A bolsa de valores oferece diferentes ambientes de negociação — como o mercado futuro. Nele, podem ser negociados derivativos: por exemplo, os minicontratos de índice, ou mini-índice. Porém, é preciso entender como eles funcionam para tomar melhores decisões. 

Uma das dúvidas comuns sobre o assunto trata de quanto vale cada ponto no mini-índice. Afinal, essa métrica se relaciona ao valor dos contratos negociados e influencia os resultados obtidos. Você sabe a resposta? 

Neste conteúdo, nós, da Genial Investimentos, explicamos esse derivativo do mercado futuro e quanto vale cada ponto do mini-índice. Acompanhe! 

O que é mercado futuro? 

Inicialmente, vale compreender o que é o mercado futuro. Nesse ambiente são negociados os contratos futuros vinculados a outros ativos, como moedas, índices e commodities. Portanto, o investidor não negocia os ativos propriamente ditos, mas derivativos — se posicionando na compra ou na venda dos contratos. 

Esses contratos são estabelecidos visando uma data futura para o vencimento. Ou seja, seu funcionamento é diferente do mercado à vista, por exemplo, onde a negociação e a liquidação acontecem no momento presente — com a diferença de apenas alguns dias.  

Devido às suas características, o mercado futuro costuma ser usado com duas finalidades. A primeira é o hedge (proteção da carteira), procurado por investidores que querem se proteger contra oscilações do mercado em determinados momentos. A segunda é a especulação, que visa obter lucros em curto prazo, aproveitando a liquidez dos derivativos.  

O que são os contratos de índice? 

Agora que você conhece o mercado futuro, é hora de aprender sobre os contratos de índice. Eles derivam do Ibovespa, que é um indicador que mede o desempenho médio das companhias mais negociadas na B3 — a bolsa brasileira.  

A vantagem é que o contrato permite manter posições líquidas em um grande volume de ações, sem precisar negociá-las no mercado à vista. Assim, é possível obter retornos com as oscilações do Ibovespa no mercado.  

Esses contratos são considerados cheios e organizados a partir de lotes de 5, negociados através do código IND. Como eles têm valores elevados, o derivativo não é acessível para todos os perfis de investidores e especuladores, limitando as negociações.  

A solução para essa limitação gerada pelos preços dos derivativos foi o surgimento dos minicontratos. Eles são frações dos lotes de um contrato cheio, permitindo o acesso por investidores menores ao mercado futuro, principalmente com os contratos de minidólar ou de mini-índice. 

O que é o mini-índice? 

mini-índice é o contrato futuro que permite adquirir frações de 20% de um contrato cheio de índice. Ele é negociado pela B3 com o código WIN, com negociação mínima de um lote. Isso faz com que ele tenha maior liquidez, aumentando o volume de negociação na bolsa.  

Eles contam com vencimento a cada 2 meses (somente nos meses pares) na quarta-feira mais próxima do dia 15. Essas informações podem ser consultadas no ticker do derivativo. 

O código é complementado por uma letra referente ao mês e por um número que indica o ano de vencimento. Entenda quais são as letras que representam cada mês: 

  • fevereiro: G; 
  • abril: J; 
  • junho: M; 
  • agosto: Q; 
  • outubro: V; 
  • dezembro: Z. 

Assim, por exemplo, um minicontrato com o código WING22 se refere ao mini-índice com vencimento em fevereiro de 2022.  

Como negociar contratos de mini-índice? 

Se você acredita que a alternativa é interessante, saiba que as negociações são feitas no ambiente da bolsa. Então, é preciso acessar o home broker pela sua plataforma de investimentos. Depois, pesquise o código do derivativo e verifique o mês e ano de vencimento do ticker. 

Uma das vantagens dessa opção é a possibilidade de operar alavancado. Não é preciso ter todo o dinheiro em caixa para fazer a negociação. Você precisará apenas oferecer uma garantia, equivalente a um percentual do preço total dos minicontratos. 

No caso de day trade, ela será estabelecida pela própria corretora, enquanto nas demais operações o valor é definido pela B3. Nesse caso, é possível utilizar ativos e aplicações como garantia, por exemplo ações, títulos públicos ou certificados de depósito bancário (CDBs). 

Quanto vale cada ponto no mini-índice? 

O Ibovespa se comporta no mercado a partir de pontos. Assim, eles são usados como referência para as operações. Para entender o valor de cada ponto nos minicontratos, antes é preciso conhecer os valores nos contratos cheios.  

Cada ponto do Ibovespa, que é o índice utilizado no contrato, equivale a R$ 1. Porém, é preciso lembrar que, nesse caso, é preciso contar sempre com 5 lotes.  

Já no caso do mini-índice, ele equivale a 20% do valor e é negociado a partir de apenas 1 lote.  Portanto, cada ponto valerá R$ 0,20. Para entender o impacto dessa diferença no valor dos pontos, na prática, vale conferir um exemplo. 

Imagine que a cotação do Ibovespa está em 100 mil pontos, ou seja, R$ 100 mil. Um contrato cheio, como exige 5 lotes, terá o equivalente a 500 mil pontos ou R$ 500 mil. Por outro lado, o tamanho do mini-índice será de 20 mil pontos, ou R$ 20 mil.  

Vale lembrar que, pela possibilidade de alavancagem, não é preciso ter esse montante total. Você poderá operar oferecendo apenas uma parcela menor do valor. 

De forma prática, podemos definir o resultado desse investimento de acordo com a seguinte fórmula: 

  • Contrato Cheio de Índice (IND): 

Resultado = variação de pontos x R$ 1,00 x quantidade de contratos 

  • Mini-Índice (WIN): 

Resultado = variação de pontos x R$ 0,20 x quantidade de contratos 

Para ficar mais claro, vamos imaginar que você possui 10 contratos de mini-índice. Se você comprou cada contrato a 108.000 pontos e vendeu a 108.100 pontos, ao aplicar a fórmula acima do Mini-Índice temos (100 pontos x R$ 0,20 x 10 contratos), o resultado da operação será de R$ 200,00. 

Qual a importância de conhecer essa métrica? 

Após aprender sobre o valor de cada ponto no mini-índice, é possível visualizar os seus impactos na negociação. Primeiro, é necessário entender que as oscilações são medidas em pontos, sempre com apregoação mínima de 5 pontos. 

Assim, entendendo o valor dos pontos, você consegue calcular o quanto pode perder ou ganhar a partir das oscilações de preços. Acompanhar apenas as movimentações na pontuação do índice, sem entender o valor atrelado, não trará informações tão claras sobre contratos. 

Por consequência, você pode tomar decisões equivocadas, sem considerar os impactos que as perdas podem trazer ao especular, por exemplo. Além disso, lembre-se de que as suas decisões devem ser feitas de maneira consciente. 

Logo, é essencial compreender todas as características dos derivativos, riscos envolvidos, garantias exigidas e outros fatores. Somente assim haverá condições de entender se a negociação é adequada e a forma ideal de concretizá-la. 

Como você viu, o mercado futuro traz mais oportunidades para investidores e especuladores. Desse modo, quem deseja aproveitar contratos vinculados ao Ibovespa, precisa entender o quanto vale cada ponto do mini-índice para auxiliar em suas decisões.   

Quer começar a investir ou operar no mercado futuro? Abra a sua conta na Genial Investimentos e tenha acesso às diversas opções da bolsa de valores!

Comentários