No momento de escolher um investimento para o seu portfólio, não é preciso se limitar às alternativas tradicionais da renda fixa e da renda variável. Os produtos estruturados também estão disponíveis, como o certificado de operações estruturadas. 

Chamado de COE, esse é um investimento que pode atender a diferentes perfis de investidor e estratégias. No entanto, é fundamental conhecê-lo em detalhes antes de tomar a decisão de alocação. 

Para aprender tudo o que é importante sobre o tema, continue a leitura e descubra o que é e como investir em COE! 

O que é o investimento em COE? 

Nos mercados dos Estados Unidos e da Europa, existe um investimento conhecido como notas estruturadas. A versão brasileira foi criada em 2014 e recebeu o nome de certificado de operações estruturadas (COE). 

Esse é um produto composto por diferentes ativos e derivativos, inclusive com a possibilidade de mesclar alternativas da renda fixa e da renda variável. É semelhante a um pacote com diferentes investimentos disponibilizados na forma de um só instrumento.  

Como funciona investir em COE? 

Conhecer o funcionamento do COE exige saber, antes de tudo, o que são operações estruturadas. Elas correspondem a operações financeiras que utilizam mais de um ativo ou produto financeiro.  

Portanto, trazem a possibilidade de unir investimentos de renda fixa e de renda variável e incorporar ativos ou derivativos. A diferença é que, no caso do COE, ele é um investimento emitido por instituições financeiras.  

Uma das características principais é que o COE apresenta a rentabilidade atrelada a um indicador ou ativo de referência. Ao mesmo tempo, os COEs têm ganhos e perdas limitadas. Ao investir, é possível conhecer qual é a perda máxima e qual poderá ser o limite de valor recebido ao final. 

É o caso de um COE que seja atrelado ao Ibovespa, por exemplo. Se ficar definido um rendimento máximo de 10%, você receberá esse retorno se o índice avançar 10% ou mais. Porém, note que se o Ibovespa subir 20% no período, seu ganho ficará limitado a 10%. 

As perdas também são controladas e, como você verá adiante, o máximo valor perdido, no pior cenário possível, é o montante alocado inicialmente. Além disso, o COE apresenta uma data de vencimento, que é o momento em que acontecerá o resgate de acordo com as condições acordadas.  

Quem desejar se desfazer do título antes do prazo deverá negociá-lo no mercado secundário. Como a venda é feita pelo preço de mercado, pode haver uma perda em relação ao rendimento que seria obtido ao levar o título até o vencimento. 

Quais são os tipos de COE disponíveis? 

Em relação à emissão, há dois tipos principais de COE. A diferença entre os produtos financeiros está no tipo de perda que pode acontecer, então os riscos também são afetados por essas características.  

O COE de valor nominal protegido prevê um investimento estruturado que garante, no mínimo, o pagamento do montante investido inicialmente. Logo, no pior cenário de perda, o que acontece é que você terá de volta o que aplicou inicialmente. 

Já o COE de valor nominal em risco não tem garantia, mas prevê que a perda máxima é o total investido. A escolha dependerá do nível de risco que você pretende assumir e também dos resultados que deseja obter. 

Como um certificado de operações estruturadas pode ser composto? 

Ao pensar na composição do COE, é fundamental saber que esse é um investimento que pode seguir diversas estratégias e, portanto, tem composições variadas. Um COE pode priorizar a aplicação em renda fixa e, ainda assim, direcionar recursos para aplicações no exterior, por exemplo. 

Também existem COEs mais conservadores e, até mesmo, certificados que focam em criptomoedas, buscando aproveitar a volatilidade dos ativos digitais. Essas são apenas algumas possibilidades, pois há uma grande variedade de estratégias. 

Portanto, de modo geral, é possível encontrar um certificado que esteja adequado ao seu perfil de investidor e aos seus interesses. 

Como é a tributação do COE? 

O pagamento de Imposto de Renda (IR) também deve estar entre as questões consideradas antes de investir em COE. Ele é investimento tributável, sobre o qual incide a tabela regressiva de IR. Logo, a alíquota aplicada diminui com o passar do tempo, até chegar a 15%.  

Veja como funcionam as faixas de IR: 

  • até 180 dias: 22,5%; 
  • de 181 a 360 dias: 20%; 
  • de 361 a 720 dias: 17,5%; 
  • acima de 720 dias: 15%. 

O valor é descontado na fonte no momento do resgate, assim como acontece em aplicações de renda fixa. Vale ressaltar que a alíquota incide apenas sobre os rendimentos, sendo que você receberá o total líquido em sua conta quando resgatar o COE.  

Quais são as vantagens de investir em COE? 

Considerando todas essas características, fazer um investimento estruturado via COE pode trazer benefícios. Essa é uma forma de se expor a alternativas da renda variável e, ao mesmo tempo, aproveitar os resultados da renda fixa. Isso pode ajudar a melhorar a rentabilidade geral do aporte. 

Ademais, é uma maneira de ter previsibilidade quanto aos possíveis ganhos ou perdas. Levando o título até a data de vencimento, você sabe exatamente o quanto receberá, em caso de sucesso. 

Todavia, se houver perdas, é possível proteger seu capital ou, no mínimo, limitar o quanto elas comprometerão as suas finanças. Graças às estratégias diferenciadas, o COE também pode ser uma alternativa para quem deseja diversificar a carteira

Quais são os riscos envolvidos? 

Ao mesmo tempo, o COE tem riscos que não devem ser ignorados. Primeiro, há um risco de crédito do emissor, pois a instituição pode não conseguir fazer o pagamento. Saiba que, nesse tipo de investimento, não há proteção do fundo garantidor de crédito (FGC)

Além disso, há o risco de mercado que incide sobre ativos e derivativos que compõem o COE. Outro fator que deve ser considerado é o risco de liquidez, pois não costuma existir a possibilidade de resgate antecipado sem depender do mercado secundário.  

Como investir em COE? 

Para investir no certificado de operações estruturadas é essencial avaliar seu perfil de investidor, pois sua tolerância de risco deve estar alinhada à estratégia adotada do investimento estruturado. Seus objetivos também devem ser adequados ao prazo de investimento. 

Feito isso, é preciso abrir uma conta em uma corretora de valores. Os COEs ficam disponíveis na plataforma da instituição, então é importante escolher uma corretora que conte com esse certificado entre seus produtos financeiros. 

Agora que você sabe como o certificado de operações estruturadas funciona, é possível considerar o investimento para a sua carteira. Porém, antes de fazer aportes, avalie se a alternativa é adequada ao seu perfil e objetivos financeiros para tomar decisões mais acertadas.  

Quer ter acesso a diversos tipos de investimento para compor a sua carteira? Abra sua conta na Genial Investimentos e comece a investir!

Comentários