Mesmo quem não conhece muito sobre investimentos já deve ter ouvido falar do bitcoin, uma moeda digital — ou criptomoeda. Ele ganhou bastante popularidade no Brasil e no mundo nos últimos anos, devido à sua intensa valorização.

Nesse sentido, muitos se perguntam o que são os criptoativos e se vale a pena investir ou operar com eles. Esses ativos virtuais apresentam particularidades importantes, que os diferenciam e geram riscos que devem ser conhecidos.

Se você busca entender melhor sobre as criptomoedas, gostará do artigo que nós, da Genial, preparamos. Continue a leitura, entenda o histórico das moedas virtuais, saiba como investir nos ativos e descubra quais os riscos dessa operação!

Criptoativos: o que são?

Há alguns anos, as moedas digitais eram um assunto particularmente restrito a pessoas jovens e com grande conhecimento de tecnologia. Mas, atualmente, elas atraem o interesse de diferentes indivíduos.

As possibilidades envolvem desde a transferência de recursos, como no caso do bitcoin, até  a criação de processos mais complexos, como empréstimos. Com o crescimento da percepção de valor, muitas pessoas procuram informações sobre os criptoativos para saber como obter rendimento com eles.

Mas, afinal, o que são criptoativos? São ativos cujos registros de compra, venda, transferência, criação ou destruição dependem da validação de 50%+1 dos usuários conectados à rede.Uma criptomoeda funciona como a nossa moeda cotidiana, diferenciando-se por ser 100% digital e descentralizada.  

As criptomoedas foram criadas exatamente para permitir transações financeiras sem a mediação de instituições bancárias. O bitcoin, por exemplo, surgiu durante a crise econômica do mercado imobiliário, escancarada em 2008, quando as pessoas estavam descrentes de instituições financeiras tradicionais.

Confira mais detalhes sobre os criptoativos:

Descentralização

Os ativos virtuais funcionam com uma tecnologia de registro descentralizada. É como se houvesse um livro-razão, distribuído por uma rede de computadores pelo mundo.

Sendo assim, as transações só são validadas após 50%+1 dos computadores confirmarem sua veracidade, método denominado consenso. O sistema, em função de suas caracteríticas, torna-se muito seguro, pois é mais difícil burlar informações contidas em múltiplos computadores do que em um só.

Proteção por blockchain

Outro ponto que devemos destacar é que os criptoativos são protegidos pela tecnologia blockchain. As transações realizadas são reunidas em blocos, e cada bloco novo se encadeia ao anterior, formando uma corrente de blocos ou blockchain.

Com isso, os dados armazenados não podem ser alterados ou excluídos, protegendo essas operações. O registro e a validação de transações na blockchain são feitos por participantes dessa rede, que recebem o nome de mineradores — por prestarem esse serviço, os mineradores recebem novas unidades de moeda e taxas de transação.

Saiba Mais: O que é blockchain e qual sua relação com as criptomoedas?

Anonimato

Quem possui e negocia esses ativos fica com a identidade preservada. Para fazer as operações, essas pessoas utilizam senhas (chave privada) nas plataformas eletrônicas, chamadas exchanges. Por conta da criptografia, tudo funciona de um modo quase que totalmente anônimo.

Com isso, nenhuma das partes precisa revelar qualquer dado, o que fica registrado é apenas a transação na blockchain. Assim, o usuário precisa ser organizado para não perder seus dados de acesso. Caso isso ocorra, ele não consegue mais acessar as moedas que possui.

Como surgiram as criptomoedas no mundo?

O surgimento das primeiras criptomoedas teve relação com o movimento cyber anarquista. Diversas pessoas apoiaram o processo de criar possibilidades para além do sistema financeiro regulamentado em um país.

Assim, entre as características de uma criptomoeda, está o fato de ser descentralizada, únicae transferível. É possível minerar moedas, transferir ou realizar pagamentos entre diversas partes do mundo de maneira simples.

Cada vez mais, as criptomoedas passaram a ser aceitas para pagamentos de produtos e serviços. Além disso, podem ser usadas para fazer transferências, inclusive internacionais.

Em alguns casos, a quantidade de criptomoedas é limitada. Por exemplo, o bitcoin possui no máximo  21 milhões de unidades. Para outras criptomoedas, essa quantidade máxima pode variar. A ideia é controlar a oferta para manter o preço do ativo.

Bitcoin

Entre as centenas de criptoativos existentes, o bitcoin ou BTC — a primeira moeda digital criada — é a mais famosa. Devido à rentabilidade alcançada em alguns períodos, ela atrai o olhar de muitas pessoas, mesmo de quem ainda não ingressou no universo dos investimentos.

No início, chamava a atenção principalmente de quem é mais jovem, por conta do seu aspecto virtual. Entretanto, tem ganhado cada vez mais adeptos, mesmo do mercado tradicional. A criptomoeda apareceu em 2008, sendo atribuída a alguém com pseudônimo de Satoshi Nakamoto.

Ela se tornou mais conhecida em 2013, quando seu preço era de US$ 13. Já em janeiro de 2014, a cotação do BTC atingiu US$ 770, demonstrando uma rentabilidade de 5.823% em um curto espaço de tempo. Por conta disso, a criptomoeda passou a receber destaque nos noticiários.

Com o aumento da procura, ela passou por muita valorização — ainda que tenha enfrentado desvalorizações pontuais. A moeda chegou a atingir o preço de US$ 19 mil em 2017 e ultrapassou os US$ 60 mil em 2021.

Outras criptomoedas

Até aqui explicamos como surgiu e como funciona o bitcoin, que foi o precursor das criptomoedas. No entanto, é importante destacar outros criptoativos, como:

  • Ethereum (ETH);
  • Bitcoin Cash (BCH);
  • Litecoin (LTC);
  • Ripple (XRP);
  • Dash (DASH);
  • Tether (USDT).

Como se deu o crescimento das criptomoedas no mercado mundial e brasileiro?

Ao longo do tempo, as criptomoedas foram crescendo e surgiram outras possibilidades além do bitcoin. Cada uma tem funcionamento e regras próprias, ainda que algumas possam aproveitar aspectos da tecnologia da primeira moeda.

Apesar de desvalorizações pontuais, as cotações seguem chamando atenção. Em março de 2020, por conta das incertezas da pandemia, o BTC teve uma desvalorização de 50%, por exemplo. Contudo, apresentou uma forte e rápida recuperação.

Como funcionam de forma independente, sem a intervenção de instituições e governos, as criptomoedas estão quase que única e exclusivamente expostas à lei de oferta e demanda. Assim, sua cotação aumenta e diminui de acordo com o crescimento de usuários e investidores.

O crescimento do interesse tem acontecido em todo o mundo, com mais informações chegando à população. Além disso, o fato de as moedas digitais passarem a ser cada vez mais utilizadas como meios de pagamentos mostra sua popularização e contribui para sua valorização e aceitação.

O que são ICOs?

Ao falar sobre criptoativos é impossível não citar os ICOs. Com a possibilidade de ter a confiabilidade assegurada por conta da rede distribuída de computadores, enxergou-se um potencial maior dessa tecnologia. Assim, surgiram os ICOs (Initial Coin Offerings) ou oferta inicial de ativos virtuais.

Eles funcionam como o IPO (oferta pública inicial) na Bolsa de Valores. Isso atraiu empresas e projetos nascentes que perceberam como o ICO poderia ser um meio interessante de captar recursos entre as pessoas, emitindo, em troca, os ativos virtuais para esses investidores.

Nesse caso, estamos falando de criptoativos chamados de tokens (uma forma de concessão específica de direitos aos seus detentores), que podem ser de duas categorias:

  • concessão de acesso a um serviço, projeto ou plataforma de uma companhia, como uma licença de uso ou disponibilização de créditos;
  • concessão de direitos em participação dos resultados da empresa ou sobre um rendimento em relação ao dinheiro que foi investido.

Quais as vantagens de investir em criptoativos?

Investir em criptoativos pode trazer algumas vantagens para o investidor, como:

  • agilidade na transferência dos ativos digitais, facilitando o envio ou recebimento dos valores;
  • transação entre países facilitada, pois há menos encargos e a conclusão da operação é mais rápida;
  • sigilo da identidade do indivíduo por trás das operações, evitando vazamento de dados e garantindo a privacidade;;
  • mercado ainda incipiente e com grande potencial de valorização;
  • investimento em uma tecnologia disruptiva com potencial de crescimento.

Quais os riscos dos criptoativos?

Apesar da possibilidade de alto retorno e de não ter a intermediação do governo nem de outras instituições, é preciso entender que os criptoativos podem trazer riscos aos investidores. Assim, é necessário agir com cautela nesse mercado de ativos virtuais.

Conheça alguns riscos:

Falta de regulamentação

A questão do anonimato e da possibilidade de livre transações, independentemente de fronteiras, traz o perigo de lavagem de dinheiro, evasão fiscal e outras fraudes. Em função da lacuna regulatória, uma eventual proibição ou restrições legais podem prejudicar o ativo no futuro.

Não ser regulamentado não significa que é ilegal investir em bitcoin ou em outras moedas. É possível fazer isso e há, inclusive, legislação tributária sobre o assunto: a Instrução Normativa RFB nº 1.888.

No entanto, as instituições que negociam criptoativos não seguem regras oficiais pela falta de legislação específica. Para ter mais segurança, é possível buscar alternativas, como os fundos — que você conhecerá neste conteúdo.

Volatilidade

É preciso prestar atenção também à alta volatilidade, que pode trazer perdas consideráveis no curto prazo. Como qualquer moeda, a cotação dos criptoativos oscila bastante.

Liquidez

Outra questão é o risco de liquidez, ou seja, não encontrar comprador para os criptoativos quando você desejar vendê-los. Para os maiores ativos, como ethereum e bitcoin, esse risco é baixo em função do alto volume. Entretanto, para moedas menores, é necessário redobrar a atenção.

Custódia dos criptoativos

Como funcionam em um sistema descentralizado, caso o usuário perca a sua chave privada, que concede acesso às suas criptomoedas, ele perderá os ativos. Além disso, algumas exchanges podem estar suscetíveis a ataques hackers, tornando necessário conhecer seus respectivos sistemas de segurança e ter alternativas para custodiar as criptomoedas fora delas.

Quem pode investir?

Depois de descobrir o que são criptoativos, você pode se perguntar: para quem são indicados? O primeiro aspecto antes da decisão é considerar os riscos. Logo, você deve ponderar se o seu perfil de investidor é arrojado o suficiente para o mercado.

Também é importante que você já tenha sua reserva de emergência e que parte do seu patrimônio esteja protegido em investimentos de baixo risco. Com isso, caso ocorra uma desvalorização forte desses ativos, sua carteira não sofrerá tanto impacto.

Como investir em criptoativos?

Para investir diretamente nesses ativos, é possível utilizar as exchanges, plataformas que realizam esse tipo de transação. Entretanto, pela falta de regulação e risco de custódia, as exchanges podem não ser a solução mais simples e segura para o investidor.

O que são fundos de criptomoedas?

Os fundos de investimentos podem ser uma alternativa com maior segurança institucional para investir em criptoativos. Isso porque eles são gerenciados e distribuídos por instituições regulamentadas. Logo, seguem regras e são fiscalizadas no Brasil.

Em 2019, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou a participação indireta dos fundos nas criptomoedas, permitindo que eles adquiram cotas de fundos estrangeiros atrelados às moedas virtuais ou a derivativos dessas moedas.

Além disso, os fundos também promovem maior manejo de risco, pois, além das moedas digitais, investem em outras possibilidades, como  aplicações de renda fixa, por exemplo, para equilibrar a volatilidade.

Portanto, quem deseja começar nesse meio sem ficar sujeito aos riscos das criptomoedaspode investir nos fundos de criptomoedas.

Na Genial Investimentos, você encontra os seguintes fundos de cripto:

Gostou de saber o que são os criptoativos e como você pode investir neles? É importante ter as informações para fazer escolhas com maior cuidado. Mesmo com a rentabilidade recorde apresentada pelo bitcoin, os riscos também são significativos!

Você pode começar a investir nos fundos de criptoativos. É só contar com a Genial. Abra uma conta gratuita conosco e invista com tranquilidade!

Comentários