Você sabe como funciona o mercado de ações? Essa pergunta é muito pertinente no mundo dos investimentos, pois as aplicações financeiras de renda variável (ações na bolsa, commodities etc) são as que apresentam maior rentabilidade no mercado financeiro. Por outro lado, essas alternativas são as que apresentam maior risco. Diante disso, é necessário ter conhecimento sobre o assunto para evitar prejuízos.

Está com dúvida sobre como funciona essa atividade e quer saber mais sobre o assunto? Neste artigo explicaremos detalhadamente como funciona o mercado de ações, o porquê de as empresas venderem esses ativos, informaremos como surgiu a Bolsa de Valores e sobre a situação atual dessa atividade. Vamos lá?

O que é o mercado de ações?

Trata-se do ambiente no qual as empresas de capital aberto negociam parte do patrimônio delas. As operações de compra e venda ocorrem, na maioria das vezes, em uma bolsa de valores. Porém, em algumas ocasiões, as transações podem acontecer em mercados de balcão. Nesse local, portanto, as companhias vendem ativos aos investidores.

Qualquer pessoa pode comprar ativos de uma companhia e, assim, adquirir partes de uma organização. Isso nem sempre significa, porém, que o indivíduo participará de todas as decisões da empresa. Isso vai depender do tipo de ação adquirida. Existem dois tipos de ativos, são eles:

  • ações ordinárias (ON): quem compra esse ativo tem poder de voto nas assembleias de acionistas, ou seja, pode ter participação nas decisões das empresas;

  • ações preferenciais (PN): o investidor que adquire esse papel tem preferência no momento da distribuição de lucros das companhias e no reembolso de capital.

O que são ações?

Elas fazem referência à menor parte do capital das empresas ou sociedades anônimas. Representam, portanto, pequenos pedaços da companhia que os emitiu. Os detentores desses papéis são os acionistas da empresa. Os sócios possuem os direitos e deveres de acordo com o número de ações que possuem

As ações são classificadas como investimento de renda variável. Isso porque a obtenção de dividendos depende do desempenho da empresa cujas ações foram adquiridas.

O mercado de ações pode sofrer variações devido a diversos fatores. O primeiro deles é a relação entre oferta e demanda. Quando há muitas pessoas querendo comprar uma ação, o preço tende a subir. Por outro lado, se muita gente desejar vender, o valor tende a cair.

Não podemos ignorar também o impacto de questões externas, como os movimentos políticos e econômicos de um governo ou de uma companhia importante internacionalmente. As bolsas de valores podem reagir de forma positiva ou negativa diante de notícias de impacto referentes a esses setores.

Vale destacar que quando se compra ativos de uma companhia, o investidor acredit que os papéis vão se valorizar e que, dessa maneira, conseguirá obter lucros com a aplicação. Caso o investidor avalie que o valor do ativo chegou ao patamar adequado ou atingiu o objetivo do investimento, ele pode vender as ações e desfrutar dos rendimentos provenientes dessa aplicação financeira.

Por que as empresas vendem ações?

As companhias entram no mercado de ações com a intenção de atrair novos investidores e conseguir recursos para financiar  diferentes projetos da empresa. Vale ressaltar que as organizações que decidem abrir o seu capital ganham mais visibilidade.

Quando a empresa opta por abrir o capital, ela pode emitir ações, debêntures, valores imobiliários, entre outras aplicações financeiras. Em todos os casos, o quadro acionário da organização está visível ao público e há possibilidade de fazer parte do quadro de sócios de alguma maneira.

Abrir o capital a investidores implica em vários deveres por parte das empresas. Elas devem pagar algumas taxas e necessitam atender exigências de transparência, como a divulgação de informações ao mercado.

O ponto positivo da abertura é que, quanto maior for o interesse por parte dos compradores, mais dinheiro as companhias arrecadarão e, consequentemente, maior será a valorização e lucros.

Como surgiu a Bolsa de Valores?

Em 1602, a Companhia das Holandesa das Índias Orientais criou a Bolsa de Amsterdã com a intenção de vender ações e financiar os seus empreendimentos comerciais na Ásia. Ela é considerada a mais antiga bolsa de valores do planeta. Naquela época ocorriam as negociações e, após, eram entregues comprovantes em papel dos ativos negociados por cada investidor.

As bolsas foram avançando e com a globalização, sofreram inúmeras transformações. Várias fusões, aquisições e parcerias entre as bolsas estão acontecendo ao redor do globo. Atualmente, não há barreiras geográficas, pois por meio do homebroker (sistema de negociação online disponibilizado pelas corretoras) é possível comprar ou vender ativos pela internet.

A Bolsas de Valores é um mercado na qual investidores em empresas se relacionam por meio da compra e venda dos ativos.

O principal objetivo da bolsa é garantir segurança nas transações. A instituição busca proporcionar um ambiente seguro para investidores garantindo que compra e venda ocorram de maneira segura e eficiente.

Quando surgiu a Bolsa no Brasil?

As primeiras bolsas no país foram criadas por volta de 1817. Inicialmente elas se instalaram no Salvador e no Rio de Janeiro (capital do Brasil na época). Em 1890, foi criada a Bolsa Livre, ela foi considerada o embrião da Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo). Em 1989, a Bolsa do Rio quebrou e desde então a Bovespa tornou-se a principal bolsa nacional.

Em 2008, a Bolsa de Valores de São Paulo abriu o seu capital e fez fusão com a BM&F (Bolsa de Mercadorias e Futuros). Nove anos depois, a BM&F Bovespa se juntou à Cetip (Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos Privados) e formou a B3.

Como está o mercado de ações hoje?

A B3 fechou o ano de 2018 com alta de 15% e a tendência é que continue em alta em 2019. Isso porque o governo atual pretende tomar medidas que favoreçam o mercado financeiro, como fazer privatizações de algumas estatais e prometer realizar a reforma da Previdência.

O mercado de ações pode apresentar elevadas rentabilidades aos investidores, no entanto, esse investimento é volátil e apresenta riscos. Portanto, antes de escolher um ativo é necessário estudar sobre investimentos financeiros e sobre a empresa na qual se pretende investir e, assim, conseguir desfrutar de lucros frequentes.

abra sua conta

Genial

Genial

A Genial é a plataforma de investimentos que está democratizando o acesso aos melhores produtos do mercado, de forma simples, ágil e eficiente, através de uma assessoria financeira isenta, transparente e qualificada.

Deixar um comentário