Você sabia que o investimento em empresas e a participação acionária não depende apenas da compra direta de ações? É possível dar esse passo com ajuda da renda fixa, especificamente com o investimento em debêntures conversíveis. 

Esses títulos fazem parte do crédito privado e apresentam características específicas em relação ao pagamento. No entanto, antes de aproveitar a oportunidade, é preciso saber como esse investimento funciona e como se diferencia dos demais. 

Continue a leitura para entender o que são as debêntures conversíveis e quais são os aspectos mais importantes sobre elas! 

O que são as debêntures? 

Antes de se aprofundar nas debêntures conversíveis, é importante saber o que são esses títulos de renda fixa. Na prática, as debêntures são emitidas por empresas que desejam captar dinheiro, funcionando como um tipo de empréstimo. 

Assim, os títulos emitidos são negociados no mercado, sendo que, ao adquirir a debênture o investidor fornece recursos para os negócios. Em troca, ele recebe uma rentabilidade previamente estabelecida, que pode ser prefixada, pós-fixada ou híbrida. 

Quais são as vantagens e os riscos? 

Sabendo como o investimento em debêntures funciona, é possível notar que a alternativa apresenta alguns benefícios. Para as empresas, é uma forma de obter recursos de um modo mais barato do que a contratação de linhas de crédito das instituições bancárias, por exemplo. 

Além disso, o valor pode ser utilizado para que a companhia expanda o negócio, quite dívidas ou adote uma estratégia comercial específica. Com isso, a solução de captação pode ajudar no sucesso da empresa.  

Já para os investidores as vantagens estão no potencial de retorno, que pode ser maior que a média dos outros títulos de renda fixa, e na diversificação da carteira. Assim, elas podem ser usadas para trazer equilíbrio entre risco e retorno.  

Contudo, é preciso ter atenção quanto aos riscos envolvidos ao investir. O principal é o risco de crédito, ou seja, de a empresa não realizar o pagamento conforme acordado. Nesse caso, não há cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC)

Portanto, é preciso ter atenção para entender se o investimento é adequado ao seu perfil. Além disso, uma boa análise da empresa e de seu histórico pode ajudar a mitigar os riscos.   

Quais são os tipos de debêntures? 

Até aqui, você viu que debêntures são títulos de dívidas que podem ter o rendimento determinado de três maneiras diferentes. No entanto, essas não são as únicas classificações.  

As debêntures também podem ser divididas da seguinte forma: 

  • nominativas; 
  • escriturais; 
  • simples; 
  • conversíveis; 
  • permutáveis; 
  • incentivadas

Cada uma prevê um funcionamento e algumas classificações podem se sobrepor, dependendo das características. Porém, uma alternativa que pode ser interessante, principalmente para quem se interessa por ações e renda variável, são as debêntures conversíveis.  

O que são as debêntures conversíveis? 

Agora que você sabe que existe mais de um tipo de debênture, é interessante conhecer aquela que é classificada como conversível. Ela consiste em um título que pode ser parcial ou totalmente pago na forma de ações da empresa. 

Ou seja, em vez de o rendimento ser pago em dinheiro, ele pode ser oferecido na forma de participação acionária. Isso reduz os riscos do título, tendo em vista que diante da inadimplência o investidor poderia receber os papéis.  

Como é o pagamento das debêntures conversíveis? 

Entendendo o que são esses títulos, fica mais fácil entender o seu pagamento — inclusive, essa é a característica mais relevante das debêntures conversíveis. Nesse caso, como você viu, é possível que parte ou a totalidade do pagamento seja feito com ações.  

Esse processo é conhecido como conversão de debêntures, o que deu origem ao nome. Todavia, é importante saber que isso não acontece de modo idêntico para todos os títulos.  

Há alguns parâmetros que podem ser definidos, como o total de ações que pode ser convertido pela debênture ou a proporção entre o preço do título e o preço dos papéis. Também há definições sobre o tipo de ativos oferecidos (preferenciais, ordinárias ou units) e o prazo da conversão. 

Contudo, vale destacar que a conversão é um direito do investidor, mas não é obrigatória. Se ele não concordar com as condições ou julgar que o pagamento em dinheiro é melhor, poderá optar pelo modelo tradicional. 

Como é a tributação dessas debêntures? 

Antes de investir, é necessário entender as regras sobre tributação. Nas debêntures conversíveis há incidência de Imposto de Renda, seguindo a tabela regressiva aplicada a outros títulos de renda fixa.  

Veja como funciona a alíquota conforme o prazo do investimento: 

  • até 180 dias: 22,5%; 
  • de 181 a 360 dias: 20%; 
  • de 361 a 720 dias: 17,5%; 
  • acima de 721 dias: 15%. 

Como elas se diferenciam dos outros tipos? 

Embora existam outras diferenças em relação aos demais tipos de debêntures, a principal questão é o pagamento. Na prática, essa pode ser uma forma de obter ações da empresa em condições potencialmente vantajosas, sem deixar de contar com a possibilidade de receber os juros acordados. 

Ou seja, o investidor terá alternativas para escolher aquela que será mais benéfica ou alinhada às suas estratégias. Porém, isso leva a outra diferença importante: o risco do investimento. Na prática, adquirir debêntures conversíveis é menos arriscado que escolher um título simples.  

Afinal, se a empresa tiver dificuldades para realizar o pagamento, por exemplo, é possível executar o direito de conversão. Sendo acionista, você poderá participar de resultados ou receber a sua parte — se houver uma distribuição — em caso de liquidação do negócio.  

Um ponto interessante é que existem casos em que o direito de conversão pode ser exercido a partir de um determinado período, mesmo antes do vencimento do título. Isso acontece em datas previamente estabelecidas.  

Portanto, essa alternativa traz a chance de aproveitar certos movimentos do mercado, tornando o aporte mais atraente — e isso não é viável em outros tipos. 

Para quem pode ser adequado investir em debêntures conversíveis? 

Antes de investir em empresas por meio das debêntures conversíveis, é fundamental compreender se elas fazem sentido para você. Para isso, comece fazendo uma análise do seu perfil de investidor e dos objetivos financeiros.  

Se ter participação acionária não fizer parte dos seus planos, pode ser melhor buscar outro tipo de debênture ou mesmo um título diferente. Considere também os riscos envolvidos para uma decisão mais acertada. 

Ademais, se o título estiver alinhado às suas estratégias, pode ser interessante escolher empresas que apresentam bom potencial de crescimento e de posicionamento. Afinal, o fato de ter a opção de conversão pode proporcionar oportunidades no mercado acionário de maneira mais vantajosa.  

Neste post, você descobriu o que são as debêntures conversíveis e que elas permitem a conversão do título em participação acionária. Porém, antes de investir, confira as condições da emissão e avalie se o investimento faz sentido para seu perfil e seus objetivos. 

Gostou do conteúdo? Caso ainda tenha dúvida sobre esses títulos, deixe o seu comentário!

Comentários