Renda fixa traz a impressão de algo invariável. , isso é uma meia verdade, pois alguns investimentos chamados de renda fixa podem variar muito. Portanto, antes de investir, precisamos conhecer melhor cada um dos investimentos agrupados na grande família da renda fixa, que engloba os investimentos em títulos públicos e títulos privados por meio de empréstimo de recursos com a promessa de pagamento de juros ou de fundos de investimentos que aplicam nesses produtos.

As possibilidades de aportes na renda fixa são diversas e cada uma apresenta suas características. Nesse post vamos apresentar os tipos de investimento em renda fixa disponíveis no mercado brasileiro.

O que é a renda fixa?

Antes de conhecer os investimentos em renda fixa é preciso entender como ela funciona. Na prática, nessa modalidade, o investidor empresta dinheiro ao governo, a bancos/instituições financeiras ou a empresas por meio da aquisição de um título. Pelo empréstimo, o investidor será remunerado com o pagamento de juros.

Apesar da palavra “fixa” acompanhar o nome, os investimentos nessa modalidade nem sempre são 100% previsíveis, isso porque eles podem acompanhar índices variáveis, como a taxa Selic, o CDI, a inflação etc. De qualquer forma, na renda fixa é possível estimar a rentabilidade de um título de forma mais assertiva do que na renda variável.

Um dos índices mais populares na renda fixa é o CDI (taxa DI). É comum encontrar papéis no mercado que rendam 90% do CDI, 110% do CDI e assim por diante. Se o CDI variar, a rentabilidade final do investidor irá acompanhar esse movimento. Por isso, é importante entender como o índice que remunera o seu investimento é calculado, seja o CDI, a Selic, o IGP-M ou qualquer outro.

Na renda fixa também é possível encontrar papéis prefixados, em que o investidor sabe exatamente quanto poderá receber no vencimento do contrato. Existem produtos com isenção de imposto de renda, títulos que são cobertos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) e os que oferecem liquidez diária. Vamos falar sobre cada um deles a seguir.

Poupança

Você já investiu na renda fixa e nem sabia, pois a caderneta de poupança é um dos investimentos que compõem essa modalidade. A remuneração da poupança é calculada no Brasil de duas formas: a poupança velha e a poupança nova. Todos os depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 seguem as regras da poupança nova.

Poupança antiga:

0,5% ao mês + TR

Poupança nova:

  • Taxa Selic igual ou inferior a 8,5% a.a. – poupança paga 70% da Selic + Taxa Referencial (TR);
  • Taxa Selic superior a 8,5% a.a. – poupança paga 0,5% ao mês + Taxa Referencial (TR).

Levando em consideração o cenário atual: se a poupança pagar 70% da Selic (3,75%) + a Taxa Referencial (zero), o seu dinheiro depositado na poupança nova irá render 70% de 3,75% ao ano. O mesmo que 0,21% ao mês, sem descontar a inflação.

Logo, a caderneta brasileira está muito longe de ser um dos melhores investimentos para o seu suado dinheiro.

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é uma plataforma do governo federal para negociar online títulos públicos. Assim, quando você compra um título do Tesouro Direto empresta dinheiro ao governo e será recompensado com juros no fim do contrato, por isso, é considerado um dos investimentos mais seguros do mercado.

No Tesouro Direto é possível adquirir títulos com remuneração atrelada à taxa Selic (Tesouro Selic), à inflação (Tesouro IPCA+) ou ao Tesouro Prefixado. No primeiro caso, o título irá render conforme a variação da taxa Selic, que no momento está em uma mínima histórica. Logo, a remuneração desse papel também está mais baixa.

Já no Tesouro IPCA+, a rentabilidade será calculada pelo IPCA (inflação) + juros fixos. Portanto, a rentabilidade desse ativo irá sempre cobrir a inflação e oferecer um rendimento extra predefinido. No Tesouro Prefixado, o investidor sabe, no momento da aplicação, qual será a rentabilidade do título no vencimento do contrato. Porém, como existe a marcação a mercado, os títulos vinculados ao IPCA ou totalmente prefixados podem variar bastante e gerar prejuízos se o investidor precisar liquidar seus investimentos antes do prazo.

Portanto, para a reserva de emergência é importante o investidor aplicar apenas no Tesouro Selic, pois, nessa modalidade, há cobrança de Imposto de Renda pela tabela regressiva. Assim, quanto maior o tempo da aplicação, menor o imposto devido.

e-book tesouro direto

CDB

No Certificado de Depósito Bancário (CDB), o investidor também irá emprestar dinheiro sobre o pagamento de juros, mas o tomador do crédito nesse caso são os bancos e as instituições financeiras. Assim como no exemplo anterior, as aplicações em CDB seguem a tabela regressiva do Imposto de Renda.

Existe CDB com liquidez diária, ou seja, que pode ser resgatado no mesmo dia. Uma boa opção para quem busca um investimento com rentabilidade melhor do que na poupança, mas não pode abrir mão do acesso rápido ao dinheiro em uma emergência.

A remuneração do CDB pode ser:

Prefixada: quando o investidor sabe exatamente quanto irá receber em juros pela aplicação;

Pós-fixada: quando o CDB rende um percentual de um determinado índice. Exemplo: 70% do CDI, 100% do CDI etc.;

Híbrido: quando uma parte do CDB remunera por uma taxa fixa, determinada no momento da aplicação, e outra é atrelada a um indicador econômico, como o IPCA.

LCI/LCA

A Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) são títulos privados emitidos por instituições financeiras com o objetivo de captar recursos para o financiamento do setor imobiliário e do setor agrícola. Assim, ao investir nesses ativos, os seus recursos serão destinados ao desenvolvimento dessas indústrias no país através da tomada de crédito.

Tanto a LCI como a LCA são isentas da cobrança de Imposto de Renda para pessoas físicas, já que o objetivo dessas Letras é atrair investidores e reunir recursos para esses setores.

A remuneração pode ser: prefixada, percentual (%) do CDI, CDI + spread ou atrelada ao índice de preços, como o IPCA ou o IGP-M.

Debêntures

As debêntures são títulos de médio e de longo prazo emitidos por empresas (sociedades anônimas) para captação de recursos. Elas podem ser isentas de Imposto de Renda e de IOF quando são classificadas como debêntures de infraestrutura.

As debêntures podem oferecer maior rentabilidade e, logo, vêm acompanhadas de maior risco. Ainda, esses títulos não têm cobertura do FGC. Assim, caso a empresa venha a falir, não existem garantias ao investidor.

A remuneração das debêntures pode ser: prefixada, percentual (%) do CDI, CDI + spread ou atrelada ao índice de preços, como o IPCA ou o IGP-M.

Letras de câmbio

Assim como nas debêntures, as letras de câmbio também são ofertadas por empresas, mas, neste caso, empresas do ramo financeiro, as chamadas financeiras. Os rendimentos nesta modalidade são tributados pela tabela regressiva do Imposto de Renda e os aportes contam com cobertura do FGC em até R$ 250 mil.

A remuneração pode ser: pefixada, percentual (%) do CDI, CDI + spread ou atrelada ao índice de preços, como o IPCA ou o IGP-M.

CRI/CRA

O Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) e o Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA) são títulos emitidos por securitizadoras. O rendimento nessas modalidades tende a ser maior, assim como os riscos. Não há cobertura do FGC e existe a cobrança de IR e IOF de pessoas físicas para os dois títulos. 

O aporte inicial para esses papéis costuma ser mais expressivo, mas a boa notícia é que existem fundos de CRI e de CRA no mercado, tornando o valor por cota acessível a um grupo maior de pessoas. Com R$ 100 é possível se tornar cotista de fundos CRI e CRA.

A remuneração pode ser: prefixada, percentual (%) do CDI, CDI + spread ou atrelada ao índice de preços, como o IPCA ou o IGP-M.

Como investir em renda fixa?

Investir em renda fixa é simples, mas os papéis que oferecem os rendimentos mais elevados não são ofertados pelos bancos tradicionais ao investidor comum. Por isso, caso você ainda não tenha conta em uma corretora, esse deve ser o primeiro passo.

Na Genial, além da abertura de conta gratuita, investimentos como o Tesouro Direto são isentos de qualquer taxa de corretagem. Além disso, nossos assessores de investimento irão ajudar você a compor uma carteira diversificada, segura e alinhada com o seu perfil de risco e com os seus objetivos financeiros.

Nós queremos e podemos fazer mais pelo seu dinheiro. Venha você também ser Genial!

Abra sua conta na Genial Investimentos!

Publicado por Genial Investimentos

A Genial é a plataforma de investimentos que está democratizando o acesso aos melhores produtos do mercado, de forma simples, ágil e eficiente, através de uma assessoria financeira isenta, transparente e qualificada.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *