exemplo prático. 

Suponha que você tenha R$ 2.000,00 reservados para operar minicontratos e decida operar o minidólar (WDO). Considere também que é preciso ter em conta R$ 25,00 por minicontrato e que o montante que possui cobre a margem de garantia exigida pela B3. 

Cada movimentação de preço (tick) no minidólar remunera o trader em R$ 5,00 por contrato. Então imagine que você abra uma posição com 1 contrato e o preço se movimente 8 ticks a seu favor — seu saldo ficará positivo em R$ 40,00. 

Diante disso, você decide aumentar o número de contratos para 100, assim os mesmos 8 ticks representariam um ganho de R$ 4.000,00, o dobro da quantia que você tem. Parece interessante, não é mesmo?  

Porém, suponha que o mercado vai contra a sua posição. Assim, com apenas 2 ticks contrários você já terá um resultado negativo de R$ -1.000,00. Com mais 2 ticks desfavoráveis, a sua posição poderia ser zerada compulsoriamente pela falta de capital. Você suportaria essa perda em um único dia? 

Por isso, operar com muitos contratos requer muito cuidado. Afinal, ao mesmo tempo em que pode representar ganhos maiores, os riscos também aumentam. Logo, manter um número maior de posições traz desafios, especialmente para controlar as perdas.  

Contudo, isso não significa que não seja possível operar com 10, 20 ou 100 contratos. Você pode fazer isso desde que esteja ciente dos riscos envolvidos. Ainda, é necessário ter um bom gerenciamento de risco para evitar grandes prejuízos.  

Conclusão 

Como você viu, é possível especular no mercado operando com 100 minicontratos, mas os riscos costumam ser maiores. Portanto, sempre avalie seu perfil de risco e objetivos financeiros. Também vale evitar operar no limite da alavancagem, pois isso tende a prolongar sua jornada no mercado financeiro. 

Quer começar a operar minicontratos? Então abra já sua conta com a Genial Investimentos!

Comentários