Ao falar dos homens mais ricos do mundo, é quase impossível não citar o nome de Mark Zuckerberg. Além de estar à frente de duas das maiores redes sociais do mundo, ele tem uma carreira consolidada e é uma referência quando se fala em tecnologia.

Com sua fama e popularidade, a história de Mark Zuckerberg desperta curiosidade em muitas pessoas que querem saber como ele construiu esse império nas redes sociais. Inclusive, vale destacar que o bilionário pode ter mais empresas do que você imagina.

Para apresentar mais sobre o fundador do Facebook, nós, da Genial, preparamos este material. Neste artigo, você saberá mais sobre a história de Mark Zuckerberg, seus negócios e sua fortuna.

Infográfico Mark Zuckerberg

Infográfico Mark Zuckerberg

Mark Zuckerberg é um dos maiores empresários de tecnologia e dono de uma das grandes fortunas do planeta, estimada em mais de 100 bilhões de dólares em 2023.

Veja a trajetória de Mark Zuckerberg e seus principais investimentos!

1996

Com apenas 12 anos, Zuckerberg criou um sistema chamado “ZuckNet” para a comunicação entre computadores em sua casa e o escritório de seu pai.

Trata-se de um programa de mensagens instantâneas, com a linguagem de programação Atari BASIC, e possibilitou a conexão e o compartilhamento de dados entre computadores.

2001

No ensino médio, Mark trabalhou no desenvolvimento do Synapse Media Player.

Ele usava inteligência artificial para aprender as preferências musicais do usuário e criar playlists personalizadas automaticamente.

2002

Mark Zuckerberg iniciou seus estudos em Harvard, uma das mais prestigiadas e renomadas universidades de todo o mundo.

O foco da sua graduação era psicologia e ciências da computação. A sua habilidade em programação se tornou conhecida rapidamente.

2003

Em seu segundo ano de faculdade, ele desenvolveu uma ferramenta chamada “CourseMatch”. Ela possibilitava que estudantes definissem suas disciplinas com base naquelas escolhidas de colegas, facilitando a criação de grupos.

2003

Ainda na faculdade, ele criou outra plataforma: o FaceMash. O programa comparava fotos de estudantes da universidade lado a lado e permitia que os usuários escolhessem qual deles era mais atraente. Entretanto, ele gerou polêmicas e logo foi desativado.

2004

 Junto com Andrew McCollum, Eduardo Saverin, Chris Hughes e Dustin Moskovitz, Zuckerberg lançou o “The Facebook”. Essa era uma rede social para estudantes de Harvard se conectarem.

No mesmo ano, o sucesso do The Facebook se expandiu para outras universidades e Zuckerberg se mudou para o Vale do Silício, na Califórnia, abandonando a faculdade.

2004-2012

O Facebook cresceu e se consolidou como uma das maiores empresas de tecnologia do mundo. A companhia abriu seu capital na Nasdaq em 2012, sendo um dos IPOs mais aguardados daquele ano.

2012

Em um acordo bilionário, o Facebook comprou o Instagram, expandindo sua plataforma de redes sociais.

2014

Em um investimento de quase 20 bilhões de dólares, Zuckerberg comprou o WhatsApp, um dos principais apps de mensagem do mundo.

2015

Junto de sua esposa Priscilla Chan, com quem está desde 2003, Zuckerberg lançou a empresa Chan Zuckerberg Initiative. O foco da companhia é o investimento estratégico focado em saúde, educação e desenvolvimento social ao redor do mundo.

2021

O Facebook mudou seu nome para Meta Platforms, com objetivo de se posicionar na vanguarda de exploração e desenvolvimento do metaverso, levando a realidade virtual e aumentada para o próximo patamar.

2023

Zuckerberg e Meta lançaram sua nova rede social: o Threads. O foco é oferecer uma concorrência à plataforma X (antigo Twitter).

Quem é Mark Zuckerberg?

Mark Zuckerberg, informalmente chamado de Zuck, é um empreendedor norte-americano e um dos nomes mais influentes na indústria da tecnologia. Ele é o cofundador, diretor executivo e acionista controlador do Facebook — também conhecido em 2023 como Meta Platforms ou apenas Meta.

A projeção e o sucesso de Zuckerberg aconteceram a partir da criação e expansão do Facebook. Inicialmente pensado como um projeto para conectar estudantes de Harvard, ele cresceu para outras universidades e, depois, para o público geral.

Sob a liderança de Zuckerberg, o Facebook se tornou uma das maiores e mais dominantes redes sociais do mundo. Ele desempenhou um papel crucial na direção estratégica da empresa, no desenvolvimento de produtos e na aquisição de outras plataformas importantes.

Ao longo de sua carreira, Zuckerberg foi uma figura discreta e, ao mesmo tempo, controversa e com uma trajetória repleta de polêmicas. Mas, apesar dos desafios, ele permaneceu no comando da empresa e continuou a contribuir para moldar o futuro da tecnologia e das redes sociais.

Quais foram os primeiros passos de Mark Zuckerberg?

Zuckerberg nasceu em 14 de maio de 1984, na cidade de White Plains, Nova York. Ele é filho de Karen e Edward Zuckerberg, uma psiquiatra e um dentista. Mark tem três irmãs: Arielle, Randi e Donna.

Ele foi criado em um lar judaico reformista na cidade de Dobbs Ferry, vizinha a White Plains. Sua família é composta por imigrantes judeus da Áustria, Alemanha e Polônia.

Mark Zuckerberg cursou o ensino médio na Ardsley High School e, posteriormente, se transferiu para a Phillips Exeter Academy. Localizada no estado de New Hampshire, ela é uma das mais prestigiosas escolas dos EUA. Uma curiosidade é que Zuck foi capitão do time de esgrima.

Embora houvesse essa atenção para os esportes, sua predisposição era mesmo para a tecnologia. Antes mesmo da criação do Facebook e de toda a estrutura por trás da rede, Mark Zuckerberg sempre teve afinidade com computadores e programação em geral.

Quando tinha apenas 12 anos, Zuckerberg começou a criar pequenos jogos e programas com o computador que ganhou do seu pai. Tudo acontecia usando a linguagem de programação Atari BASIC.

Uma de suas criações foi o “ZuckNet”, um programa que enviava mensagens ao pai de Zuckerberg quando chegavam pacientes no consultório. O ZuckNet também permitia que os computadores de sua casa se comunicassem entre si, o que facilitava o compartilhamento de arquivos e mensagens.

Anos depois, ele trabalhou na construção do Synapse Media Player. O programa usava inteligência artificial para aprender as preferências musicais do usuário e criar playlists personalizadas automaticamente. Considere que isso ocorria ainda no início dos anos 2000.

As experiências com tecnologia e programação podem ter sido fatores relevantes para Mark Zuckerberg ser aceito na Universidade de Harvard, em 2002. Ela é uma das mais tradicionais e respeitadas instituições de ensino do mundo.

Mark Zuckerberg fez faculdade?

Até aqui, você acompanhou que Mark Zuckerberg foi admitido na Universidade de Harvard logo após o fim do ensino médio. Na instituição, ele estudou psicologia e ciências da computação e, logo cedo, ganhou a reputação de prodígio da computação em sua turma.

Em Harvard, ele continuou suas experiências com o desenvolvimento de sistemas. Zuckerberg criou uma plataforma chamada “CourseMatch”, que permitia que os estudantes se inscrevessem em cursos com base nas seleções de outros alunos.

O foco do programa era facilitar a escolha de cursos e permitir a criação de grupos entre os alunos. A criação aconteceu em seu sophomore year, como é conhecido o segundo ano de faculdade nos Estados Unidos.

Mark Zuckerberg também desenvolveu outro programa significativo durante seu tempo na faculdade, chamado de “Facemash”. O sistema comparava fotos de estudantes da universidade lado a lado e permitia que os usuários escolhessem qual deles era mais atraente.

As fotos foram retiradas dos diretórios online das casas dos estudantes da universidade, sem o consentimento das pessoas envolvidas. Isso gerou polêmicas e reclamações sobre violação de privacidade, fazendo com o que o Facemash fosse tirado do ar.

Entretanto, apesar de ter iniciado sua faculdade, Zuckerberg não tem diploma de graduação. Ele abandonou Harvard em 2004 para focar no desenvolvimento e expansão da sua principal criação: o Facebook.

Como a ideia do Facebook surgiu?

O principal projeto de Zuckerberg, até então, é o Facebook. Apesar de ter se tornado a maior rede social do mundo e estar entre as mais impactantes, o seu início foi tímido e ocorreu entre os corredores de Harvard.

A plataforma foi lançada em 2004 por Zuckerberg e seus colegas de quarto Andrew McCollum, Eduardo Saverin, Chris Hughes e Dustin Moskovitz. Saverin, inclusive, é brasileiro e foi criado em Miami, na Flórida.

A plataforma chamada de “The Facebook” destinava-se a ser um diretório online que permitia aos estudantes de Harvard se conectarem e interagirem entre si. Ou seja, ela foi uma espécie de evolução daquilo que Mark desenvolveu com o Facemash.

O sucesso inicial do The Facebook em Harvard incentivou Zuckerberg e sua equipe a expandir a plataforma para outras universidades nos Estados Unidos. O foco da primeira expansão eram outras instituições de prestígio, como Yale, Columbia e Stanford.

Com o tempo, o Facebook se tornou disponível para o público em geral, permitindo que pessoas de diferentes partes do mundo se conectassem e compartilhassem informações. A partir daí, ele já se posicionava como uma das maiores redes sociais do mercado à época.

Ainda em 2004, Zuckerberg e seu time se mudaram para Palo Alto, Califórnia, no coração do Vale do Silício. A mudança foi importante para aproximar a equipe do centro da indústria de tecnologia dos EUA e de investidores.

À medida que o Facebook crescia em popularidade, Zuckerberg conseguiu obter investimentos significativos de várias empresas de capital de risco. Ele também negou diversas ofertas de compra da empresa que aconteceram nos anos seguintes.

Como ocorreu a evolução da rede social?

Ao longo do tempo, o Facebook expandiu seus serviços e recursos, incluindo o lançamento de funcionalidades, como o Messenger. Ainda, a empresa se destacou na aquisição de outras plataformas, como Instagram.

Essas operações expandiram a presença e a influência do Facebook no cenário das redes sociais e de comunicação online. A oferta pública inicial (IPO) da empresa aconteceu em 2012, sendo um dos mais aguardados daquele ano.

Desde então, as ações da empresa são negociadas na Nasdaq, uma das maiores bolsas de valores do mundo e conhecida pela sua relação com as big techs. Diversas outras empresas da área, como Amazon e Google (Alphabet), estão listadas lá.

Além da rede social principal, o Facebook lançou outros produtos e serviços, como gadgets. Dentre eles, um dos destaques são os óculos de realidade virtual, que propõem experiências digitais imersivas para os usuários.

No entanto, em 2021 a empresa viveu sua mudança mais significativa até então. Ali, Zuck anunciou a decisão de mudar o nome da empresa de Facebook, Inc. para Meta Platforms, Inc. Essa mudança de nome refletia a evolução da visão da companhia e suas ambições para o futuro da tecnologia.

A escolha do nome se relaciona diretamente ao objetivo da empresa de construir um “metaverso”. Esse é um ambiente virtual tridimensional que integra realidade virtual (VR) e realidade aumentada (AR) para oferecer uma experiência compartilhada e imersiva para os usuários.

A ideia é criar um espaço virtual onde as pessoas possam se encontrar, socializar, trabalhar, aprender e se divertir como se estivessem fisicamente presentes, mas usando tecnologias digitais. A decisão representou um movimento estratégico da empresa para se destacar entre as big techs.

Quais são as empresas de Zuckerberg com a Meta?

Até aqui, você já entendeu que a Meta Platforms surgiu com o reposicionamento do Facebook, correto? Com essa alteração, ela passou a ser uma holding que une as diferentes frentes de atuação do grupo.

Veja as empresas às quais Mark Zuckerberg está relacionado como controlador ou acionista majoritário!

Facebook

Para falar sobre as empresas de Zuckerberg e da Meta, vale a pena começar com aquela que deu o pontapé inicial ao grupo. O Facebook é uma das maiores e mais populares redes sociais do mundo, com bilhões de usuários ativos mensais.

Como você viu, ele foi criado em 2004 com foco em conectar alunos de Harvard. Contudo, ele se tornou uma plataforma revolucionária, que mudou a forma como as pessoas se conectam, compartilham informações e interagem online.

Inicialmente, o feed era o ponto central do Facebook, que é onde os usuários veem as atualizações de status, fotos, vídeos e links compartilhados por seus amigos e páginas. O algoritmo do Facebook personaliza o conteúdo exibido para cada usuário com base em suas interações.

Ao longo dos últimos anos, a força da rede passou a estar mais presente nos grupos. Com eles, os usuários podem participar e interagir em comunidades com interesses comuns, desde notícias até vendas.

Inclusive, o Marketplace é outro destaque da evolução do Facebook. Por meio dele, os usuários podem comprar e vender itens localmente, tornando a rede um espaço para comércio eletrônico entre os membros da comunidade.

Instagram

O Instagram é outra empresa que pode ser vista como um carro-chefe de Zuckerberg e da Meta. A rede social foi lançada em 2010 e seu foco era o compartilhamento de fotos.

Em 2012, o Facebook fez uma das aquisições mais significativas em sua história ao comprar o Instagram. O acordo foi bilionário e trouxe a rede social para a holding, criando integração com o Facebook.

Nos últimos anos, o Instagram passou por diversas mudanças. O recurso Stories, por exemplo, permite que os usuários compartilhem fotos e vídeos temporários que desaparecem após 24 horas e foi inspirado no Snapchat.

Já o IGTV é uma plataforma de vídeo dentro do Instagram que permite aos usuários compartilhar vídeos mais longos. Ainda, há os Reels, uma ferramenta de vídeos curtos pensada para competir com o popular TikTok.

WhatsApp

Outro investimento relevante de Zuckerberg foi o WhatsApp. Fundado em 2009, ele rapidamente se tornou um dos aplicativos de mensagens mais populares e utilizados em todo o mundo. A simplicidade, eficiência e custo zero para enviar mensagens atraíram muitos usuários.

À medida que crescia em popularidade, o WhatsApp expandiu seus recursos para incluir não apenas mensagens de texto, mas também chamadas de voz e vídeo, compartilhamento de fotos, vídeos, documentos e mais.

A solução despertou o interesse de Mark e a plataforma foi comprada pelo Facebook em 2014 por quase 20 bilhões de dólares. A aquisição permitiu à empresa entrar no mercado de mensagens instantâneas e se expandir mais em dispositivos móveis.

Threads

Em 2023, Zuckerberg trouxe uma nova adição ao portfólio da Meta: o Threads. Ele se apresentou como um complemento ao Instagram. Nele, os usuários podem compartilhar textos, imagens e enviar mensagens.

O Threads é uma plataforma projetada para proporcionar aos usuários uma experiência similar ao X (antigo Twitter). Ele se concentra em postagens públicas baseadas em texto, possibilitando conversas e compartilhamento em tempo real.

Quais são os outros negócios de Zuckerberg?

Além da Meta e das redes sociais, Zuckerberg tem outros negócios. Junto de sua esposa, Priscilla Chan, ele lançou a Chan Zuckerberg Initiative (CZI) em 2015.

O objetivo da organização é promover o avanço da igualdade, educação, ciência e potencial humano. A CZI é orientada para a resolução de problemas, investindo recursos financeiros, expertise e parcerias em áreas-chave.

A iniciativa apoia pesquisas científicas e médicas para avançar o conhecimento sobre doenças, desenvolver tratamentos e impulsionar a cura de doenças graves. Ainda, a organização trabalha para melhorar a educação em áreas que demandam mais desenvolvimento.

Já a tecnologia, especialidade de Zuckerberg, é igualmente considerada na operação da CZI. A organização trabalha para conectar comunidades remotas e carentes de infraestrutura de rede à internet, permitindo o acesso a informações e recursos.

Como é a vida pessoal dele?

Mark Zuckerberg é casado com Priscilla Chan, uma pediatra e filantropa, desde maio de 2012. Eles se conheceram enquanto estudavam em Harvard e começaram a namorar em 2003. Em 2010, eles ficaram noivos e posteriormente se casaram em uma cerimônia íntima em sua casa em Palo Alto.

O casal tem três filhas:

  • Maxima Chan Zuckerberg (2015);
  • August Chan Zuckerberg (2017);
  • Aurelia Chan Zuckerberg (2023).

Quanto aos hobbies, ele é conhecido por seu entusiasmo pela tecnologia e inovação. Além de seu trabalho como líder da Meta, Zuck está envolvido em projetos de desenvolvimento de produtos, como a realidade virtual e a inteligência artificial.

As lutas são outra paixão do empreendedor. Mark Zuckerberg é um praticante de jiu-jitsu e compartilha sua evolução em redes sociais, já tendo participado de torneios e ganhado medalhas. O surfe é outro hobby no mundo dos esportes.

Qual é o patrimônio estimado de Zuckerberg?

O nome de Mark Zuckerberg é quase um sinônimo para tecnologia e redes sociais. Tamanho sucesso de seus empreendimentos na área possibilitaram que ele construísse uma fortuna significativa.

De acordo com a Forbes, o seu patrimônio era de 110 bilhões de dólares em julho de 2023. A quantia o posicionou como uma das 10 pessoas mais ricas do mundo, junto a outros nomes da tecnologia, como Elon Musk, Jeff Bezos e Bill Gates.

Quais são as polêmicas de Mark Zuckerberg?

O seu grande sucesso no mundo dos negócios não livrou Zuckerberg de enfrentar polêmicas e controvérsias. Muitas delas, inclusive, afetaram a reputação do Facebook e da Meta.

Saiba mais!

Propriedade intelectual

Em seus primeiros anos, Mark Zuckerberg enfrentou uma disputa legal com os gêmeos Cameron e Tyler Winklevoss, junto a Divya Narendra. Os três eram cofundadores do ConnectU, originalmente chamado de HarvardConnection.

Eles acusaram Zuckerberg de roubar suas ideias e código-fonte para criar o Facebook. A disputa foi resolvida fora dos tribunais em 2008. O Facebook concordou em pagar uma quantia em dinheiro e ações para encerrar o caso.

Ademais, o Facebook esteve envolvido em ações judiciais relacionadas à violação de patentes. A empresa foi processada por outras companhias de tecnologia que alegavam que a rede social infringiu suas patentes em recursos específicos da plataforma.

Privacidade e segurança de dados

Zuckerberg e suas redes sociais lidam constantemente com a problemática de segurança de dados. Um dos mais notórios escândalos de privacidade do Facebook ocorreu em 2018, com a relação com a empresa Cambridge Analytica.

Ela teria obtido de modo não autorizado dados pessoais de milhões de usuários do Facebook. As informações foram usadas para criar perfis psicográficos e segmentar anúncios políticos personalizados durante as eleições.

O Facebook também foi acusado de compartilhar informações de usuários com terceiros sem o devido consentimento. Isso levantou questões sobre a transparência das práticas de compartilhamento de dados e como eles são usados fora da rede social.

Desinformação e discurso de ódio

As fake news são outro ponto crucial em polêmicas. Zuckerberg e o Facebook enfrentaram diversos desafios acerca da propagação de notícias falsas e discurso de ódio em suas plataformas.

Para combater a disseminação de fake news, o Facebook implementou várias iniciativas, sendo uma delas o fact-checking. Quando uma notícia é classificada como falsa ou enganosa por uma organização de checagem de fatos, a rede toma medidas para reduzir a distribuição desse conteúdo.

Como são os investimentos do fundador do Facebook?

Ao contrário de outros grandes bilionários e investidores, como Warren Buffett, a fortuna de Mark Zuckerberg foi construída majoritariamente por meio do empreendedorismo. Inclusive, ele costuma comentar mais sobre suas movimentações na Meta que na sua carteira pessoal.

Entretanto, ele também tem investimentos relevantes feitos fora do seu lado empreendedor. Por exemplo, Zuckerberg é um investidor-anjo. Ou seja, ele aloca capital próprio em empresas em estágio inicial ou startups em troca de participação acionária nelas.

Os investimentos são feitos a partir da companhia que ele comanda com sua esposa, a CZI. Geralmente, o foco das movimentações está nas inovações no âmbito tecnológico, mas outras áreas chamam atenção.

Um dos grandes investimentos de Zuck e sua esposa foi no Chicago Biohub. Ele surgiu a partir de uma parceria entre a Universidade Northwestern, a Universidade de Chicago e a Universidade de Illinois em Urbana-Champaign.

O trabalho desenvolvido se concentra em tecnologias de engenharia para fazer medições precisas ao nível molecular de processos biológicos em tecidos humanos. O objetivo é entender e tratar diversas doenças.

Zuckerberg também está vinculado à ICONIQ Capital, uma empresa dos Estados Unidos especializada em gestão de fortunas e que opera como um family office.

Quais lições são possíveis aprender com Zuckerberg?

A trajetória de Mark Zuckerberg pode deixar lições valiosas para você, seja com empreendedorismo ou investimentos. Uma das principais é se dedicar a uma paixão.

Como foi possível perceber, Zuck desde cedo mostrou apreço e facilidade para entender tecnologias. Assim, ele direcionou sua carreira para essa área e manteve investimentos em redes sociais, já que havia desenvolvido grande expertise no setor.

Outro destaque é o foco no longo prazo. Zuckerberg tomou uma decisão ousada com a transição do Facebook para Meta, mas o objetivo é colher resultados no futuro, a partir do crescimento do metaverso e da inteligência artificial.

A adaptação é outro ponto de destaque. Zuckerberg, seu time e sua família demonstram agilidade para perceber tendências e fazer mudanças em estratégias quando necessário.

É possível investir nas empresas de Mark Zuckerberg?

Após entender os principais detalhes sobre a história de Mark Zuckerberg, é importante saber que há como investir em suas empresas. Afinal, a Meta é uma companhia de capital aberto e com ações listadas na Nasdaq.

Assim, para você investir diretamente, é preciso abrir uma conta de investimentos nos EUA e comprar os ativos. Contudo, vale ressaltar que esse caminho pode envolver mais custos, em especial pela necessidade de fazer a conversão cambial.

Na bolsa brasileira, a B3, há uma alternativa que pode ser mais prática. O brazilian depositary receipt (BDR) M1TA34 é um certificado que está lastreado nas ações da empresa, possibilitando que investidores brasileiros se exponham indiretamente à companhia.

Mas, seja qual for o caminho, é preciso que o investimento esteja alinhado com seu perfil de investidor e objetivos financeiros. Analise as características da empresa e identifique se aproveitar essa oportunidade pode ser estratégico para seu planejamento.

Mark Zuckerberg é um empresário que já colocou seu nome na história da tecnologia e é visto como um dos grandes inovadores desse mercado. Neste artigo, você conferiu mais sobre a trajetória dele e como ele alcançou tal patamar. Se tiver interesse, é possível até investir em sua principal companhia.

Quer fazer investimentos na bolsa de valores e fora dela? Abra sua conta na Genial!

Como investir na Meta?

Para investir na holding de Zuckerberg você pode recorrer a duas possibilidades:

Agora você já sabe como Mark Zuckerberg se tornou um dos mais ricos do mundo e referência quando se fala em tecnologia.

Fazer investimento direto: Abrir conta nos EUA e comprar as ações direto na Nasdaq. Contudo, o processo pode ampliar a burocracia e elevar os custos operacionais.BDR M1TA34 Listado na bolsa brasileira, a B3, esse certificado está lastreado nas ações da empresa e pode ser um investimento mais prático para quem está no Brasil.
Genial Investimentos - Abra sua conta

Genial Investimentos

Somos uma plataforma de investimentos que tem como objetivo facilitar o acesso ao mercado financeiro e ampliar a educação financeira no Brasil.

Ver todos os artigos
Campanha Institucional - Ativação - Abra sua conta

Navegação rápida

O link do artigo foi copiado!