A BM&F é uma instituição muito importante para o mercado financeiro brasileiro. Contudo, apesar de toda a sua relevância, muitos investidores — e até mesmo profissionais do mercado — não sabem o que ela é.

Muitos a confundem com a própria bolsa de valores brasileira, a B3. No entanto, elas não podem ser confundidas, tendo em vista que atuam de forma diferenciada. Entendendo o que é a BMF, você saberá quais são os ativos e derivativos que ela negocia, sua relevância e principais detalhes.

Ficou interessado? Então continue a leitura deste conteúdo para acompanhar um post completo sobre a BM&F!

Afinal, o que é BM&F?

A sigla BMF significa Bolsa de Mercadorias e Futuros, que também pode ser chamada de Bovespa BMF e outros nomes. Ela é uma associação privada e civil que atua como uma das instituições dentro da bolsa de valores brasileira.

A finalidade da BM&F é possibilitar e operacionalizar as operações com os chamados contratos futuros. Eles são um tipo de derivativo em que não se negocia um ativo diretamente, mas sim expectativas de flutuações de preços. Você entenderá essa questão mais adiante.

Quem fiscaliza as operações realizadas na BM&F e dita as regras sobre o assunto é a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Dessa forma, há uma ampla fiscalização para manter o mercado organizado e seguro quanto às suas operações.

Na BM&F — por meio da bolsa de valores — você poderá realizar operações com commodities, moedas, taxas de juros, índices e outros derivativos. Vale saber que ela é apenas uma das instituições que fazem parte da B3.

Confira quais são todos os órgãos pertencentes a esse grupo:

  • Câmara BM&F Bovespa;
  • Sistema de Registro da BM&F Bovespa;
  • Central depositária da BM&F Bovespa;
  • Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos Privados (CETIP);
  • Câmara de Câmbio.

Todos esses órgãos se fundiram para criar a B3. Logo, você deve entender a BMF como uma parte da bolsa de valores brasileira, e não uma instituição autônoma. Para realizar as operações, o investidor ou especulador utilizará a B3, mas todo o procedimento será realizado pela parte de responsabilidade da BM&F.

Qual é a história dessa bolsa?

Apesar de a BM&F fazer parte da B3, ela não foi criada com a bolsa de valores brasileira. Na verdade, a instituição surgiu com a fusão entre a Bolsa de Mercadorias de São Paulo e a Bolsa Mercantil de Futuros.

Confira como elas funcionam:

Bolsa de mercadorias de São Paulo

A primeira foi criada em 1917 por empresários de São Paulo que eram ligados ao agronegócio, importações e exportações. No começo, a Bolsa de Mercadorias tinha foco no mercado a termo. Ele envolve operações com entrega no futuro e preços definidos antes de seu término.

Desse modo, era possível negociar contratos de agronegócio e outras mercadorias no futuro. Os principais derivativos negociados por essa bolsa eram o café, o boi gordo e o algodão. Ela foi a primeira bolsa desse tipo no Brasil, tornando-se uma referência no mercado nacional.

Bolsa Mercantil de Futuros

A Bolsa Mercantil de Futuros foi criada em julho de 1985 — e já utilizava a sigla BM&F. Ela começou seus pregões em 1986 e obteve um grande sucesso ao negociar contratos futuros de diversas modalidades.

Assim, em maio de 1991 ocorreu a fusão entre a Bolsa de Mercadorias de São Paulo e a Bolsa Mercantil de Futuros, criando a BM&F. Mas a história dessa bolsa continua por diversos anos.

Ainda em 1997 a BM&F fez um acordo com a Bolsa Brasileira de Futuros (que foi criada em 1983 no Rio de Janeiro). Dessa maneira, a BMF se tornou o maior centro de negociação de commodities e outros derivativos do Mercosul.

Fusão com a Bovespa

Mais tarde, em 2008, a BM&F se fundiu com a Bolsa de Valores de São Paulo — a Bovespa. Assim surgiu a BM&F Bovespa, que muitos ainda acreditam que é a bolsa de valores brasileira até o momento.

Fusão com a CETIP

Em 2017 ocorreu a fusão da BM&F Bovespa com a CETIP. Nesse ano, surgiu a B3 — sigla para Brasil, Bolsa e Balcão. Ela é a quinta maior bolsa de valores do mundo em valor de mercado, sendo a única instituição desse tipo no Brasil.

Quais são e como funcionam os derivativos negociados na BM&F?

Você já aprendeu que a BM&F é o local em que se realizam as operações com derivativos, correto? Então é preciso entender o que são esses derivativos e como eles funcionam.

Como o próprio nome indica, derivativos são instrumentos que possuem um valor derivado de outros ativos, taxas ou índices. Ou seja, eles dependem de outras condições para que seu valor seja determinado.

Por exemplo, ao operar com um derivativo de soja, você não está comprando ou vendendo soja diretamente. Na verdade, você realiza uma operação que se expõe ao preço da soja por meio de contratos ou outros instrumentos.

Em determinadas situações pode ocorrer a liquidação física. Isso significa que, ao final da posição, o investidor recebe ou vende o produto, taxa ou índice físico.

De forma geral, o mercado possui quatro formas de negociar os derivativos:

  • contratos a termo;
  • opções;
  • swaps;
  • contratos futuros.

Falando sobre a BM&F, vale a pena focar nos contratos futuros, negociados por meio do mercado futuro. Confira como ele funciona!

Mercado futuro

Quem realiza operações no mercado futuro está utilizando a BM&F para efetuar todo o procedimento de posição, compra e venda.

Nesse ambiente são negociados os contratos futuros: derivativos ligados a commodities, juros, moedas ou índices. Esses contratos são padronizados pela bolsa de valores. Portanto, eles possuem quantidades, preços e prazos estabelecidos pela BM&F.

Na B3, você pode encontrar 4 segmentos relacionados aos contratos futuros. São eles:

  • ações e índices: compostos pelo índice Bovespa, S&P 500, futuro de ações e outros;
  • taxas de juros: compostos pela taxa DI, taxa Selic, cupom cambial de DI e cupom de Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA);
  • moedas: compostos pelo dólar dos Estados Unidos, euro, libra esterlina, iene japonês, yuan chinês e outras;
  • commodities: compostos pelo boi gordo, milho, café, soja, açúcar, etanol, ouro, entre outros.

Você pode entender os contratos futuros como uma maneira de se expor à dinâmica de preços de determinados ativos. Nesse caso, é possível se posicionar pela alta ou pela baixa de preços, de modo a buscar lucro ou proteção diante das movimentações do mercado.

O mercado futuro surgiu como uma maneira de proteger os produtores rurais em relação à variação de preços de seus produtos. Isso é relevante porque os valores podiam variar entre a data de plantio e a colheita, o que trazia muita insegurança.

Vale saber que o mercado futuro possui um sistema de ajustes diários. Todo dia, as alterações de preço referentes à diferença entre a posição do operador e o mercado é creditada ou debitada da sua conta. Ao final da posição, o lucro — ou o prejuízo — é verificado pela soma dos ajustes diários.

Quais as vantagens que essa bolsa proporciona?

Após conhecer o funcionamento da BM&F e do mercado futuro, você deve estar interessado em conhecer as vantagens desse ambiente, não é mesmo?

Descubra a seguir seus benefícios:

Possibilita a especulação

Primeiro, vale a pena saber que o mercado futuro é muito utilizado para a especulação. Então diversos operadores realizam o day trade — posições que se iniciam e se encerram durante o mesmo pregão, por exemplo.

O intuito é buscar lucros com a variação de preços em curtíssimo prazo. Ou seja, quando ocorre o ajuste diário, há o crédito da diferença na conta do operador, que encerra a posição.

Utilização para hedge

O mercado futuro também é bastante utilizado para o hedge. Essa é uma estratégia que busca a proteção do patrimônio dos investidores, considerando cenários específicos.

A ideia é bastante parecida com a proteção utilizada pelos produtores agrícolas contra a variação de preços entre o plantio e a colheita. Contudo, ela é realizada em diversos cenários, conforme as necessidades de cada interessado.

Imagine que você tem uma obrigação para pagamento em dólar com vencimento em 5 meses. Se o câmbio dessa moeda aumentar, você pode ter bastante prejuízo, considerando a diferença com o real, não é mesmo?

Nessas situações, muitos investidores se posicionam em contratos futuros de dólar. A ideia é travar o preço da moeda. Assim, se o câmbio se valorizar, você tem lucros no mercado futuro, o que compensa as perdas de sua obrigação de pagamento.

Por outro lado, se o câmbio estiver desvalorizado, você paga menos na sua obrigação com dólar e compensa os prejuízos no mercado futuro. Logo, o objetivo do hedge não é ter lucro, mas contar com previsibilidade em relação à moeda.

É possível operar alavancado

Ainda, há a vantagem de operar alavancado. Isso significa que, ao negociar um contrato futuro, não é preciso ter todo o valor operado disponível. O operador precisa garantir uma margem de garantia definida pela B3, que costuma ser um percentual do valor do contrato cheio.

Dessa forma, o mercado futuro se torna mais democrático. Existe a opção, inclusive, de investir em minicontratos — que têm um preço menor.

Quais são os riscos de operar na BM&F?

Apesar de trazer vantagens, operar na BM&F também acarreta diversos riscos aos investidores. Você deve conhecê-los para ter mais segurança e clareza ao realizar as suas operações nesse mercado, combinado?

Se você deseja especular com os contratos futuros, é preciso entender que há chances de suas expectativas não se concretizarem. Como essa estratégia está voltada para o curto e curtíssimo prazo, podem ocorrer variações de preços inesperadas.

Logo, você pode ter prejuízos consideráveis, principalmente por conta de oscilações e falta de planejamento para a operação. Aqui, notícias do mercado, situações internacionais, decisões políticas e outros cenários fora de seu controle influenciam na variação de preços.

Além disso, operar alavancado pode elevar os riscos. Isso acontece porque os prejuízos podem ser maiores que sua capacidade de pagamento. Como você opera valores maiores, variações de preços podem acarretar situações em que o prejuízo é ampliado, trazendo problemas financeiros.

Por isso, esteja preparado para as possíveis perdas e confirme que você tem um perfil de investidor com resistência aos riscos compatível com as negociações no mercado futuro.

Quais são as empresas listadas na bolsa de valores?

Você aprendeu que a BM&F é apenas um órgão dentro da bolsa de valores brasileira, a B3. Como ele é responsável pelas operações relacionadas ao mercado futuro e contratos, não há empresas listadas nesse ambiente.

Se você deseja negociar ações de empresas, pode fazê-lo por meio do mercado à vista, a termo ou de opções. Existem diversas companhias listadas nesses ambientes acessíveis ao investidor.

Nós, da Genial, fizemos uma lista atualizada com as ações disponíveis na B3. Assim, você pode acompanhar o preço dos papéis, saber mais sobre as empresas e conhecer outras informações importantes para os investidores. Não deixe de conferir!

Qual é o horário para operações na bolsa?

Você sabia que há horários definidos de funcionamento para as negociações e operações na bolsa de valores e na BM&F? Conhecê-los é muito importante para que você não perca oportunidades ou deixe de realizar uma negociação.

No mercado futuro, os horários de negociação podem ser diferenciados segundo os derivativos. Nos contratos de café, por exemplo, a negociação normal vai das 09h às 16h. Já os contratos de boi gordo vão das 09h às 16h30min.

Já no mercado à vista, o horário de negociação tem início às 10h e fim às 17h55min. Contudo, ele pode mudar conforme o horário de verão do Brasil e dos Estados Unidos. Para saber o horário completo de cada mercado você pode acessar o site oficial da B3.

Como operar na BM&F?

Se você ficou interessado em operar na BM&F, negociando contratos futuros, precisa considerar diversos pontos de atenção. O primeiro deles é o risco associado a essas operações. Como você aprendeu, existem chances de perdas e oscilação de preços.

Dessa maneira, você deve ter um perfil de investidor compatível com esses riscos. De modo geral, essas operações mais complexas são mais adequadas para perfis arrojados. Ademais, lembre-se de que para especular é preciso ter maior abertura ao risco.

Também considere os seus objetivos financeiros: o mercado futuro pode ajudar a conquistá-los? Estudar sobre esse ambiente, quais são as principais finalidades com as operações e todos seus detalhes é fundamental para essa definição.

Considerando todos esses pontos, a negociação é bastante simples. Você só precisa ter conta em uma corretora de valores de confiança, como a Genial. Na plataforma, acesse o home broker — o meio para negociações na bolsa — e encontre o contrato que você deseja.

Entendeu o que é a BMF e como funciona esse ambiente de negociações? Lembre-se de continuar expandindo seus conhecimentos se você quer operar com mercado futuro e lucrar com eles. Assim, fica mais fácil buscar melhores resultados!

Ficou interessado em entender melhor como funciona a especulação nesse mercado e como avaliar os derivativos? Então conheça o nosso curso de análise técnica!

Genial Investimentos

Somos uma plataforma de investimentos que tem como objetivo facilitar o acesso ao mercado financeiro e ampliar a educação financeira no Brasil.

Ver todos os artigos
Campanha Institucional - Ativação - Abra sua conta

Navegação rápida

O link do artigo foi copiado!