day trade é uma prática que tem crescido bastante no país. A perspectiva de lucro no curtíssimo prazo parece atraente para muitos brasileiros. Contudo, os riscos envolvidos são grandes, e o prejuízo pode ser maior que o lucro. Por isso, é importante conhecer o gerenciamento de risco. 

A ausência de um bom planejamento de trade e de controle emocional, por exemplo, podem atrapalhar o sucesso do especulador. Assim, o gerenciamento de risco tem a função de buscar proteger o capital do operador de mercado – inclusive no day trade

Para ajudar você nesse início de jornada nós, da Genial, preparamos um conteúdo com tudo o que é preciso saber sobre gerenciamento de risco.  Continue a leitura e aprenda como fazê-lo! 

O que é day trade?

Antes de saber sobre o manejo de risco no day trade é pertinente conhecer o que é essa atividade que tem ganhado muitos adeptos nos últimos tempos. O day trade é uma estratégia de especulação na bolsa de valores.  

Nela, o operador de mercado explora a variação de preços de ativos ou derivativos, visando o lucro no curtíssimo prazo. Isso porque as operações precisam ser abertas e encerradas no mesmo dia. 

Então, durante o dia, o trader pode abrir posições de horas, minutos ou segundos. Desde que sejam finalizadas até o final do pregão serão consideradas como day trade. Com isso, no final de cada dia, o day trader saberá se teve lucro ou prejuízo. 

Diante dessa dinâmica, muitas pessoas fazem da especulação uma profissão e sua principal fonte de renda. No entanto, essa não é uma tarefa fácil. Na verdade, não são raras as histórias de pessoas que perderam muito dinheiro no day trade. E é aqui onde entra o gerenciamento de risco. 

O que é gerenciamento de risco?

day trader é o agente que mais toma risco no mercado. Afinal, não há como prever o comportamento de um ativo ou derivativo ao longo do dia. Assim, a cada nova operação, o trader assume o risco de ter que pagar o prejuízo caso o mercado caminhe para o lado oposto ao escolhido. 

Por exemplo, uma ação pode estar em alta no período da manhã, reverter para baixa no período da tarde e encerrar o pregão no mesmo ponto em que iniciou. Nesse sentido, o trader pode ter ficado com um resultado positivo em um período, negativo em outro e, no final do dia, sair no zero a zero. 

Por esse motivo, o gerenciamento de risco serve para considerar as possibilidades e ajudar o trader a ter mais controle sobre a operação. No exemplo dado, o manejo poderia fazer com que o operador lucrasse parte do movimento de alta, aproveitasse o movimento de baixa, e terminasse o dia com um saldo positivo. 

Portanto, o manejo de risco é um conjunto de práticas que tem a finalidade de manter você no controle de uma operação. Com ele, é possível criar estratégias para lucrar quando possível e controlar as perdas – que, no day trade, são inevitáveis.  

Qual a importância do gerenciamento de risco?

É preciso saber que, no day trade, nem mesmo um operador profissional consegue ganhar todas as vezes. Então, você precisa se acostumar à ideia de que enfrentará perdas. Ter um gerenciamento de risco é importante para que essas perdas não retirem o especulador do mercado precocemente. 

Quem inicia no day trade pode dar os primeiros passos acertando boas operações e acumulando lucros. Contudo, aquele que não possui um bom gerenciamento de risco acaba perdendo o lucro obtido com o tempo – às vezes, em uma única operação. 

Assim, é importante estar atento aos riscos para controlar a exposição do trader aos cenários adversos, de modo que os ganhos superem as perdas. Elaborar uma estratégia que limite as perdas e maximize os ganhos, portanto, ajudará você a manter sua saúde financeira. 

O controle de riscos também é relevante para limitar o impacto das decisões emocionais nas operações. Muitos operadores novatos — e até mais experientes — não sabem lidar com perdas e, assim que sofrem um prejuízo, buscam recuperá-lo de imediato. 

Mas fazer operações com base na emoção é muito perigoso para o trader. Isso porque ele não estará protegido por nenhuma estratégia e a operação será ainda mais arriscada. Logo, se der errado, prejuízo aumentará. 

Maus hábitos durante as operações podem resultar em um ciclo capaz de dilapidar todo o patrimônio do trader até que ele não tenha mais capital para operar. Percebe como fazer o controle através do gerenciamento de risco é importante para evitar situações como essa? 

Como fazer o gerenciamento de risco?

Até aqui você viu o que é day trade, entendeu como funciona o gerenciamento de risco e qual é a sua importância. Agora, é o momento de saber como fazê-lo. Está preparado? 

Para ter um gerenciamento de risco bem definido, o trader precisa traçar uma rotina voltada para os seus objetivos. Primeiro, é importante identificar o quanto de capital você disponibilizará para o day trade, qual o nível de risco ao qual aceita se expor e qual é sua meta de ganho. 

Na sequência, defina o horário em que pretende operar e a estratégia que será utilizada. Também limite o valor máximo que aceita perder ou ganhar no dia. Ao atingir esse valor, seja no lucro ou no prejuízo, pare de operar. Isso evita a devolução dos ganhos, ou a perda maior por conta de emoção. 

Ao adotar essas simples técnicas você já aumentará as suas chances de sucesso. Além disso, acompanhe outras dicas que podem ajudar você a fazer o seu próprio gerenciamento de risco no day trade: 

Conheça a análise técnica

A análise técnica é uma das formas mais simples de acompanhar o mercado – amplamente utilizada por especuladores. Também chamada de análise gráfica, ela consiste em observar elementos importantes do mercado financeiro através de gráficos para tomada de decisão de curto prazo. 

A partir da leitura gráfica, o trader pode observar as oscilações de preços dos ativos e derivativos, a fim de encontrar tendências. Assim, ele poderá deduzir quais serão as próximas movimentações, operando a favor delas.  

Por isso, é importante fazer uma boa análise gráfica e saber utilizar as ferramentas para aumentar o sucesso nas negociações. Portanto, vale a pena estudar de forma aprofundada os padrões gráficos e os indicadores técnicos disponíveis. 

Avalie os riscos envolvidos

Embora a avaliação dos riscos envolvidos pareça óbvia, muitas pessoas acabam esquecendo dela na hora de operar. Lembre-se de não se levar por intuições, achismos ou certezas enviesadas durante as operações. 

É preciso ter uma estratégia para avaliar os riscos reais. Como você viu, seu objetivo deve ser correr riscos calculados, de modo que os ganhos sejam maiores que as perdas.  

Imagine apostar cara ou coroa. Toda a vez que a moeda cair em cara, você ganha R$ 20,00, mas perde R$ 80,00 todas as vezes que a moeda cair em coroa. Não faria muito sentido, não é mesmo?  

No day trade, a premissa é semelhante. Por que você faria uma operação para ganhar pouco e correr o risco de perder muito? A métrica deve ser oposta: aumentar as chances e ganhos e reduzir as possibilidades de perda. Para que isso seja possível, o gerenciamento de risco é fundamental. 

Teste suas estratégias

Muitos operadores acabam cometendo o erro de ingressar no mercado sem uma estratégia definida. Outros começam a operar com estratégias que ainda não foram testadas. E o resultado para ambos os casos pode ser igual: prejuízo. 

Atualmente, diversas plataformas de investimento contam com simuladores ou replays de mercado. Através dessas ferramentas é possível testar suas estratégias de trading como se estivesse operando de verdade, mas com dinheiro fictício. 

Testar uma estratégia em um simulador é fundamental para que o trader consiga acompanhar se ela funciona ou não, sem correr o risco de perder dinheiro real. Além disso, o operador poderá acompanhar o seu comportamento e suas emoções dentro de uma operação, ainda que simulada. 

trader que testa suas operações no simulador tende a iniciar suas operações no mercado real mais preparado — e aumenta as possibilidades de êxito.  

Defina o stop loss e o stop gain

Stop loss e stop gain são mecanismos de proteção do operador de mercado. Ambos são comandos automáticos para o encerramento de uma operação ao atingir um valor definido previamente pelo trader

No stop loss, o trader define a quantia máxima que ele aceita perder em cada operação. Tão logo atingida essa quantia, uma ordem automática é acionada e a operação é fechada no prejuízo. Assim, você evita ter perdas ainda maiores. 

Em determinadas situações, é comum que o especulador não queira assumir o prejuízo, na crença que o preço reverterá para o lucro. Contudo, muitas vezes, isso não ocorre — e o prejuízo continua aumentando até consumir todo o capital disponível. Logo, pode fazer sentido usar o stop loss

No stop gain, ocorre o oposto: a posição é encerrada automaticamente assim que a operação atinge o lucro definido pelo especulador. O uso dessa ferramenta pode ser mais indicado para quem não tem tempo de acompanhar o mercado por longos períodos.  

Afinal, o stop gain serve para impedir que uma operação lucrativa seja convertida em prejuízo. Imagine que você esteja comprado em uma ação e seu o preço suba 4% rapidamente, mas depois caia 1%. Se o lucro não foi realizado antes, ele se torna uma perda. 

Nesse cenário, se o seu stop gain estiver fixado em 3%, ele teria sido acionado — garantindo o ganho na operação. Caso não esteja fixado nenhum stop gain, o operador estará com 1% de prejuízo, tendo perdido a chance de garantir o lucro naquela oportunidade. 

Tenha controle emocional

Como você já viu, o controle emocional é essencial para o sucesso do trader. Muitas vezes, mesmo analisando os riscos e utilizando as estratégias testadas, você pode se deparar com o mercado se comportando de modo contrário ao esperado.  

Isso acontece porque o mercado é soberano e imprevisível. Assim, mesmo as mais seguras tentativas de previsão podem acabar equivocadas por um movimento novo ou não percebido. E isso não pode afetar o seu emocional. 

Do contrário, você poderia tomar decisões ruins, como ingressar nas operações desconsiderando a estratégia elaborada. Portanto, ao se deparar com uma operação que deu errado, é altamente aconselhável aguardar alguns minutos para voltar a operar. 

Comprar ou vender por impulso, após ter tido um prejuízo, por exemplo, é bastante arriscado. Nessa ocasião, a sua mente pode não estar descansada o suficiente para tomar boas decisões e o mercado pode trazer mais prejuízos.  

Lembre-se de que as perdas fazem parte do dia a dia do day trader. O gerenciamento de risco pode reduzi-la, mas não evitá-la — e você precisa saber lidar com essa questão. 

Evite o efeito manada!

O “efeito manada” é um fenômeno da natureza animal, que estimula as pessoas ou animais a repetirem o comportamento do grupo, embora não exista direcionamento planejado. Esse efeito também está presente no mercado financeiro – e pode ser prejudicial para o trader

Afinal, ativos e derivativos negociados na renda variável se movem de acordo com a lei da oferta e da demanda. Nesse sentido, se há muita procura por uma ação, por exemplo, seu preço tende a aumentar. E o contrário também é verdadeiro: baixa procura, menores preços. 

Imagine comprar uma ação apenas porque todos estão comprando, sem considerar a sua análise gráfica ou a estratégia estabelecida. Nesse caso, o risco de ter resultados negativos é muito maior. Assim, não tomar decisões apenas pela manada é mais uma estratégia importante de gerenciamento de risco no da trade. 

Conseguiu aprender o que é o gerenciamento de risco? Lembre-se de fazer o seu manejo de risco considerando o seu perfil e objetivos. Além disso, é importante estudar o mercado, ter uma estratégia estabelecida e se preparar para especular na bolsa. E, na hora de operar, não deixe de proteger o seu capital! 

Quer contar com o apoio de uma boa corretora para fazer suas operações? A Genial oferece o suporte necessário para quem deseja investir ou especular no mercado financeiro. Entre em contato conosco e abra a sua conta!

Posts relacionados