A taxa DI, também chamada de taxa CDI, é uma taxa de juros que acompanha de perto a taxa básica de juros (Selic).

Ela é muito familiar aos investidores brasileiros por ser a principal referência para a rentabilidade dos investimentos de renda fixa e de muitos fundos de investimento.

Os títulos de renda fixa geralmente remuneram um percentual da taxa CDI, e diversos tipos de fundos procuram acompanhá-la ou superá-la.

Você provavelmente já ouviu falar dessa taxa, mas já se perguntou de onde ela veio ou por que acompanha a Selic tão de perto? Este post responde!

De onde saiu essa tal de taxa DI?

A taxa DI é uma das taxas de juros praticadas nos empréstimos entre instituições financeiras. Todos os dias, bancos que ficam com o caixa negativo podem recorrer ao mercado interbancário para fazer empréstimos com os bancos que têm sobra de caixa.

Isso ocorre porque as instituições financeiras não podem terminar o dia com caixa negativo. Trata-se de uma medida de segurança, para manter o sistema financeiro saudável e estável.

Apenas instituições financeiras participam do mercado interbancário, que também não sofre a incidência de impostos.

Há duas formas básicas para os bancos tomarem dinheiro no mercado interbancário: os DIs (Depósitos Interbancários) e as operações compromissadas.

No primeiro caso, o banco que precisa do empréstimo emite um título de renda fixa, o Certificado de Depósito Interbancário ou Certificado de Depósito Interfinanceiro, nosso conhecido CDI.

Eles são similares aos Certificados de Depósito Bancário (CDBs), títulos de renda fixa muito populares entre as pessoas físicas. A diferença é que apenas bancos podem comprar os CDIs.

A taxa DI ou CDI corresponde à média das taxas de juros dos depósitos interbancários com prazo de um dia. Ou seja, é a remuneração média paga pelos bancos tomadores aos bancos emprestadores. CDI, portanto, é o nome do título e também da taxa de juros.

A taxa CDI varia diariamente, mas costuma ser expressa como um percentual anual.

As operações compromissadas são semelhantes. Mas, nesse caso, os bancos que tomam dinheiro colocam os títulos públicos que têm em carteira como garantia do empréstimo.

Em outras palavras, os DIs têm, em tese, maior risco, já que não contam com garantias. Já as compromissadas são mais seguras, pois caso o banco tomador venha a quebrar, a instituição emprestadora fica com seus títulos públicos.

A taxa de juros média das operações compromissadas é a chamada Selic efetiva, uma taxa que normalmente difere da Selic meta, estabelecida pelo Banco Central.

Todos os dias, o BC trabalha para que a Selic efetiva convirja para a meta, mas não é preciso entrar em detalhes sobre isso aqui.

Entenda melhor o que é a taxa Selic estabelecida pelo Banco Central e como ela afeta o nosso dia a dia.

Abra sua conta - CTA

O DI acompanha a Selic

A taxa CDI guarda forte correlação com a taxa Selic. As duas caminham juntas e costumam ter valores bem próximos, mas geralmente a taxa CDI é ligeiramente inferior à Selic.

Economicamente, isso não faz muito sentido. Afinal, o CDI, título privado e sem exigência de garantias, tem mais risco que os títulos públicos, que servem como garantia das operações compromissadas.

Ricardo José de Almeida, professor de finanças do Insper, explica essa relação entre o CDI e a Selic da seguinte maneira:

Os bancos que captam recursos por meio do CDI costumam ter títulos públicos em carteira. Do contrário, teriam dificuldade de obter empréstimos.

Se a taxa DI fosse superior à Selic, taxa que baliza a remuneração dos títulos públicos, seria mais vantajoso para esses bancos vender seus títulos para gerar caixa do que pegar dinheiro emprestado por meio da emissão de CDI. Eles simplesmente não recorreriam ao DI.

Assim, os bancos que têm sobras de caixa precisam aceitar receber menos que a Selic para conseguir emprestar por meio de CDI. “Então, as operações entre bancos, quando existe a confiança de que o tomador tem títulos em carteira, tende a seguir a Selic”, diz Almeida.

Mas por que os bancos emprestadores aceitam receber menos no CDI quando poderiam aplicar suas sobras de caixa em títulos públicos e receber uma remuneração equivalente à Selic? Uma explicação aceita é que é vantajoso, para os bancos, manter a taxa DI baixa.

O mercado de CDI é pequeno – bastante inferior ao de operações compromissadas, por sinal. Mesmo assim, a taxa DI serve como referência para a remuneração dos títulos privados de renda fixa.

Os bancos captam recursos no mercado financeiro por meio da emissão de títulos que pagam um percentual do DI.

Como a quantia que os bancos devem é consideravelmente maior do que o que têm a receber no mercado de depósitos interbancários, é interessante para eles manter a taxa DI baixa.

Assim, mesmo sendo instituições privadas, os bancos conseguem captar recursos pagando juros menores do que a Selic, taxa paga pelo governo federal em seus títulos.selic baixa

O que significa uma rentabilidade de 90% do CDI

A taxa DI serve como indexador de boa parte dos títulos de dívida privada, tanto aqueles emitidos por bancos quanto os emitidos por empresas (debêntures).

Os chamados títulos pós-fixados – cuja remuneração flutua de acordo com um indicador – normalmente pagam um percentual da taxa DI.

Talvez você já tenha se deparado com um CDB que pagasse, por exemplo, 90% do DI, ou com uma Letra de Crédito Imobiliário (LCI) que pagasse 85% do CDI.

Isso significa que a rentabilidade desses títulos corresponde apenas a uma parte – o percentual designado – da taxa DI diária. Conforme o exemplo, se o CDI do período for de 10% ao ano, o CDB pagará em torno de 9% ao ano, e a LCI, cerca de 8,5% ao ano.

O CDI também serve de referência para uma série de fundos de investimento, como os de renda fixa e muitos multimercados.

Nesses casos, o CDI é o parâmetro utilizado para o investidor verificar se o desempenho do fundo foi bom ou ruim.

Devido à proximidade com a Selic e ao fato de referenciar uma série de aplicações de baixíssimo risco, como os CDBs, LCIs e LCAs, o CDI é equiparado à “taxa livre de risco” da economia.

Isso quer dizer que, para o investidor aceitar correr risco, ele precisa ter uma perspectiva de rentabilidade superior à Selic e ao CDI. Afinal, ele pode ganhar uma remuneração equivalente a essas duas taxas em aplicações de baixo risco, como os títulos públicos ou os CDBs.

Dessa forma, os fundos de renda fixa conservadora buscam render algo em torno do CDI. E fundos que podem tomar mais risco, como alguns multimercados e fundos de renda fixa que investem em títulos mais arriscados, procuram render mais que o CDI.

Se você quiser conhecer melhor as aplicações financeiras de baixo risco, nós temos alguns posts que podem te ajudar:
O que é um CDB
O que são as LCIs e LCAs
3 investimentos de baixo risco mais rentáveis que a poupança

Abra sua conta - CTA

A Genial é a plataforma de investimentos que está democratizando o acesso aos melhores produtos do mercado, de forma simples, ágil e eficiente, através de uma assessoria financeira isenta, transparente e qualificada.

Contentários