Apresentamos o resultado da nova pesquisa eleitoral contratada pela Genial Investimentos, realizada em parceria com o Brasilis. A pesquisa tem por finalidade monitorar o desempenho dos candidatos e apontar tendências para a eleição presidencial de 2018. Foram realizadas 1000 entrevistas em todas as regiões do país, entre terça e quarta-feira, 25 e 26 de setembro. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos, considerando um intervalo de confiança de 95%.

No cenário estimulado, Jair Bolsonaro (PSL) permanece na liderança com 27% dos votos, oscilando 3 pontos para baixo em relação ao levantamento anterior. Fernando Haddad (PT) subiu de 17% para 22%. Geraldo Alckmin (PSDB) foi de 7% para 10% e Ciro Gomes (PDT) de 7% para 8%. Marina Silva (Rede) oscilou de 6% para 5%.

Na simulação de 2º turno mais provável, Haddad superaria Bolsonaro, por 44% a 36%. Na pesquisa da semana passada, havia empate técnico entre os candidatos, com vantagem numérica do candidato do PSL: 42% a 40%.

A pesquisa mostra que a polarização entre os candidatos do PT e do PSL permanece. A diferença entre os candidatos no 1º turno diminuiu e a disputa ficou mais acirrada. Bolsonaro permanece na liderança e seu voto espontâneo atinge 24%, sendo desaconselhável apostar em uma trajetória de queda. Já Fernando Haddad teve avanço considerável, tanto no 1º turno quanto no 2º turno.  Os demais candidatos permaneceram no mesmo patamar e não parecem capazes de superar os adversários.

O desempenho de Haddad é melhor entre as mulheres, eleitores com ensino fundamental e beneficiários do programa Bolsa-Família. Já Bolsonaro se destaca entre segmentos de escolaridade mais elevada e entre os homens.

A pesquisa questionou também os eleitores sobre os principais atributos dos candidatos. As repostas permitem descobrir as características que motivam ou justificam o voto em cada candidato. Bolsonaro é avaliado como pulso firme e aquele que mais combaterá a corrupção – sem dúvida, atributos importantes em um ambiente marcado pela Lava-Jato e pela crise na segurança pública. O candidato do PSL parece ter tomado o lugar antes ocupado pelo PSDB entre o eleitor de classe média e sensível ao tema da corrupção; na pesquisa, Geraldo Alckmin se sai melhor entre os eleitores com escolaridade mais baixa, por exemplo. Fernando Haddad se destaca como o candidato que mais entende os problemas dos pobres e que vai fazer as pessoas comprarem e consumirem mais. Por isso o candidato do PT se sai melhor entre os segmentos menos favorecidos. Há intersecção importante entre as características atribuídas a Haddad e aquelas atribuídas a Ciro Gomes e a Marina Silva, o que corrobora a visão de que os eleitores de ambos têm perfil semelhante.

 

 

Nota de esclarecimento

A Genial detectou duas imprecisões na pesquisa publicada às 06:45 do dia 27 de setembro de 2018.

Os erros ocorreram na conciliação numérica da simulação de segundo turno, nas regiões centro-oeste e norte (página 24), e na análise de atributos dos candidatos (página 15).

Segue a versão devidamente corrigida.

pesquisa eleitoral 2018

Ribamar Rambourg

Ribamar Rambourg

Ribamar Rambourg é coordenador de análise política na Genial Investimentos, responsável pela avaliação do cenário político-eleitoral brasileiro. Ribamar é economista graduado pela FEA-USP e mestrando em Ciência Política na FFLCH-USP. Em sua dissertação de mestrado, analisa o tema “Coalizão de governo e crise de governabilidade no período Dilma Rousseff

Deixar um comentário