Não é segredo que a caderneta de poupança é a queridinha dos brasileiros. Por ser acessível e descomplicada, ela tende a ser o primeiro investimento de muita gente.  

Com o passar dos anos, porém, esse tipo de aplicação tem se tornado menos atrativo. Após sucessivas quedas de juros, investir na poupança hoje rende menos do que a inflação, ou seja, os depositários estão, na prática, perdendo poder de compra. 

Neste artigo, vamos explicar por que isso acontece e dar dicas sobre como investir melhor e sair da poupança. Acompanhe a leitura.  

Quanto rende a poupança?

Antes de tudo, é importante entender que a rentabilidade da poupança não é fixa, pois depende da variação da taxa Selic.  

Além disso, conforme a data de início do investimento, a poupança pode ser remunerada de duas formas distintas. Vamos entender como isso funciona:  

Em 2012, o Banco Central modificou a forma de remuneração da caderneta de poupança. Até 3 de maio daquele ano, a rentabilidade da poupança era baseada na Taxa Referencial (TR) de 0,5% ao mês.  

A partir de 4 de maio de 2012, o rendimento passou a ser atrelado à Selic e calculado da seguinte forma:  

  • Se a Selic estiver abaixo de 8,5% ao ano, a poupança pagará 70% dessa taxa mais a Referencial (TR). 
  • Se a Selic for superior a 8,5% ao ano, o rendimento será de 0,5% ao mês mais a TR. 

Há, portanto, a poupança antiga, aplicações feitas até 3 de maio de 2012, e a nova, depósitos efetuados depois da referida data. No entanto, desde setembro de 2017, a TR está zerada. Dessa forma, atualmente, a Selic é o verdadeiro referencial de remuneração da poupança. 

Rendimento da poupança e a inflação

Desde o início de 2020, o rendimento nominal da poupança foi o seguinte:

Mês/2020 Rendimento mensal (depósitos a partir de maio/2012) 
Janeiro 0,26% 
Fevereiro 0,26% 
Março 0,24% 
Abril 0,22% 
Maio 0,22% 
Junho 0,17% 
Julho 0,13% 
Agosto 0,13% 
Setembro 0,12% 
Outubro 0,12% 
Acumulado 2020 1,88 

Para sabermos o rendimento real, devemos subtrair a inflação do período. No acumulado do ano (até outubro), o IPCA registra aumento de 2,22%. Dessa forma, percebe-se que, atualmente, a rentabilidade da poupança perde para a inflação. 

No Brasil, o indicador que mede a inflação oficial é o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Em outubro, o índice foi de 0,86%, o maior registrado desde 2002. 

A sucessiva alta da inflação nos últimos meses fez com que economistas revisassem para cima a projeção para 2020. Nesse sentido, a inflação estimada para o ano passou de 3,02% para 3,20%, isto é, cada vez mais os efeitos inflacionários têm influenciado o rendimento das aplicações em renda fixa. 

Confira mais detalhes no e-book “Guia definitivo de como sair da poupança”. 

Liquidez da poupança 

Outro ponto importante a observar ao investir na poupança é a liquidez. Nesse sentido, existe um falso mito sobre a possibilidade de resgate imediato da aplicação, fazendo com que muitos ainda a utilizem para compor a reserva de emergência

De fato, o investidor pode sacar o dinheiro da poupança no momento que desejar. Porém é importante saber que o montante aplicado não rende todos os dias, mas somente na data de aniversário da caderneta. 

Por exemplo, se o investimento for feito em 1º de novembro, os juros sobre o valor aplicado somente serão computados no dia 1º dos meses subsequentes. Isso significa que, se for preciso sacar algum valor em 30 de janeiro, por exemplo, todo o rendimento do mês será perdido. 

Como investir além da poupança 

Se você deseja investir melhor e fugir da poupança, mas não está pronto para aplicar seu dinheiro em renda variável, saiba que algumas modalidades podem atender muito bem às suas expectativas. A seguir, veremos duas delas: o CDB e o Tesouro Direto. 

CDB ou poupança? 

Assim como a poupança, o CDB também tem a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos. Logo, é um investimento que proporciona a mesma segurança procurada por quem escolhe investir na poupança. 

Além disso, o CDB também pode ser um investimento de liquidez diária. No entanto, ele possui uma vantagem frente à poupança no que diz respeito à rentabilidade. Diferentemente da caderneta, os rendimentos do CDB não têm uma data de aniversário. Isso significa que, se o investidor optar por um CDB de liquidez imediata, receberá o rendimento até o dia do resgate. 

Por fim, é importante observar que o CDB possui a tributação regressiva do Imposto de Renda, que não incide sobre a poupança. Mas, mesmo assim, os rendimentos acabam superando os da caderneta. 

Tesouro Direto ou poupança? 

Diferentemente de outros investimentos de renda fixa, o Tesouro Direto não possui a garantia do FGC. No entanto, pode-se afirmar que ele é um dos investimentos mais seguros do mercado. 

Isso porque, ao adquirir títulos do Tesouro, o investidor está emprestando dinheiro para o governo. E para um governo não honrar seus compromissos precisaria haver uma grande calamidade econômica. E, mesmo que isso acontecesse, certamente os bancos sofreriam os efeitos antes das instituições governamentais. 

Outra vantagem do Tesouro Direto sobre a poupança são os rendimentos das aplicações. Assim como os CDBs, os títulos do Tesouro oferecem remuneração bem mais interessante. 

Além disso, pode ser uma excelente alternativa em momentos de alta da inflação, como o que vivemos hoje, pois existem modalidades atreladas à inflação que pagam uma taxa fixa mais o IPCA do período. Ou seja, ao passo que a poupança, atualmente, perde para a inflação, o Tesouro Direto pode fazer o investidor lucrar com a alta do IPCA. 

Por fim, a relação liquidez/rentabilidade dos títulos do Tesouro também é melhor do que na poupança. O resgate do Tesouro Direto ocorre em D+1, ou seja, o investidor solicita num dia e no outro o dinheiro já está disponível na conta. E, diferentemente da poupança, os rendimentos do Tesouro não estão sujeitos à data de aniversário da aplicação.   

Para saber mais sobre essa e outras modalidades de aplicação, baixe também o e-book “Como investir melhor e sair da poupança”.  

Conclusão 

Como visto, investir na poupança não deve ser a única opção para quem está começando a aplicar. Hoje há muitas modalidades seguras e acessíveis disponíveis no mercado financeiro. 

Para conhecer a opção que mais se adequa ao seu perfil, abra uma conta na Genial e fale com um de nossos assessores. Comece a investir melhor agora!

Comentários