Acompanhar os relatórios das empresas que você já investe ou que está monitorando é uma prática relevante para entender a situação de cada companhia. Nesse sentido, conhecer os números da Via (VIIA3) do 3º trimestre de 2022 pode proporcionar insights valiosos.

Como essa é uma das organizações mais representativas do varejo brasileiro, a performance da Via também está atrelada ao desempenho do setor. Portanto, vale a pena compreender quais foram os resultados do mercado e os motivos que levaram às oscilações nas ações da companhia.

Ao continuar a leitura deste artigo que nós, da Genial, preparamos para você, você entenderá mais sobre as ações da Via e saberá o que aconteceu com elas no 3T22.

Acompanhe!

Qual a história da Via?

Antes de compreender quais foram os resultados que a Via alcançou no 3º trimestre de 2022, vale a pena destacar os principais marcos sobre a trajetória da empresa. As informações podem colaborar para seu entendimento sobre as oportunidades e os riscos desse investimento.

Saiba mais!

Primeiros anos

A Via é uma das principais representantes do mercado varejista brasileiro. Ela surgiu em em 2010 após a fusão entre duas das maiores empresas do segmento no país: a Casas Bahia e o Pontofrio — atualmente chamado apenas de Ponto.

O processo de constituição dela aconteceu após o Grupo Pão de Açúcar (GPA) comprar a Casas Bahia, em 2009. No mesmo ano houve a transferência de controle da empresa para a Globex Utilidades, que já havia comprado o Pontofrio.

A Globex Utilidade começou a atuar com e-commerces a partir do ano seguinte por meio da sua subsidiária Nova Pontocom. Essa organização foi fundada para unir Casas Bahia, Pontofrio e Extra — que já pertencia ao Grupo Pão de Açúcar anteriormente.

À época, o conglomerado era responsável por uma boa parte dos resultados do varejo brasileiro, considerando vendas presenciais e online. Em 2012, a Globex Utilidades mudou seu nome para Via Varejo e avançou com o processo de fortalecimento de marca.

Além da Casas Bahia, do Pontofrio e do Extra, a Via Varejo assumiu o controle da empresa Bartira — com experiência no mercado de móveis. A abertura de capital do grupo na bolsa brasileira aconteceu em 2013 e seu ticker era VVAR3.

Mudanças na operação

Desde a sua criação, a Via Varejo controlava uma parcela significativa do setor varejista do Brasil. Afinal, três das maiores representantes desse mercado estavam juntas na operação — apesar de manterem suas próprias organizações.

Entretanto, com o passar dos anos, a empresa passou por transformações significativas. Uma das mudanças principais aconteceu em 2019, quando o Grupo Pão de Açúcar se retirou da operação — vendendo todos os seus ativos da Via Varejo.

Outro momento relevante da empresa aconteceu em 2021, quando ela vivenciou um processo de reposicionamento de marca. Nesse ano, a companhia deixou de se chamar Via Varejo e passou a ser apenas “Via”. O intuito da mudança era demonstrar a proposta da organização de “ir além do varejo”.

Nesse momento, ela já contava com outras iniciativas sob sua gestão. Há o banQi, que é uma carteira digital, e a Rede Celer, que trabalha oferecendo soluções de pagamento. A Via também opera com logística a partir da ASAPLog e CNT.

O que é o VIIA3?

Agora que você conheceu um pouco mais sobre a trajetória da Via, vale a pena saber mais sobre suas ações. Como você viu, a abertura de capital aconteceu em 2013 e os papéis da empresa eram negociados a partir do ticker VVAR3.

Entretanto, a estratégia de reposicionamento da marca também impactou a empresa na bolsa. Assim, a companhia optou por alterar seu ticker de VVAR3 para VIIA3 para indicar para os investidores o objetivo de fortalecer a nova proposta comercial da companhia.

O número 3 no final do ticker indica que os papéis da empresa são ordinários (ON). Eles se caracterizam por garantir aos acionistas o direito ao voto e a participação nas assembleias da Via. Além disso, a Via não conta com ações preferenciais (PN) em negociação

As ações VIIA3 estão listadas no Novo Mercado da bolsa de valores do Brasil, a B3. O segmento de listagem conta com empresas de capital aberto que decidiram, voluntariamente, adotar padrões mais elevados de governança corporativa.

Outro ponto interessante sobre os papéis está no fato de, até novembro de 2022, eles fazerem parte da carteira teórica do Ibovespa (IBOV). O indicador é o principal termômetro do mercado nacional e é responsável por medir o desempenho médio das ações mais negociadas do país.

Contudo, lembre-se de que, assim como acontece com outros índices, a carteira teórica do Ibovespa passa por rebalanceamentos. Então a Via pode deixar de fazer parte do indicador caso deixe de atender aos critérios de elegibilidade.

Como foram os últimos anos da Via?

A partir de 2020, o Brasil e todo o mundo vivenciaram um período de grandes incertezas. Isso aconteceu, principalmente, pela crise sanitária do coronavírus que afetou todo o fluxo econômico do comércio global.

Além disso, houve o aumento das tensões internacionais — em especial pelo conflito entre Rússia e Ucrânia, que teve início em 2022. Logo, o cenário de incertezas afetou quase todos os setores econômicos e o varejo também sentiu esses reflexos.

A seguir, descubra como o contexto econômico geral impactou a Via!

2020

Ainda em 2020, vale a pena considerar que as políticas de lockdown levaram muitos empreendimentos físicos a fecharem suas portas por períodos indeterminados. Ou seja, as vendas presenciais deixaram de ser uma opção durante o pico da situação de emergência.

Como resultado, o comércio foi um dos setores que mais sentiu os impactos do cenário em um primeiro momento — e isso aconteceu tanto com as pequenas quanto com as grandes empresas. Desse modo, muitas organizações precisaram se reinventar para manter sua operação.

Em relação à Via, por exemplo, suas ações inicialmente registraram queda em 2020, diante de todo o cenário de instabilidade. No entanto, no contexto de incertezas, também houve o surgimento de oportunidades para o varejo.

O principal deles foi com o ganho de força do e-commerce. Apenas no último trimestre de 2020, as vendas digitais movimentaram mais de R$ 80 bilhões e registraram um crescimento superior a 50%.

Nesse sentido, a Via, por já ter uma estrutura preparada para o e-commerce antes da crise, conseguiu gerar resultados positivos ao fim daquele ano. A companhia finalizou 2020 com uma valorização de quase 40% em seus papéis.

2021

Apesar dos números interessantes registrados em 2020, a Via não conseguiu repetir resultados similares em 2021. Porém, o cenário foi semelhante em outras varejistas relevantes do Brasil, como o Magazine Luiza e a B2W (Lojas Americanas e Submarino).

O aumento da inflação no período foi, possivelmente, o principal motivo para o cenário. O acumulado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi de mais de 10% em dezembro, um dos números mais altos dos últimos anos no Brasil.

As altas da inflação também contribuíram para o Banco Central (Bacen) dar início a um ciclo de elevações na Selic, que é a taxa básica de juros da economia. Ao final do ano, a Selic estava em 9,25% — número que passou por outros aumentos em 2022.

Nesse sentido, vale a pena pensar que a inflação consiste no aumento constante e generalizado de preços de produtos, bens e serviços no cotidiano da população. Logo, as pessoas passam a ter um poder de compra reduzido.

Já o aumento nos juros costuma estar atrelado à iniciativa de esfriar a atividade econômica. O objetivo é tornar o crédito mais caro no mercado para, consequentemente, controlar a inflação.

Portanto, cenários assim impactam o fluxo comercial do país e as empresas varejistas sentem os reflexos. Como consequência, a Via, mesmo com sucesso impulsionado pelo e-commerce, registrou prejuízo em 2021.

O que aconteceu com as ações VIIA3 no 3º trimestre de 2022?

Assim como ocorre com as demais empresas de capital aberto do país, a Via deve compartilhar seus resultados regularmente. O objetivo é manter a transparência com seus acionistas e gerar informações para potenciais novos investidores sobre as oportunidades do investimento.

Nesse sentido, a Via faz a publicações dos seus resultados trimestralmente. Logo, o 3T22 da empresa é referente aos números que ela registrou nos meses de julho, agosto e setembro de 2022. O material fica disponível na área de relação com investidores da empresa.

Antes da divulgação, havia uma forte incerteza do mercado financeiro em relação aos resultados da Via no período. Isso aconteceu porque o ritmo de baixa que a empresa registrou em 2021 continuou durante os dois primeiros trimestres de 2022.

Nos três primeiros meses do ano, por exemplo, a empresa registrou um lucro líquido contábil de R$ 18 milhões — número 90% menor que em 2021. O lucro líquido operacional foi de R$ 86 milhões, também inferior em comparação aos R$ 180 milhões do 1T21.

O segundo trimestre do ano também manteve a sequência de baixas da Via. Apesar do lucro de R$ 6 milhões, ele é significativamente menor que os mais de R$ 130 milhões registrados durante os meses de abril, maio e junho de 2021.

Em 10 de novembro, foram divulgados os resultados do 3T22. No período, houve um prejuízo de R$ 203 milhões. Apesar disso, o prejuízo é menor que as perdas de R$ 638 milhões no 3T21. Logo, houve uma redução de 68,2% no prejuízo.

No geral, isso acompanha a expectativa do mercado, que não previa uma retomada nos números positivos ainda em 2022. Vale destacar que os juros altos e o endividamento das famílias estão entre os fatores que afetam o varejo, impactando os resultados da Via.

Quais as perspectivas da Via para os próximos meses?

Como você viu, a Via apresentou respostas rápidas para a crise sanitária de 2020 e conseguiu registrar números positivos no ano. No entanto, a tendência de alta não se manteve durante os anos seguintes, continuando em baixa durante o 3T22.

Por isso, um questionamento válido é quais são as perspectivas de resultado para a empresa a partir dos próximos meses. Afinal, essas informações são relevantes para você avaliar as oportunidades e os riscos de realizar o investimento.

Para responder a essa questão, é fundamental pensar que o mercado é cíclico e, na renda variável, não há como assegurar resultados. Isso acontece porque existem diversos fatores, desde crises econômicas até instabilidades políticas, que podem afetar as empresas da bolsa de valores.

Nesse sentido, antes de saber o que esperar da Via, vale a pena conhecer as projeções para o setor de varejo. O motivo é que a performance da empresa estará atrelada ao potencial para seu segmento econômico.

Nesse contexto, vale destacar que o cenário de inflação e os juros em alta devem permanecer até o final de 2022 e início de 2023. No entanto, os bancos centrais mundiais têm agido para controlar o cenário, então isso pode contribuir mais para estabilidade do que para novas elevações.

Em vista disso, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) projeta números positivos para o varejo no final de 2022. Para a organização, há a estimativa de contratação de mais de 100 mil colabores temporários para o comércio no período de Natal.

Ademais, o e-commerce deve permanecer gerando resultados interessantes para as empresas. Portanto, companhias como a Via podem aproveitar um cenário econômico relativamente mais estável para retomar o seu crescimento.

Como saber se devo investir em VIIA3?

Chegando até aqui, você já entendeu quais foram os últimos resultados da Via e quais são as projeções para os próximos meses para a empresa e para o varejo brasileiro como um todo. Se esse investimento fizer sentido para o seu nível de abertura ao risco, é possível explorar essa opção.

A seguir, confira o que você deve avaliar antes de investir em VIIA3!

Objetivos financeiros

Em primeiro lugar, você deve alinhar o investimento com os seus objetivos financeiros. Exceto quando o foco for especulativo, montar uma carteira de ações com ativos como VIIA3 costuma funcionar melhor em estratégias de longo prazo. A intenção é aproveitar uma eventual valorização com o passar do tempo.

Isso acontece porque horizontes mais amplos de tempo contribuem para a diluição de riscos do seu investimento. Afinal, as oscilações econômicas e as eventuais quedas na cotação do papel tendem a gerar efeitos mais significativos no curto prazo.

Ainda, investindo no longo prazo você pode se beneficiar da maturação do investimento. Por exemplo, à medida que a empresa supera momentos de incerteza e de instabilidade, ela pode se tornar mais sólida e, consequentemente, apresentar melhores resultados no futuro.

O enfrentamento de momentos incertos também pode gerar mais robustez para a operação da companhia. Logo, ela pode estar menos vulnerável para possíveis novas oscilações econômicas no futuro.

No caso da Via, os resultados aquém da expectativa nos últimos anos demandam o desenvolvimento de novas soluções por parte da gestão. Assim, se as novas estratégias forem bem-sucedidas, a empresa pode se valorizar.

Entretanto, apesar de o investimento ser adequado para aqueles com foco no longo prazo, historicamente a Via não faz parte das estratégias de investidores que priorizam dividendos. Até novembro de 2022, o último repasse de lucro líquido da empresa tinha acontecido em 2018.

No entanto, como esse é um investimento de renda variável, as movimentações passadas não servem de garantia para o futuro. Então o repasse de proventos, como dividendos, pode fazer parte da estratégia da empresa nos próximos anos, caso ela apresente resultados positivos.

Análise fundamentalista

Após saber se existe alinhamento entre esse investimento e os seus objetivos financeiros, você deve realizar uma análise fundamentalista. Ela é o principal mecanismo de estudo de empresas para quem investe com foco no longo prazo.

O objetivo da análise fundamentalista é avaliar os números-chave da empresa, como aqueles que estão presentes nos seus balanços. A partir do estudo das informações, você identificará a realidade financeira da companhia, podendo visualizar riscos e oportunidades.

Muitos indicadores fundamentalistas podem ser usados durante sua avaliação. Entre os principais para a Via e outras empresas estão:

  • Lucro por ação (LPA): relaciona o lucro da companhia no período e a quantidade de papéis emitidos;
  • Preço sobre valor patrimonial por ação (P/VPA): indica quanto o mercado financeiro está pagando pelo patrimônio líquido da empresa;
  • Dividend yield (DY): é referente aos retornos gerados pelos dividendos em relação ao preço das ações;
  • EBITDA: sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, que aponta o potencial de geração de lucro a partir da atividade-fim da empresa;
  • Enterprise value (EV): usado para medir o valor de mercado da companhia.

Esses e outros indicadores colaboram para uma análise consciente da empresa. Ao realizar a análise, procure não avaliar apenas um indicador fundamentalista, de modo a minimizar os riscos de fazer leituras equivocadas sobre a realidade da empresa.

Projeções para o setor

Até aqui, você já compreendeu dois aspectos relevantes para analisar as oportunidades da Via. Porém, além dos indicadores fundamentalistas da companhia e do alinhamento com seus objetivos financeiros, você precisa conhecer a realidade do setor — no caso, o varejo.

A performance da Via depende diretamente do desempenho do seu nicho econômico. Por exemplo, caso o varejo esteja em um período de baixa, as empresas do setor, como a Via, terão um desafio ainda maior para encontrar soluções e apresentar bons resultados.

Então avalie quais são as oportunidades que o setor tem para se desenvolver no futuro. Para o varejo, as principais soluções estão no campo tecnológico, explorando ainda mais os e-commerces e o potencial das vendas online.

Empresas como a Via podem desenvolver mecanismos para integrar os canais físicos e digitais. Afinal, esse tipo de projeto consegue entregar melhores experiências para os clientes.

Outra oportunidade envolve a diminuição da volatilidade econômica. Como você viu, inflação e juros podem ter encerrado o período de altas. Assim, a estabilidade pode contribuir para um aumento na atividade comercial.

Porém, também existem riscos. O varejo é um setor que lida com ciclos, que podem afetar significativamente os resultados das empresas em determinados períodos.

Além disso, o setor costuma estar mais suscetível ao momento econômico do país. Ou seja, novos ciclos de alta nos juros ou aumento na inflação podem levar a uma retração no ritmo comercial — impactando empresas como a Via.

Suporte de profissionais

Por fim, o último passo para decidir onde investir é contar com o suporte qualificado de profissionais do mercado financeiro. Com a Genial Investimentos, por exemplo, isso é possível a partir do Genial Analisa.

O objetivo da ferramenta é descomplicar o mercado de ações e torná-lo acessível para o grande público. Ou seja, você não precisa ser um grande estudioso ou um analista profissional para encontrar bons ativos para sua carteira de investimentos na bolsa.

Com o Genial Analisa, é possível acessar recomendações profissionais de compra e venda de ações. A sugestão se baseia no momento do mercado e as projeções dos analistas para o ativo — e o potencial é medido por meio de um percentual.

No espaço, também há análises dos relatórios das empresas. Dessa maneira, você não precisa se dedicar a avaliar as informações individualmente. Inclusive, o estudo dos profissionais pode gerar insights mais relevantes para a sua tomada de decisão.

Ainda, você terá acesso às carteiras recomendadas da Genial, que são sugestões dos profissionais referentes a como estruturar o seu próprio portfólio de investimentos. Elas seguem um objetivo predefinido, como obter dividendos, aproveitar a valorização, entre outros pontos.

Ademais, o Genial Analisa não se limita ao mercado de ações. Você também encontrará informações relevantes sobre fundos imobiliários (FIIs), renda fixa, momento econômico, especulação na bolsa e criptomoedas.

Como investir em VIIA3?

Acredita que as ações da Via são boas oportunidades para a sua carteira de investimentos? Então, para investir em VIIA3, você precisa abrir uma conta em uma corretora de valores.

Vale a pena ponderar que a escolha de uma corretora é um passo importante para sua estratégia. Afinal, será a partir dela que você fará suas movimentações no mercado financeiro e poderá acompanhar a sua performance.

Portanto, avalie aspectos como o suporte da plataforma, as taxas que ela cobra para suas movimentações, quais são as alternativas que você encontrará além das ações e outros pontos. Ao observar esses fatores, será mais fácil fazer uma boa escolha.

Nesse sentido, vale a pena aproveitar as oportunidades por meio da Genial Investimentos. Conosco, além do Genial Analisa, você tem acesso a uma plataforma completa e custo zero de corretagem para suas movimentações.

Para investir, basta abrir sua conta pelo aplicativo, acessar o home broker e buscar pelo ticker VIIA3. Analise a cotação de momento e, se estiver adequada para seu planejamento, emita a ordem de compra.

Ao longo deste conteúdo, você entendeu mais sobre a trajetória da Via (VIIA3) e todo o cenário que colaborou para os resultados recentes da empresa — bem como do varejo brasileiro como um todo. Então use essas informações para avaliar a possibilidade de investir nessas ações e se elas são adequadas para a sua carteira no momento!

Quer contar com toda a estrutura de uma plataforma completa para seus investimentos — e com o suporte do Genial Analisa? Então abra agora mesmo sua conta conosco e seja Genial!

Genial Investimentos

Somos uma plataforma de investimentos que tem como objetivo facilitar o acesso ao mercado financeiro e ampliar a educação financeira no Brasil.

Ver todos os artigos
E-book Trader

Navegação rápida

O link do artigo foi copiado!

Planilha Comparativa de Renda Fixa