CDB 220% do CDI com liquidez diária.

A taxa DI é um dos indicadores mais importantes para quem investe — e é utilizado de diferentes formas. Devido a isso, é fundamental entender a composição do indicador, o que ele representa e, principalmente, como usá-lo. 

Essa taxa é especialmente relevante para a renda fixa. Mas, como você verá, pode ser usada como parâmetro em outras análises. Ao final, você poderá fazer análises mais completas e precisas após conhecer o índice. 

Neste artigo, nós, da Genial Investimentos, mostramos os pontos principais sobre a taxa DI e como ela funciona. Continue a leitura! 

O que é a taxa DI? 

A taxa DI é uma das taxas de juros praticadas nos empréstimos entre instituições financeiras. Ela deriva do que é conhecido como certificado de depósito interbancário ou interfinanceiro (CDI), praticado entre instituições bancárias. 

Por acompanhar de perto a Selic, que é a taxa básica de juros da economia, a taxa DI é um dos principais indicadores do mercado. Frequentemente ela também é chamada apenas de CDI, como já ficou conhecida. 

Como a taxa DI é calculada? 

No Brasil, as instituições financeiras não podem terminar o dia com caixa negativo. Essa é uma medida de segurança definida pelo Banco Central, para manter o sistema financeiro saudável e estável. 

Todos os dias, bancos que ficam com o caixa negativo podem recorrer ao mercado interbancário para fazer empréstimos com os bancos que têm sobra de caixa. 

Apenas instituições financeiras participam do mercado interbancário — que não sofre a incidência de impostos. Nesse ambiente, há duas formas básicas para os bancos tomarem dinheiro: os DIs (Depósitos Interbancários) e as operações compromissadas. 

Saiba mais! 

Depósitos Interbancários  

No primeiro caso, o banco que precisa do empréstimo emite um título de renda fixa, que é o CDI. Ele é similar ao certificado de depósito bancário (CDB) — que é um título de renda fixa disponível para investidores gerais. Já o CDI apenas bancos podem comprar. 

Assim, a taxa DI ou CDI corresponde à média das taxas de juros dos depósitos interbancários com prazo de um dia. Ou seja, é a remuneração média paga pelos bancos tomadores aos bancos emprestadores. 

Operações compromissadas  

As operações compromissadas são semelhantes ao CDI. Mas os bancos que tomam dinheiro colocam os títulos públicos que têm em carteira como garantia do empréstimo. Assim, os DIs têm maior risco, já que não contam com garantias.  

Já as compromissadas são mais seguras, pois a instituição emprestadora pode ficar com os títulos públicos em caso de calote. A taxa de juros média das operações compromissadas é a chamada Selic efetiva, uma taxa que normalmente difere da Selic meta, estabelecida pelo Banco Central. 

Qual a relação entre taxa DI e Selic? 

Como você viu, a taxa CDI guarda forte correlação com a taxa Selic. Porém, não são exatamente idênticas — o CDI é ligeiramente inferior à Selic. 

Isso ocorre porque, se o CDI fosse maior que a Selic, os bancos optariam por vender seus títulos públicos e gerar caixa em vez de pegar empréstimos por meio do CDI. Portanto, o DI simplesmente não seria utilizado. 

Assim, os bancos que têm sobras de caixa aceitam receber menos que a Selic para que o empréstimo por meio do CDI seja vantajoso para os tomadores. 

Além disso, o CDI é usado para remunerar investidores. Então também é do interesse dos bancos que emprestam manter a taxa baixa. Do contrário, receberiam mais, mas pagariam remunerações maiores em seus próprios títulos. 

Como a quantia que os bancos devem é consideravelmente maior do que o que têm a receber no mercado de depósitos interbancários, é interessante manter a taxa DI baixa. 

Como a taxa DI afeta os investidores brasileiros? 

A taxa DI não faz parte apenas dos interesses dos bancos. Como vimos, ela também é uma importante referência para a rentabilidade de investimentos de renda fixa. E até de muitos fundos de investimento. 

Entre as opções do mercado financeiro, os títulos privados de renda fixa geralmente remuneram um percentual da taxa CDI quando são pós-fixados. Ademais, diversos tipos de fundos procuram acompanhar ou superar esse indicador. 

O rendimento no caso dos investimentos de renda fixa é dado em porcentagem. Então, uma LCI que paga 90% do CDI tem como rentabilidade o percentual designado da taxa DI diária. Se um CDB render 105% do CDI, é sinal que ele rende um valor maior que o próprio CDI. 

Como a taxa DI é usada como benchmark? 

Além de ser usada como a rentabilidade de investimentos de renda fixa, a taxa CDI pode ser adotada como parâmetro de referência. Com ela, é possível fazer o benchmark. Por isso, o indicador serve de referência para determinados fundos de investimento, 

Normalmente, os de renda fixa e os multimercados. Nesses casos, o CDI é utilizado como parâmetro para que o gestor tome suas decisões — e o investidor verifique se o desempenho do fundo ficou abaixo ou acima da taxa. 

Além disso, a taxa pode servir para avaliar investimentos arriscados. Devido à proximidade com a Selic e ao fato de referenciar uma série de aplicações de baixíssimo risco, o CDI é equiparado à taxa livre de risco da economia. 

Isso quer dizer que, para o investidor aceitar correr risco, ele precisa ter uma perspectiva de rentabilidade superior à Selic e ao CDI. Afinal, ele pode ganhar uma remuneração equivalente a essas duas taxas em aplicações de baixo risco, como os títulos públicos ou títulos de dívida privada. 

Dessa forma, os fundos de renda fixa conservadora buscam render algo em torno do CDI. Já fundos que podem tomar mais risco, como certos fundos multimercados e de renda fixa que investem em títulos mais arrojados, procuram render mais que o CDI. 

Como usar a taxa DI para tomar decisões de investimentos? 

Devido à importância da taxa DI ou CDI, é interessante utilizá-la para orientar decisões sobre os investimentos. O primeiro uso envolve sua análise em termos de rentabilidade dos títulos. Considere que percentuais maiores do CDI, normalmente, estão atrelados a riscos maiores.  

Então é possível analisar se o rendimento elevado está atrelado a um risco de crédito ou de liquidez mais elevado e se isso faz sentido para o seu perfil de investidor e seus objetivos. 

Ainda há como avaliar o desempenho de toda sua carteira tendo o CDI como referência. Assim, é possível medir o alcance de objetivos financeiros e definir se é necessário rebalancear o portfólio, por exemplo. 

Com essas informações sobre a taxa DI, você conseguirá compreender o rendimento na forma de percentual do CDI ou como ele é afetado pela taxa Selic. Investir na renda fixa e em certos fundos poderá ficar mais fácil com tais conhecimentos. 

Para conferir e aproveitar os títulos disponíveis no mercado financeiro, abra sua conta conosco e seja Genial!

Comentários