Lidar com dívidas e ficar com o nome sujo é uma realidade comum para diversos brasileiros. Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), o país tinha 78,3% de famílias endividadas em março de 2023.

Apesar do alto número de pessoas nessa situação, existem formas de sair do vermelho e regularizar a situação financeira. Além disso, a partir dessa melhoria na sua organização, é possível até se aproximar de outros objetivos financeiros a longo prazo, sabia?

Neste artigo, nós, da Genial Investimentos, destacamos como você pode desenvolver um controle financeiro melhor para deixar de ter o nome sujo.

Continue a leitura!

O que é nome sujo e como identificar a situação?

Estar com o nome sujo ou negativado é uma expressão informal usada quando uma pessoa está com registros negativos nos órgãos de proteção ao crédito. Os principais são o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e a Serasa.

A situação acontece quando alguém está com dívidas duradouras e pendências financeiras por não ter honrado seus compromissos de pagamento. Nesse tipo de situação, as empresas prejudicadas podem solicitar a inclusão do nome da pessoa na lista de inadimplentes desses birôs de crédito.

Assim, as ocorrências são registradas nos órgãos, que mantêm bancos de dados que registram informações sobre a situação financeira dos consumidores. Isso inclui histórico de pagamentos, empréstimos, dívidas em aberto e outras informações.

Vale a pena destacar que, antes da negativação do nome, é comum que as empresas busquem outros caminhos para cobrar a dívida. Quando a inadimplência persiste, há o acionamento dos birôs de crédito.

Antes que o seu nome fica sujo, você deve ser notificado por esses órgãos. Porém, para ter mais segurança sobre a informação, é possível fazer uma consulta direta nos sites dos birôs de crédito para saber se seu nome está regular ou não.

Como funciona a negativação?

Para entender melhor como funciona o processo de negativação, imagine que você fez uma compra parcelada em uma loja. Entretanto, apareceram outros gastos e você só conseguiu pagar metade das parcelas do produto.

Após alguns dias, você pode receber um aviso de pagamento pendente ou notificações por e-mail, SMS ou correspondência para lembrá-lo da dívida. Caso a situação não seja regularizada, a loja pode optar por acionar a Serasa, por exemplo.

Após receber a solicitação de inclusão da dívida em seus cadastros, o birô de crédito notifica o consumidor, dando um novo prazo para a quitação. Se a situação não for resolvida, o registro será realizado.

A partir desse momento, seu nome estará sujo nos órgãos de proteção ao crédito. Entretanto, segundo o Código de Defesa do Consumidor, o nome do devedor pode permanecer nos registros dos órgãos de proteção ao crédito por, no máximo, cinco anos após o vencimento da dívida.

Depois disso, os birôs devem removê-lo da lista de inadimplentes.  Quando isso acontece é dito que a dívida “caducou”. No entanto, ela não é anulada e a pessoa pode continuar sendo cobrada, inclusive judicialmente — desde que observados os prazos legais de prescrição.

Quais são as causas mais frequentes de endividamento?

Chegando aqui, você já entendeu que o endividamento é uma realidade para muitas famílias brasileiras, não é mesmo? Mas a causa para esse tipo de situação se tornar real pode mudar para cada uma delas.

Os gastos excessivos estão entre os motivos mais comuns. Quando as despesas mensais excedem a renda disponível, as pessoas podem recorrer ao crédito para cobrir as diferenças, acumulando dívidas ao longo do tempo, concorda?

A ausência de um planejamento financeiro é outro motivo que pode levar ao descontrole dos gastos e à falta de reserva para imprevistos. Sem esse gerenciamento, é mais fácil extrapolar as despesas e ter dificuldades para pagar as contas.

Também é pertinente destacar o uso do cartão de crédito. Embora ele possa funcionar como um parceiro nas finanças, o mau uso dele pode levar ao acúmulo de dívidas. Entre os hábitos negativos estão pagar apenas o valor mínimo da fatura ou fazer compras sem considerar os impactos na sua capacidade de pagamento integral.

Em geral, a falta de uma educação financeira adequada contribui para o endividamento. Com as dificuldades para organizar ou controlar seu dinheiro, há mais riscos de lidar com a negativação do nome a partir do endividamento.

Porém, é importante ressaltar que também há fatores imprevisíveis. Situações inesperadas, como perda de emprego, despesas médicas e redução de renda podem prejudicar as finanças pessoais e levar ao acúmulo de contas se não houver uma reserva de emergência.

Quais são as consequências de ficar com nome sujo?

Por estar negativado perante os órgãos de proteção ao crédito, ficar com o nome sujo pode implicar em diversas restrições.

A seguir, veja quais são as principais consequências negativas da negativação!

Diminuição no seu score de crédito

Ter dívidas no seu nome costuma fazer com que o seu score de crédito fique baixo. Essa é uma classificação que os birôs de crédito podem dar para os consumidores conforme seu histórico de pagamentos. Um dos mais famosos no Brasil é o Serasa Score.

Quanto mais baixo for o score de crédito, maior é a percepção de risco para os credores. Isso acontece porque ele sugere um histórico negativo, como pagamentos atrasados, inadimplências, dívidas em aberto e alto comprometimento das finanças.

Com uma nota baixa, surgem dificuldades para obter empréstimos, financiamentos ou cartões de crédito. Ainda, mesmo que consiga a aprovação, as condições tendem a não ser tão atrativas.

Dificuldades para acessar serviços

A pessoa com nome sujo também pode ter problemas para acessar diversas soluções do mercado. Por exemplo, contratação de seguros, abertura de contas bancárias ou solicitação de limites de crédito mais altos podem ser afetados para quem está negativado.

Também pode haver dificuldade para contratar outros serviços, como internet ou telefone. Nesse caso, ela pode limitar a oferta a planos pré-pagos, por exemplo. O mesmo desafio costuma existir para aqueles que estão com o desejo de se mudar.

Estar negativado pode dificultar a negociação de boas ofertas de aluguel ou tende a impedir o acesso a financiamentos imobiliários.

Prejuízos na participação em concursos públicos

Ter o nome sujo ainda pode prejudicar quem deseja assumir cargos públicos específicos, como quem deseja atuar em bancos estatais. Em qualquer situação, a restrição é indicada nos editais, trazendo clareza sobre o processo.

Porém, vale destacar que o tema é bastante controverso, sendo passível de discussão judicial. Ainda assim, essas demandas costumam ser longas, gerando diversos transtornos até uma eventual posse do cargo almejado.

Perda da CNH ou do passaporte

A negativação do seu nome também pode contribuir para a suspensão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e do seu passaporte. No entanto, essas não são consequências diretas de ficar com o nome sujo.

Normalmente, quando o cliente não quita seus débitos e a Justiça é acionada, a parte credora pode solicitar ao juiz a suspensão desses documentos. Na prática, essa não tem sido uma medida comum, encontrando barreiras para aplicação ou manutenção.

Como limpar o nome sujo?

Agora que você entendeu mais sobre as consequências de estar negativado, é hora de aprender como regularizar sua situação. Saiba como limpar o seu nome sujo!

Procure o credor

O primeiro passo é procurar o credor, seja ele uma empresa, loja ou banco, para pagar a dívida. De maneira geral, há interesse por parte dos credores até em encontrar condições alternativas de pagamento.

Muitas empresas e instituições financeiras possuem canais de atendimento para inadimplentes e costumam oferecer condições especiais para quem quer sair das dívidas e limpar o nome.

Renegocie a dívida

Em contato com o credor, uma alternativa é renegociar a dívida. Você pode elaborar uma proposta que caiba no seu bolso e apresentar ao credor. Isso demonstra boa-fé e vontade de resolver logo a situação, além de abrir a possibilidade de pagar uma quantia que não comprometa o seu orçamento por completo.

Ainda, após a renegociação, com pagamento da primeira parcela, o seu nome já será retirado dos órgãos de proteção ao crédito. Porém, se você deixar de cumprir o acordo, a negativação será reativada. Então se organize para cumprir as condições renegociadas sem atrasos, combinado?

Após finalizar todos os pagamentos, é possível solicitar ao credor um comprovante de quitação da dívida. Esse documento é importante para atestar que a dívida foi regularizada.

Aproveite os mutirões de negociação

Vale a pena acompanhar os feirões para limpar o nome e mutirões de renegociação. Eles são eventos e campanhas promovidos por órgãos de proteção ao crédito em parceria com empresas credoras. O objetivo é facilitar a renegociação e o pagamento de dívidas.

Durante os feirões, as empresas credoras costumam oferecer descontos, redução de juros, prazos de pagamento estendidos e outras facilidades para incentivar os consumidores a quitarem suas dívidas. Ou seja, eles são uma oportunidade para regularizar sua situação com menos burocracia.

Entretanto, é indispensável manter a atenção com as condições apresentadas para garantir que elas estejam realmente alinhadas com sua realidade financeira.

Depois de pagar ou renegociar a dívida, o credor deve efetuar a retirada do seu nome do cadastro de inadimplentes. A exclusão deve acontecer em até 5 dias úteis, limpando o seu nome.

Vale a pena pegar um empréstimo para limpar o nome?

Além das soluções que você já viu, existe outra possibilidade: pegar um empréstimo. Nesse caso, você acessa recursos mais rapidamente e em alto volume, podendo usar o dinheiro para pagar suas dívidas e limpar seu nome.

Entretanto, antes de optar por esse caminho existem alguns pontos para considerar. Primeiro, como você viu, estar com nome sujo pode atrapalhar a negociação de boas condições para acesso de linhas de crédito.

Ainda, é preciso avaliar sua capacidade financeira atual para determinar se você terá condições de arcar com o pagamento do empréstimo, além das demais despesas e obrigações financeiras. Priorize opções com taxas competitivas e prazos razoáveis que sejam adequados às suas necessidades.

Desse modo, buscar um empréstimo pode ser interessante se você já estiver em processo de organização das suas finanças e se os juros dele forem menores que as taxas do débito atual. Caso contrário, mesmo pagando a dívida, você pode criar outro desafio: o pagamento dessas parcelas.

Como melhorar a sua relação com o dinheiro e sair do vermelho?

Após entender mais sobre como limpar o nome, vale a pena compreender como é possível melhorar seu relacionamento com o dinheiro, não é mesmo? Assim, você sai do vermelho e pode ter mais controle sobre as finanças.

Confira como agir!

Faça um diagnóstico e organize suas finanças

Seu primeiro passo deve ser realizar um levantamento da sua situação financeira, analisando suas receitas, despesas e dívidas. Avalie sua situação atual e identifique quais são os principais gastos e as dívidas em aberto.

Em seguida, estabeleça um plano de gastos mensais considerando suas receitas e despesas. Priorize aquelas essenciais e corte ou reduza gastos supérfluos. Isso pode garantir que você terá mais dinheiro disponível todos os meses.

Programe-se para pagar as dívidas

Você já viu que é possível renegociar suas dívidas, certo? Então entre em contato com os credores e busque negociar seus pagamentos pendentes. Se você tiver mais de uma dívida, organize-as para saber quais são as maiores ou com maior potencial de gerar prejuízos.

Normalmente, pode ser mais interessante pagar primeiro as dívidas com juros mais altos. São elas que consomem mais recursos financeiros e se livrar delas pode gerar mais tranquilidade para suas finanças mensais.

Crie uma reserva de emergência

Outra boa prática é poupar uma parte de sua renda para criar uma reserva de emergência. Ela servirá para lidar com imprevistos financeiros sem gerar novas dívidas — que você viu que é um fator de risco para a inadimplência.

Essa reserva deve cobrir cerca de 6 meses dos seus gastos médios mensais. Dessa maneira, caso enfrente situações como problemas de saúde ou perda de emprego, o dinheiro poderá ser utilizado para cobrir as despesas até você reorganizar a vida financeira.

Faça investimentos

Por último, não deixe de se organizar para fazer investimentos. A prática permite que você coloque seu dinheiro para trabalhar a seu favor, buscando aumentar seu patrimônio ao longo do tempo.

Além disso, investir ajuda a construir um planejamento financeiro de longo prazo, enquanto contribuem para o desenvolvimento da sua disciplina e inteligência financeira. Com as dívidas quitadas e a reserva montada, os investimentos podem ajudar na conquista de outros objetivos.

Como você aprendeu, ter o nome sujo pode trazer diversas complicações para o seu planejamento financeiro e para a sua rotina. Por isso, vale a pena colocar as dicas que você viu em prática para sair do vermelho e organizar as finanças.

Achou esse conteúdo relevante? Aproveite para compartilhar com seus amigos e familiares para que eles também desenvolvam a educação financeira!

Taxa de Juros

Gabriel Fujimoto

Especialista em Investimentos na Genial Investimentos. Acompanha o mercado financeiro desde 2019 participando de diversas palestras e cursos com profissionais que atuam no mercado.

Ver todos os artigos
Campanha Institucional - Ativação - Abra sua conta

Navegação rápida

O link do artigo foi copiado!