Talvez você conheça a importância de diversificar os investimentos. Com essa estratégia, é possível otimizar a rentabilidade e fazer o manejo do risco. No entanto, muitas pessoas têm dificuldade para escolher os ativos que colocarão no portfólio, principalmente quando se trata de Ações. 

Se esse é o seu caso, uma carteira recomendada pode ser de grande ajuda. Ela pode simplificar para você o processo de escolha de ativos, colaborando para a diversificação da sua carteira. Assim, se configura como uma ferramenta para ajudar você a alcançar os seus objetivos financeiros. 

Nós, da Genial, preparamos este artigo para tirar suas principais dúvidas sobre o que é uma carteira recomendada e como ela funciona. Continue a leitura e aproveite o conteúdo! 

O que é uma carteira recomendada? 

Uma carteira recomendada é uma seleção de ativos feita por analistas do mercado. Eles podem incluir diversos investimentos, embora os mais comuns sejam Ações.  

Nesse caso, os profissionais identificam empresas listadas na B3 que são boas oportunidades de investimento. Então eles reúnem informações acerca de suas escolhas e as publicam, disponibilizando-as aos investidores.  

As carteiras de Ações são montadas seguindo determinados critérios. Desse modo, o investidor tem condições de verificar se a recomendação faz sentido para seu perfil e objetivos. 

É comum que uma carteira recomendada traga consigo um relatório detalhado. Nele, os analistas deixam claros os motivos pelos quais cada ativo foi colocado no portfólio. Desse modo, o investidor pode entender o que baseou a recomendação. 

Como funciona uma carteira recomendada? 

Você já entendeu o que é uma carteira recomendada de Ações. Agora verá como ela funciona. As seleções dos analistas podem ser voltadas tanto para o curto quanto para o longo prazo. No primeiro caso, agrega aos especuladores, enquanto no segundo foca nos investidores.  

Assim, as recomendações podem atender a objetivos variados — recebimento de dividendos, foco em sustentabilidade, potencial de crescimento das empresas etc.  

Geralmente, as carteiras recomendadas de Ações são apresentadas com certa frequência. Por exemplo, a cada mês. Nessas ocasiões, os analistas podem manter os ativos anteriores ou fazer modificações. Com isso, novas empresas podem entrar na carteira sugerida, enquanto outras podem ser excluídas. O motivo é que o mercado se modifica e o portfólio deve ser rebalanceado. 

Quais são os principais tipos de carteiras de investimento? 

Como você viu há pouco, as carteiras recomendadas podem ter focos diferentes, a depender do objetivo. Conheça alguns dos principais tipos a seguir! 

1. Carteira de Ações tradicional 

As carteiras recomendadas tradicionais visam indicar Ações com um bom potencial de valorização. O interessante é que a análise de fundamentos, bem como do cenário macroeconômico, acompanham as recomendações. 

Assim, os investidores podem verificar tudo o que foi levado em conta na seleção de cada ativo. Vale destacar que essa pode ser uma boa fonte de aprendizado para quem quer aprender a escolher Ações por conta própria. 

Saiba Mais: Análise fundamentalista de ações: você sabe como funciona?

2. Carteira de Ações Small Caps 

Algumas carteiras recomendadas focam em Ações de empresas small caps. Esse termo é usado para se referir a empresas menores. Muitos investidores têm interesse nelas buscando uma valorização acima da média. Contudo, tais ativos também são mais arriscados. 

O motivo é justamente o fato de estarem envolvidos em negócios mais novos. Eles geralmente não têm um histórico longo o suficiente para uma análise de fundamentos mais profunda. Também não são empresas consolidadas no mercado. Assim, podem atrair quem tem perfil mais agressivo. 

Saiba Mais: Investindo em Small Caps. Como é na prática?

3. Carteira de dividendos 

Há investidores que têm o objetivo de gerar uma renda passiva a partir de sua carteira de Ações. Nesse caso, é importante encontrar empresas que sejam boas pagadoras de dividendos e que também apresentem solidez financeira. 

As carteiras recomendadas de dividendos atendem a essa necessidade, indicando empresas que podem contribuir para a geração de renda passiva. Nesse caso, o foco da carteira não é a valorização das Ações, mas sim o pagamento de proventos. 

Saiba Mais: Ações que pagam dividendos mensais: como identificar?

4. Carteira de Ações sustentáveis 

Por fim, podemos citar as carteiras de Ações sustentáveis. Elas atendem, em especial, aos interesses de investidores que desejam investir em empresas que se preocupam com a responsabilidade socioambiental. Esse é o principal critério para recomendação dos analistas.

Saiba Mais: Como investimentos em ESG contribuem para o desenvolvimento sustentável?

Quais são as melhores carteiras recomendadas?

São aquelas que ajudam os investidores a conseguirem maior rentabilidade. É possível acompanhar os comparativos entre o desempenho das corretoras em rankings que os jornais e portais especializados costumam criar e, assim, avaliar os desempenhos mensais e anuais.

Uma dica é acompanhar essa análise para verificar quais são as corretoras que apresentam melhores resultados. Isso ajuda você a investir com segurança.

A maioria das corretoras oferece uma carteira para seus clientes. Na realidade, o ideal é que a sugestão seja considerada, principalmente, entre os investidores ainda iniciantes. Já os investidores mais experientes podem fazer melhor uso das carteiras ao usá-las como referência. Trataremos disso no tópico seguinte.

Conheça as carteiras recomendas do projeto Genial Analisa, disponibilizadas todos meses recomendações de ações e fundos imobiliários através de uma equipe de analistas de ponta Filipe Villegas e Isabella Suleiman.

Como montar uma carteira de investimentos? 

O ideal é que ela seja criada de acordo com o seu perfil enquanto investidor. Em função disso, será possível identificar as aplicações que tendem a se aproximar de seus objetivos.

Um investidor com o perfil mais conservador, por exemplo, está em busca de segurança, ainda que isso possa limitar seus resultados. Seguindo essa lógica, pessoas com essa características estão mais alinhadas com investimentos em renda fixa, se compararmos à renda variável, que possui à volatilidade de ações e outros títulos da categoria.

Já para o investidor com perfil tido como mais arrojado, a lógica por trás da montagem da carteira segue outro critério: o risco representa um potencial de ganho. Portanto, títulos mais voláteis, como as ações, tendem a fazer parte de seu portfólio.

De uma maneira geral, o ideal é que a carteira seja montada em função do perfil do investidor, considerando suas particularidades e objetivos para que os resultados sejam satisfatórios.

Quais são as vantagens de uma carteira recomendada? 

Está percebendo que uma carteira recomendada pode ser útil para você? Afinal, escolher Ações não é uma tarefa simples para o investidor. Selecionar ativos de renda variável requer atenção. A análise fundamentalista ajuda muito nisso, mas nem todos sabem como fazê-la. 

Além disso, o mercado oferece muitas alternativas. As carteiras recomendadas podem ajudar a filtrar as possibilidades e facilitar suas decisões. Assim, seguir a recomendação de analistas pode poupar tempo e apresentar a vantagem de contar com a visão de profissionais experientes. 

Se você quer investir em Ações tradicionais, small caps ou em papéis com foco em dividendos, por exemplo, basta consultar carteiras específicas e considerar as sugestões. Desse modo, elas podem fornecer um bom suporte à sua estratégia de investimento. 

Saiba Mais: Carteira recomendada: conheça as vantagens

Quais são os cuidados com carteira recomendada? 

Antes de optar por uma carteira recomendada é importante ter alguns cuidados. Saiba que ela pode conter Ações que não estão alinhadas aos seus objetivos. Por exemplo, talvez você prefira evitar certas empresas ou setores.  

Além disso, algumas companhias recomendadas podem apresentar um risco maior para o investidor. Para evitar fugir das suas preferências e objetivos, conheça os critérios dos analistas e confira se eles se alinham ao que você busca na bolsa de valores. 

Além disso, fique atento a um fator: cada carteira recomendada tem objetivos específicos. Assim, não é interessante que você combine análises de diferentes profissionais, pois estaria mudando o perfil de risco e o objetivo da recomendação.  

O ideal, portanto, é seguir a recomendação como um todo. Somente desta maneira você poderá usufruir de todos os benefícios de uma carteira recomendada. 

Saiba Mais: Objetivos Financeiros: Como se planejar antes de investir

Como usar uma carteira recomendada? 

Carteiras recomendadas podem ser uma boa ferramenta de investimento para diversos investidores. Para usufruir dessa possibilidade, é importante saber onde encontrá-las. É preciso buscar uma instituição confiável, com analistas certificados pelo mercado financeiro, que passem confiança ao investidor. 

E não deixe de verificar cada sugestão para ver se está de acordo com o seu perfil de investidor e os seus objetivos. Utilize as informações que viu aqui para avaliar as possibilidades. Assim, suas chances de encontrar a melhor carteira recomendada para o seu caso aumentam! 

Genial tem uma equipe qualificada de analistas que oferecem recomendações de ativos financeiros. Abra sua conta de investimentos para começar a investir e contar com o suporte do nosso time nas suas decisões de investimento! 

Comentários