Antes de investir, você precisa ter conta em uma instituição financeira de confiança. Contudo, após certo período, é possível que surjam oportunidades mais vantajosas em outras corretoras. Nessa situação, a portabilidade de investimento pode se tornar necessária.  

Você sabe como ela funciona? Na verdade, muitos investidores ainda não conhecem essa solução ou não entendem quais são as regras aplicadas. Assim, surgem dúvidas sobre quando vale a pena fazer a portabilidade ou como solicitar essa mudança. 

Para esclarecê-las, nós, da Genial Investimentos, preparamos este conteúdo sobre portabilidade de investimentos. Entenda como funciona e quando vale a pena recorrer ao processo! 

O que é portabilidade de investimentos? 

A portabilidade de investimentos é conhecida, também, como transferência de custódia. Por meio dela, você consegue transferir os seus ativos e produtos financeiros para outra instituição que atenda melhor às suas necessidades.  

Dessa maneira, não é preciso fazer resgates e depois reinvestir. Todo o processo é feito pelas instituições, garantindo que você tenha acesso ao seu portfólio pela plataforma vinculada à sua nova conta.  

Quais investimentos podem ser portabilizados? 

Se você se interessou pelo processo, saiba que grande parte das alternativas do mercado financeiro pode passar pelo processo. Isso inclui ativos de renda fixa e variável. Veja os principais exemplos: 

  • Ações; 
  • Certificado de depósito bancário (CDB); 
  • Cotas de fundos de investimento
  • Letra de crédito imobiliário (LCI) e do agronegócio (LCA); 
  • Previdência Privada; 
  • Exchange traded funds (ETFs); 
  • Títulos públicos do Tesouro Direto. 

No entanto, existem restrições, como os fundos de investimentos, cujas cotas não são negociadas na instituição de destino. Outro ponto trata da Previdência Privada, em que a portabilidade só pode acontecer entre o mesmo tipo de plano — Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) ou Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL). 

Quais são as vantagens de fazer a portabilidade? 

A portabilidade de investimentos pode trazer diversos benefícios para o investidor. Portanto, é necessário conhecê-los para compreender a importância dessa alternativa e identificar com mais facilidade quando contar com ela. 

Confira as principais vantagens da transferência de custódia: 

Não é preciso resgatar os investimentos 

Um grande benefício da portabilidade é a possibilidade de alterar a instituição que mantém a custódia dos seus investimentos sem precisar resgatá-los. Isso evita o recolhimento de tributos e o pagamento de outras taxas que incidem no momento da liquidação.  

Em relação ao Imposto de Renda, por exemplo, esse pode ser o diferencial para evitar a aplicação de alíquotas maiores.  

Possibilidade de encontrar melhores serviços 

Quando você conta com a opção de fazer a portabilidade da sua carteira, fica mais fácil pesquisar serviços mais atrativos. Nesse caso, são diversos critérios que podem ser considerados, conforme as suas necessidades.  

Por exemplo: 

  • Taxas menores nos investimentos; 
  • Atendimento mais eficiente e completo; 
  • Maior confiabilidade da corretora; 
  • Suporte consistente no uso da plataforma; 
  • Funcionalidades e serviços disponíveis ao investidor; 
  • Acesso a uma variedade maior de ativos. 

Enfim, são diversos critérios que podem evidenciar um melhor custo-benefício. Vale destacar, inclusive, que isso serve como incentivo para que as instituições ofereçam serviços cada vez melhores. Afinal, elas precisam oferecer condições vantajosas para atrair e manter os seus clientes.  

Assim, o investidor tem maior liberdade ao escolher a instituição e as plataformas de investimento. A facilidade para fazer a portabilidade permite que você busque sempre as melhores soluções do mercado. 

Gratuidade em todo o processo 

Os custos envolvidos sempre são considerados em operações financeiras. Porém, no caso da portabilidade você não precisa se preocupar. O processo é totalmente gratuito, então não é necessário desembolsar valores para conseguir migrar a sua conta. 

Quando vale a pena optar pela portabilidade? 

Depois de entender o funcionamento e vantagens desse processo, você pode se perguntar quando vale a pena fazer a portabilidade. Na verdade, a resposta dependerá de diversos fatores, especialmente as condições ofertadas pela instituição atual. 

Normalmente, a alternativa compensa quando você terá acesso a vantagens que são realmente importantes para o seu caso. Algumas situações comuns são: 

  • Taxas mais atrativas; 
  • Atendimento com maior qualidade; 
  • Oferta de mais alternativas de investimentos; 
  • Plataforma de investimentos mais vantajosa; 
  • Instituição de destino mais sólida. 

Para entender se essa é a opção ideal para o seu portfólio, a dica é fazer um comparativo. Verifique quais são as vantagens que a mudança pode trazer e analise qual decisão trará o melhor custo-benefício. Assim, será possível identificar a decisão mais adequada para os seus investimentos. 

Como fazer a portabilidade de investimentos? 

Se você acredita que a portabilidade de investimentos é uma boa alternativa para o seu caso, vale a pena conhecer o passo a passo do processo. Confira a seguir! 

Pesquise as opções do mercado 

Primeiro, pesquise as soluções do mercado para encontrar uma instituição de confiança para fazer a portabilidade. Nesse caso, avalie todos os detalhes, como taxas, investimentos disponíveis, plataforma e atendimento ofertado para garantir a melhor escolha.  

Abra uma nova conta 

O segundo passo é abrir uma conta na corretora de valores para a qual você pretende transferir a custódia de seus investimentos. Na Genial, você consegue realizar todo o procedimento online, garantindo mais praticidade e menos burocracia.  

Solicite a portabilidade 

Com a conta destino definida, faça a solicitação de portabilidade na instituição atual. Isso é feito por meio de um formulário específico: a Solicitação de Transferência de Valores Mobiliários (STVM). Aproveite e verifique as regras aplicáveis para que não restem dúvidas sobre o procedimento. 

Envie os documentos exigidos 

Além do formulário assinado, podem ser exigidos outros documentos para garantir a segurança da transação, como um documento de identidade oficial e com foto. Porém, podem ter algumas diferenças nesse procedimento dependendo da instituição. 

Aguarde a conclusão da portabilidade 

Após realizar as etapas anteriores, basta aguardar a conclusão do processo. Eles devem seguir os prazos estabelecidos na regulamentação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) — até 2 dias para ativos e 9 dias úteis para fundos de investimento. Depois do prazo, você poderá acessar a sua carteira por meio da plataforma da sua nova corretora.  

Conhecendo as regras da portabilidade de investimento e o seu funcionamento, fica mais fácil identificar se o processo é adequado aos seus planos. Com essa possibilidade, você tem uma alternativa mais simples e vantajosa para aproveitar as melhores oportunidades no mercado.  

Essas informações esclareceram as suas dúvidas? Aproveite e ajude outros investidores: compartilhe este conteúdo em suas redes sociais para que mais pessoas conheçam a solução!

Comentários