Uma das formas de obter lucro na bolsa de valores é realizar operações de curto prazo — como o day trade ou swing trade. Porém, para que as técnicas especulativas funcionem, é fundamental conhecer e saber interpretar os padrões de candlestick que são formados no gráfico do ativo ou derivativo.

Nesse sentido, quanto maior for o seu conhecimento acerca dos padrões existentes, maiores são as chances de fazer operações mais acertadas. Afinal, a tendência é que você encontre, mais facilmente, oportunidades a partir de pontos de entrada e saída no gráfico.

Quer entender melhor o que é um candlestick e quais são os padrões gráficos mais conhecidos? Confira este conteúdo e aprenda como eles podem ajudar a fazer suas operações no mercado financeiro.

Não perca!

O que é o candlestick?

O candlestick é uma figura gráfica utilizada na bolsa de valores para medir as variações dos preços nos ativos e derivativos negociados. Ele está entre as ferramentas mais utilizadas por quem se vale da análise técnica (ou gráfica) para operar no mercado.

Por meio de uma sequência de candlesticks, é possível identificar tendências, os momentos de reversão, regiões de acumulação, a força do mercado, entre outros. Assim, com base nessas informações, o operador pode tomar suas decisões de comprar ou vender um ativo ou derivativo.

Embora existam outros tipos de gráficos que também podem ser utilizados para nortear o operador, o candlestick é um dos mais simples e completos disponíveis. Então mesmo investidores e especuladores iniciantes são capazes de compreendê-lo com maior facilidade.

Ademais, ele pode ser utilizado para acompanhar qualquer tipo de ativo ou derivativo presente na bolsa. Por exemplo, ações, opções, FIIs (fundos imobiliários), ETFs (fundos de índice), contratos futuros e muitos outros.

Como surgiu o gráfico candlestick?

Embora os candlesticks sejam formados automaticamente na tela de um computador, o processo nem sempre foi assim. Na verdade, o surgimento dessas figuras gráficas remonta um período em que não existiam computadores, celulares e nem internet.

O candlestick foi criado por um mercador japonês chamado de Munehisa Honma, no século XVIII. Naquela época, ele operava cupons de arroz no mercado de Dojima, no Japão — uma das commodities mais importantes da economia nipônica.

Honma começou a anotar informações que ele achava importante para as negociações. Entre elas estavam o primeiro e o último preço de negociação do dia, bem como os preços máximos e mínimos pagos ao longo do dia.

Para facilitar ainda mais essas anotações, ele passou a desenhar retângulos semelhantes a velas orientais. Cada extremidade desse retângulo representava o preço de abertura ou fechamento. Já as máximas e mínimas eram desenhadas como linhas ou sombras acima e abaixo da base do retângulo.

Ademais, o mercador percebeu que algumas dessas figuras se repetiam e, após seu surgimento, os preços adotavam um comportamento semelhante. Com base nessas observações, ele começou a projetar os próximos movimentos e a se posicionar antecipadamente.

Aplicando essa técnica, Munehisa conseguiu fazer cerca de 100 operações vitoriosas consecutivas. O sucesso de sua estratégia foi tamanho que ele foi convidado para ser o consultor financeiro do império japonês e recebeu o título de samurai.

Esse tipo de gráfico foi introduzido no ocidente pelo trader Steven Nilson em seu livro “Japanese Candlestick Charting Techniques”, publicado pela primeira vez em 2001. E, desde então, o candlestick é utilizado por operadores de diferentes mercados.

Quais são as principais características do candlestick?

Como você viu, os candlesticks trazem informações importantes como abertura, fechamento, máximas e mínimas, mas não é somente isso. Os candles também revelam se o preço subiu ou caiu, bem como a força dominante no período.

Normalmente, é utilizada a coloração verde e vermelha para distinguir um candle de alta ou de baixa — a cor também pode ser azul e vermelha, branca e preta, branca e amarela, entre outras. O candle será verde (alta) quando o preço de fechamento for superior ao preço de abertura.

Por outro lado, o candle será vermelho (baixa) quando o preço de fechamento for inferior ao preço de abertura. Ademais, o corpo do candle indica a pressão exercida pelas forças do mercado (compradora ou vendedora). Nesse sentido, quanto maior o candle, maior foi a pressão exercida.

Outra característica dos candlesticks, que se tornou possível com a evolução tecnológica, é a possibilidade de selecionar o seu tempo de formação. No passado, Honma utilizava um intervalo de 1 dia (gráfico diário). Hoje, é possível escolher gráficos de minutos, horas, semanas, etc.

Por exemplo, se você quiser observar as movimentações de preços em 15 minutos, basta selecionar esse tempo gráfico na sua plataforma. Com isso, será apresentado o histórico de preços separados por candles de 15 em 15 minutos, e serão plotados novos candles respeitando essa periodicidade.

Ademais, dependendo do tipo de operação que você realizar, pode ser preciso ter múltiplos tempos gráficos abertos em sua plataforma.

Muitos operadores de day trade (operações que são abertas e encerradas no mesmo dia) costumam se valer de gráficos rápidos como 1 minuto e 5 minutos. Ao mesmo tempo, utilizam gráficos maiores para confirmar sua leitura — a exemplo de 15 minutos, 30 minutos e 1 hora.

Já operadores de swing trade (operações que podem durar dias ou semanas) costumam utilizar tempos gráficos maiores para tomar suas decisões. Por exemplo, o gráfico diário e semanal para ter uma visão ampla de suas entradas e saídas.

Como interpretar o gráfico de candlestick?

Quem deseja utilizar a análise gráfica para fazer suas operações no mercado, precisa saber interpretar os candlesticks. Confira o que cada candle representa:

  • com corpo e sem pavio: indica que os preços de abertura e fechamento são distintos e não foram formadas máximas e mínimas que tenham superado a abertura ou fechamento;
  • com corpo e com pavios: significa que o preço abriu e fechou em preços diferentes. Entretanto, o pavio indica que ele atingiu máximas ou mínimas e depois retornou;
  • sem corpo e com pavio: nessa figura, não há diferença de preços entre a abertura e fechamento, porém houve máximas e mínimas que não se mantiveram.

Com essa base, independentemente da formação que o candlestick adotar, você saberá o que aconteceu. A depender da estratégia utilizada, você poderá se posicionar em busca de lucros rápidos, mas vale conhecer outros padrões caso queira aumentar suas chances de sucesso.

Quais os principais candlesticks em um gráfico?

Desde sua criação, os candlesticks continuam em evolução, surgindo novos padrões e técnicas de análise frequentemente. Porém, existem alguns padrões que já são conhecidos, sendo considerados os principais. São eles:

Doji

O chamado doji é um padrão gráfico que indica a indecisão do mercado. Ele é representado por um candle em que, embora as máximas e mínimas possam ter deixado sombras longas ou curtas, o preço de abertura e de fechamento são iguais.

Isso indica que nem a força compradora, nem a vendedora exerceram pressão suficiente para movimentar os preços a seu favor. Nesse cenário, há uma indecisão do mercado sobre qual direção os preços vão tomar.

Agora, se um doji aparece após uma alta ou baixa generalizada, isso pode indicar que a força dominante se esgotou — havendo chances de haver uma mudança de tendência. Portanto, ele costuma ser um candlestick bastante importante para quem opera no mercado.

Marubozu

Se o doji indica incerteza e indecisão do mercado, o marubozu é padrão oposto. Ele indica a dominância de uma das forças do mercado sobre a movimentação dos preços. Sua representação gráfica é uma vela com bastante corpo e sem nenhuma sombra, ou muito pequena.

Uma grande vela verde mostra que os compradores estão dominando o mercado naquele período. De outro lado, uma robusta vela vermelha demonstra que os vendedores estão exercendo maior pressão nos preços.

A sua ocorrência no gráfico pode ser sinal que uma tendência está iniciando — surgindo a oportunidade de se posicionar a favor dela. Porém, também pode indicar que os preços se movimentaram demais e uma correção pode surgir a qualquer momento.

Martelo e martelo invertido

Outra figura bastante conhecida entre os especuladores de mercado é o martelo. Ela surge como um candle com corpo pequeno e com uma sombra 2 vezes superior ao tamanho do corpo. A ocorrência do martelo sugere que uma das forças fez os preços deslocarem, mas não conseguiu mantê-los.

Com isso, o preço atinge máximas e mínimas distantes, mas acaba se encerrando próximo do preço de abertura. Muitos traders aguardam a ocorrência do martelo para adotarem uma posição no mercado. Afinal, o fato de uma das pontas do mercado demonstrar fraqueza é uma oportunidade de se posicionar contra ela.

Quais são os principais padrões de candlestick na análise técnica?

Você aprendeu que existem padrões formados por um único candlestick, mas vale conferir também aqueles que são formados por um conjunto de candles. Conheça os principais:

Engolfo

O engolfo é formado por meio da leitura de dois candles. Nele, o último candle formado supera o corpo do candle anterior, não sendo preciso superar as sombras. Ademais, ele pode ser de alta ou de baixa, a depender da coloração dos candles.

Piercing line

Nessa figura, ocorre o oposto do engolfo. Aqui o último candle não supera o corpo do candle anterior, mas apenas a sua metade. Trata-se de um padrão de reversão, que mostra que o movimento principal está perdendo força.

Estrela da manhã

É um padrão composto por três candles. O primeiro é um candle de baixa; o segundo pode ser um candle de corpo pequeno com ou sem sombra (não importa a cor). O terceiro candle deve ser um candle de alta. Deve haver um GAP de corpo entre o segundo candle e os demais. As sombras podem se tocar.

Bebê abandonado

É um padrão composto por três candles e difere da estrela da manhã pelo fato de o segundo candle apresentar um GAP completo (de sombra) em relação aos outros dois candles do padrão. Indica um sinal de reversão mais forte que a estrela da manhã.

Estrela da tarde

É um padrão composto por três candles. O primeiro é um candle de alta; o segundo pode ser um candle de corpo pequeno com ou sem sombra (não importa a cor). O terceiro candle deve ser um candle de baixa. Deve haver um GAP de corpo entre o segundo candle e os demais. As sombras podem se tocar.

Dark cloud (nuvem negra)

É formado por dois candles. O primeiro candle tem de ser longo e de alta. O segundo candle de baixa deve abrir acima do fechamento do candle anterior e fechar, no mínimo, 50% abaixo do corpo do candle anterior. Quanto mais alto abrir o candle de baixa e quanto mais este penetrar no corpo do candle de alta, maior será a confiabilidade do padrão

Dragonfly Doji (Doji Libélula)

Quando os preços de abertura e fechamento coincidem também com a máxima do dia formando uma figura em formato de T.

Kicking

O kicking é um padrão gráfico que representa a continuidade de uma sequência de alta. Ele é representado por um marubozu de baixa, seguido de um marubozu de alta com um gap entre eles. E não devem existir pavios entre eles ou, se existirem, eles devem ser mínimos.

Agora que você sabe o que é um candlestick e conhece diferentes padrões gráficos, poderá ir mais preparado para o mercado. Contudo, não deixe de tomar decisões que estejam pautadas no seu perfil de investidor e objetivos, bem como dentro das estratégias estudadas e testadas por você.

Quer começar a especular no mercado? Confira nossos materiais educativos e cursos e aumente seu nível de preparo. Aproveite para abrir a sua conta e ter acesso à casa do trader!

Comentários