Conhecer os números envolvidos nos seus investimentos é importante para tomar decisões informadas sobre a carteira. Além de acompanhar o retorno, é preciso ter conhecimento sobre os custos envolvidos. Entre eles, estão os emolumentos, que são atrelados às operações realizadas na B3, a bolsa de valores brasileira. 

Além de saber como essa cobrança funciona, é necessário aprender a calculá-la. Assim, você tem uma ideia clara sobre o custo de investimento e pode fazer uma análise mais precisa quanto à rentabilidade real de cada operação, por exemplo. 

Para que você aprenda mais sobre os custos, separamos informações que podem ajudá-lo. Continue a leitura e saiba mais sobre as taxas da B3! 

O que são emolumentos? 

Os emolumentos também são conhecidos como taxa de negociação e são cobrados pela B3. A cobrança é incidente em todas as operações realizadas em renda variável, tanto para a compra quanto para a venda de ativos. 

O principal objetivo da taxa é remunerar o processo de registro dos investimentos. Então, qualquer operação envolve a cobrança porque todas as movimentações de compra e venda devem ser registradas, categorizadas e armazenadas. 

Como funciona a cobrança dos emolumentos? 

Como você viu, os emolumentos da B3 são cobrados em todas as operações. Isso vale não apenas para a negociação de ativos do mercado à vista, mas também para as opções e para os contratos do mercado futuro. 

Outro ponto importante é que a cobrança acontece de maneira automática, com base em um percentual do valor da operação de compra e venda. Porém, a aplicação da porcentagem definida pela B3 não é o único componente do cálculo.  

A seguir, veja o que mais interesse na cobrança da taxa de emolumentos! 

Tipo de investidor 

Tanto pessoas físicas quanto pessoas jurídicas podem investir em ações e em outros ativos da renda variável. Mas, na hora de definir o valor dos emolumentos, o tratamento é diferenciado. 

Um investidor pessoa física terá uma alíquota que difere do valor incidente para um clube ou fundo de investimento, por exemplo. 

Tipo de operação 

Em relação ao que interfere no cálculo, podemos dar destaque aos tipos de operação, em termos de prazos. A cobrança para quem especula ao operar em day trade é diferente das operações que não são iniciadas e finalizadas no mesmo pregão. 

Taxas e impostos 

A taxa de emolumentos é apenas um componente do cálculo completo. Na mesma cobrança, também há a taxa de liquidação, que é feita pela CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia), e o Imposto sobre Serviço (ISS). As duas primeiras taxas dependem do volume negociado na transação e o ISS difere entre as cidades. 

Sabendo disso, fica claro que uma pessoa física que faz day trade terá uma cobrança de emolumentos distinta daquela que é referente a quem faz operações comuns, por exemplo.  

Além disso, podem existir outras diferenças. Por exemplo, de acordo com o volume de negociação em cada operação e até mesmo da cidade correspondente ao ISS. 

Por que é importante conhecer a taxa de emolumentos da B3? 

Saber o que são emolumentos e como eles são calculados é relevante para qualquer pessoa que faça investimento em ações ou outros ativos da renda variável. Afinal, é uma cobrança que incide em toda operação. 

Na prática, quem está envolvido em operações na bolsa de valores encara o impacto dessa taxa. Ainda que não seja muito elevada, ela existe e pode gerar efeitos no rendimento obtido. 

Esse é um componente de destaque para o cálculo do lucro líquido com as operações, já que o valor deve ser descontado dos resultados obtidos. Portanto, ele poderá ajudá-lo a saber o quanto você, de fato, ganhou em determinada operação. 

Isso é importante para não se confundir com o lucro bruto, que não considera cobranças e impostos. Sendo assim, é uma forma de ter uma visão completa do seu desempenho e conferir se foi possível atingir seus objetivos financeiros.  

Que outros custos são cobrados na B3? 

Para saber o quanto você pagará ao investir ou operar na bolsa de valores é preciso entender outros custos além dos emolumentos. Há outras taxas envolvidas na B3. Primeiramente, a taxa de corretagem depende da corretora escolhida para mediar as operações. 

Outra taxa é a de custódia, que é cobrada pela CBLC. Ela é cobrada mensalmente, enquanto o dinheiro estiver alocado. O valor não é fixo e pode variar com a negociação estabelecida com a instituição financeira selecionada. 

Outros ambientes da bolsa 

Os dados apresentados anteriormente são válidos para o investimento em ações no mercado à vista. No entanto, também é possível investir em derivativos e recorrer ao mercado futuro. Nesse ambiente de negociação, também há a cobrança de emolumentos. 

Além dela, é preciso pagar a taxa de registro e a taxa de permanência. Essa última é diária e incide sobre as posições abertas, enquanto a primeira depende do valor total da operação. 

Os demais ambientes, como mercado a termo de ações e mercado de opções, envolvem apenas taxa de registro, de liquidação e de negociação (emolumentos). A variação fica por conta dos valores incidentes. 

Imposto de Renda 

Não menos importante, investir na bolsa de valores envolve o pagamento de Imposto de Renda. No caso das Ações, por exemplo, os dividendos são isentos de IR, mas os Juros sobre Capital Próprio tem IR retido na fonte. 

Já a venda de ações apresenta regras específicas. Vendas com prazo maior que um dia e acima de R$ 20 mil no mês estão sujeitas à cobrança de uma alíquota de 15%. Em day trade, não há isenção e a alíquota cobrada é de 20% sobre o lucro. 

Derivativos e outras modalidades de investimento podem ter regras próprias que devem ser conhecidas por quem opera. Assim, além dos emolumentos, você precisa reconhecer os custos para saber quanto custou a sua operação e o quanto você terá de ganhos ou prejuízos.  

Algumas taxas podem mudar com o tempo. Por isso, vale a pena recorrer ao site da B3, onde todas as informações são atualizadas. Em caso de dúvidas, é possível falar com sua corretora de valores ou assessoria de investimentos. 

Como vimos, os emolumentos envolvem cobranças que incidem em todas as operações de renda variável da B3. Junto a esse componente, há outras taxas que devem ser consideradas para que você saiba o custo real de investir na bolsa de valores. Não deixei de se informar! 

Se quiser saber mais sobre o assunto e conversar com um de nossos profissionais, entre em contato conosco da Genial Investimentos

Comentários