A renda variável é uma classe que oferece diversas oportunidades de investimentos, inclusive que permitem participar dos resultados de empresas. Porém, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre o que são as ações e como elas funcionam. É o seu caso?

Entender melhor esses ativos é fundamental para compreender os riscos envolvidos no investimento e as oportunidades de obter lucros. Assim, você terá a chance de explorar o potencial do mercado acionário brasileiro.

Neste post, nós, da Genial Investimentos, apresentamos o que são ações e quais são as principais informações sobre como lucrar com esses papéis.

Acompanhe!

O que são ações e como elas funcionam?

As ações representam uma fração do capital social de uma empresa e elas são negociadas na bolsa de valores. Por conta disso, quando você compra um papel, é como se você estivesse adquirindo um pedaço do negócio.

Com a compra das ações, você também se torna sócio da companhia, podendo participar dos lucros e correndo os riscos junto à empresa. Portanto, elas são ativos financeiros que permitem que qualquer investidor interessado tenha a chance de obter ganhos com o desempenho dos negócios.

O que é o mercado de ações?

Além de entender o que são as ações, é fundamental compreender o que é o mercado acionário. Afinal, é nesse ambiente em que são negociados os ativos que conferem acesso aos resultados de uma companhia.

A legislação brasileira prevê que toda negociação de ações na bolsa de valores brasileira, a B3, deve ser intermediada por uma corretora de valores. Desde 1999, a bolsa adota o home broker, uma plataforma de negociação online de ativos.

Por meio do home broker, você pode, de qualquer lugar do mundo, submeter ordens de compra e venda — inclusive de ações. O acesso à plataforma se dá por meio de corretoras devidamente regulamentadas, como a Genial Investimentos.

Além disso, no mercado acionário os papéis são negociados com um código, conhecido como ticker. Ele é formado por uma sequência de quatro letras e um número ao final. As letras fazem referência à empresa, enquanto o algarismo indica o tipo de ação que é negociada.

Outro ponto para considerar é que os preços do mercado acionário costumam variar múltiplas vezes ao longo do pregão da bolsa. Como você verá, as cotações dependem de diversas questões, como a situação do negócio e o interesse do mercado em relação aos papéis negociados.

Quais são os tipos de ações encontradas na bolsa de valores?

No mercado acionário brasileiro, você encontrará mais de um tipo de ação na bolsa. Por isso, vale a pena conhecer quais são as classificações existentes e como cada uma delas funciona. Assim, você poderá escolher o que faz mais sentido para a sua carteira de investimentos.

Confira!

Ações ordinárias

As ações ordinárias são aquelas que dão o direito de voto a quem as possui. Desse modo, os acionistas ordinários podem opinar nas deliberações da companhia. Porém, é preciso considerar que o grau de influência nas decisões depende do seu nível de participação.

Logo, se você tiver uma pequena porcentagem das ações, o seu voto terá um peso menor do que o de um investidor com uma participação maior na companhia.

Ações preferenciais

Nas ações preferenciais, o investidor não tem direito a voto nas assembleias gerais da empresa. Por outro lado, ele garante a preferência na distribuição de proventos. Com isso, os investidores preferenciais recebem dividendos à frente dos ordinários, por exemplo.

Também vale a pena considerar que, em caso de liquidação da companhia, os investidores dessas ações têm preferência no recebimento dos valores.

Units

Já as units funcionam como pacotes de ativos e são compostas por uma proporção entre ações preferenciais e ordinárias. Cada empresa pode definir como será formada a sua unit, caso escolha negociar esse tipo de ativo no mercado brasileiro.

Então uma empresa pode definir que seu pacote terá 1 ação ordinária e 1 preferencial ou pode estabelecer uma proporção de 3 papéis ordinários para 2 preferenciais, entre outras configurações. Ao comprar uma unit, você terá esse conjunto de ativos em sua carteira.

Além de conhecer os tipos de ações disponíveis na bolsa, vale a pena saber quais são os algarismos utilizados em cada tipo de papel. Veja:

  • 1: ativos com direito de subscrição a uma ação ordinária;
  • 2: ativos com direito de subscrição a uma ação preferencial;
  • 3: ação ordinária;
  • 4: ação preferencial;
  • 5, 6, 7 e 8: ações preferenciais de classes A, B, C e D, respectivamente;
  • 9: subscrição de ação ordinária;
  • 10: subscrição de ação preferencial;
  • 11: units.

Como é possível lucrar com ações?

Para entender o investimento em ações também é essencial compreender como você pode lucrar com esses ativos. Na prática, existe mais de uma forma de obter ganhos com esses papéis, então vale a pena saber como as alternativas funcionam.

Acompanhe!

Ganho de capital

O ganho de capital consiste na obtenção de lucro a partir da venda de uma ação. Isso acontece quando o preço de venda é superior ao preço médio de compra dos papéis. Dessa forma, a diferença positiva garante que você obtenha rentabilidade sobre a operação.

Esse lucro é tributado pelo Imposto de Renda e deve ser declarado em um Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF). A alíquota é de 15% para operações comuns e de 20% para aquelas abertas e encerradas no mesmo pregão (day trade).

Porém, existe uma faixa de isenção para considerar. Se, ao longo do mês, você negociar menos de R$ 20 mil em ações em operações comuns, o ganho de capital é isento de Imposto de Renda (IR) — independentemente do lucro obtido.

Recebimento de proventos

Outra forma de lucrar com as ações envolve o recebimento de proventos. Esses são benefícios concedidos aos investidores e servem para remunerá-los ou atraí-los para a empresa. No mercado brasileiro de ações, há quatro tipos principais de proventos:

Entenda melhor como cada um funciona:

Dividendos

Os dividendos estão entre os proventos mais famosos, pois eles consistem na divisão proporcional entre os acionistas de parte do lucro líquido da companhia.

Cada empresa pode definir quanto e quando distribuirá dividendos, mas o pagamento deve ser, no mínimo, anual. Além disso, esses proventos são isentos de IR para pessoas físicas.

JCP

Já os juros sobre capital próprio (JCP) também representam uma divisão de parte dos resultados da companhia entre os acionistas. A diferença é que o JCP é pago aos investidores como despesa para a empresa. Com isso, os investidores são tributados em 15% sobre os rendimentos recebidos.

Direitos de subscrição

Os direitos de subscrição são distribuídos quando a empresa emite novas ações. Como o capital social será distribuído em mais partes, os investidores atuais podem sofrer com a diluição de sua participação.

Então esses proventos servem para evitar essa situação. Eles conferem o direito de os investidores atuais comprarem ações para manter a participação atual. Assim, os acionistas podem escolher exercer o direito e comprar os papéis ou podem vendê-lo.

Bonificação em ações

A bonificação em ações é um tipo de provento que consiste na distribuição de novos papéis, sem custos para os acionistas atuais. Normalmente, essa bonificação ocorre quando a empresa obtém bons resultados e deseja remunerar os investidores sem que seja na forma de dividendos, por exemplo.

Aluguel de ativos

Outra possibilidade para obter ganhos com o investimento em ações é o aluguel desses papéis. O processo também é conhecido como custódia remunerada e permite que os acionistas disponibilizem seus ativos por um período, em troca de um pagamento definido.

Para o investidor, esse processo ocorre sem custos ou riscos, pois há garantias da própria B3. Ao informar sua corretora que você deseja alugar suas ações, elas serão oferecidas para operadores que querem negociar os papéis sem tê-los na carteira.

Quem realiza a venda a descoberto, por exemplo, costuma alugar ações. A ideia é alugar os papéis para vendê-los diante da expectativa de queda na cotação. Após determinado período, o operador recompra os ativos e os devolve ao investidor. Se a aquisição for feita por um preço menor que o de venda, o especulador tem lucro com a operação.

Para quem detém as ações, o aluguel dos papéis pode ser vantajoso por ser mais uma forma de rentabilizar os ativos, sem precisar se desfazer deles. Além disso, o investidor detentor das ações continua recebendo proventos, caso eles sejam distribuídos.

Vale destacar que o rendimento obtido com os aluguéis é tributado em 15% devido à incidência de Imposto de Renda.

Como funcionam as negociações nesse mercado?

Até aqui, você entendeu o que são as ações e como elas podem gerar resultados para os investidores. O próximo passo consiste em saber como são feitas as negociações nesse mercado, considerando as diferentes possibilidades.

A seguir, confira conceitos importantes que ajudam a explicar o processo de negociação no mercado de ações!

IPO

O processo conhecido como initial public offering (IPO) ou oferta pública inicial representa a estreia de uma companhia na bolsa de valores. O IPO marca, portanto, o momento em que uma empresa passa a ter o capital aberto.

Nesse caso, a oferta pública inicial é composta por diversas etapas, como registro e autorização na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e realização de auditorias. Além disso, a empresa precisa divulgar um prospecto, indicando os riscos do investimento e como ela pretende utilizar os recursos captados.

Outra etapa importante é o momento em que os investidores registram o interesse em adquirir os papéis da companhia e ajudam a construir o preço inicial (bookbuilding). O IPO marca, efetivamente, o dia da primeira negociação das ações da empresa no mercado.

Follow on

O lançamento de papéis no mercado também pode estar relacionado ao chamado follow on primário ou oferta secundária de ações. Essa etapa ocorre quando a empresa deseja captar mais recursos e, para isso, oferece mais uma parte do seu capital social ao mercado.

As etapas do follow on primário são parecidas com o caminho traçado até o IPO, embora sejam mais simples. No momento específico do follow on, portanto, a companhia disponibiliza novas ações no mercado para os investidores atuais e novos interessados.

Mercado primário e secundário

A negociação de ações também envolve os conceitos de mercado primário e mercado secundário. No primeiro caso, a compra e venda ocorre diretamente entre a empresa e o investidor. Com isso, o dinheiro aportado segue para o caixa da companhia, como acontece no IPO e no follow on primário.

Já a negociação no mercado secundário ocorre entre investidores, sem participação da empresa. É o que acontece quando um acionista que adquiriu papéis no IPO decide vendê-los para outra pessoa. Nesse caso, o dinheiro segue para quem se desfez dos papéis e não para a organização.

Por que ocorrem tantas variações nos preços das ações?

Outra característica para considerar sobre o investimento em ações e o funcionamento do mercado é a oscilação de preços. Como você viu, a cotação dos papéis pode variar bastante ao longo de um único pregão, bem como com o passar do tempo.

Isso acontece, principalmente, por causa da chamada lei da oferta e da demanda. Ela rege o mercado acionário e faz com que o preço dos papéis varie com o nível de interesse dos demais investidores nos ativos.

Para entender melhor, considere uma situação em que muitas pessoas passam a ter interesse nos papéis de uma determinada companhia. Nesse caso, a demanda aumenta, o que faz com que o preço dos ativos suba, gerando uma valorização para o ativo.

O contrário também pode ocorrer. Se muitos investidores começarem a vender um grande volume de ações de uma organização, a tendência é que o preço dos ativos caia devido a um aumento da oferta.

Esse comportamento gera o chamado risco de mercado, que consiste nas mudanças que podem ocorrer no comportamento dos investidores e, consequentemente, nos preços dos ativos. Ainda, vale saber que as decisões de compra e venda podem estar relacionadas a diversos fatores.

A divulgação dos resultados da empresa ou de fatos relevantes, a situação do setor na qual ela atua, movimentações políticas e projeções para a economia são apenas alguns elementos que podem interferir no comportamento do mercado. Com isso, os preços das ações podem subir ou descer constantemente.

Qual é a relação com a volatilidade?

Também é relevante saber que as variações nas cotações das ações estão relacionadas a uma característica relevante: a volatilidade dos papéis. Essa é uma medida para a intensidade e frequência das oscilações dos preços de um ativo.

Logo, se uma ação tem mudanças de preço muito profundas ou se elas ocorrem com bastante frequência, ela é mais volátil. No geral, isso aumenta o risco do investimento no curto prazo, já que um grau de volatilidade maior dificulta prever o comportamento dos ativos.

Afinal, vale a pena investir em ações?

Depois de ter uma visão geral sobre o investimento em ações e como essa alternativa funciona, é hora de avaliar se realmente vale a pena ter esses ativos na carteira. Para responder a essa questão, é preciso fazer uma análise individual.

Você tem que considerar as suas características individuais e do seu portfólio para entender se a alternativa faz sentido para a sua realidade, certo? Também é preciso adotar uma estratégia adequada para escolher entre os diferentes tipos de papéis disponíveis no mercado.

Por outro lado, é interessante considerar os possíveis benefícios do investimento em ações. Com essa alternativa, você pode participar dos resultados de empresas de diferentes portes e segmentos, tornando-se sócio das companhias.

Também vale a pena considerar a possibilidade de obter lucros de diferentes formas com esses ativos. Com o recebimento de proventos e o aluguel de ativos, por exemplo, é possível rentabilizar os recursos sem se desfazer dos papéis.

Então se o investimento em ações for adequado para você e se as escolhas forem feitas de modo estratégico, você tem a chance de lucrar com os ativos. Assim, pode valer a pena fazer esse tipo de investimento.

Como investir em ações?

Após conferir todas essas informações, é o momento de entender como investir em ações. Desse modo, você tem a chance de aproveitar as oportunidades que fazem parte desse mercado para rentabilizar os seus recursos.

A seguir, descubra o passo a passo para investir em ações e entenda quais são os aspectos mais relevantes!

Avalie o seu perfil de investidor

Antes de realizar qualquer aporte no mercado financeiro, é fundamental saber qual é o seu perfil de investidor. Essa é uma classificação que indica o seu nível de tolerância ao risco e que ajuda a entender quais são as suas prioridades no momento de investir.

Entre as classificações, há o perfil conservador, moderado e arrojado, indo da menor à maior tolerância ao risco. No caso do investimento em ações, é preciso considerar que os ativos fazem parte da renda variável e não há garantias sobre o retorno, o que pode aumentar o risco.

Por isso, o investimento em ações costuma estar mais alinhado a investidores moderados ou arrojados. No entanto, os papéis também podem aparecer em proporções menores em uma carteira conservadora, diante do objetivo de diversificar o portfólio.

Estabeleça os seus objetivos financeiros

Para investir em ações também é essencial compreender os seus objetivos financeiros. Eles servem para indicar os resultados que você deseja obter e, principalmente, em quanto tempo você espera alcançá-los.

Nesse sentido, há três possibilidades em relação ao tempo de investimento:

  • curto prazo: concretização dos objetivos em até 1 ano;
  • médio prazo: realização entre 1 e 5 anos;
  • longo prazo: alcance em 5 anos ou mais.

Nesse contexto, o investimento em ações costuma ser mais indicado para os objetivos de longo prazo. Isso porque um período maior costuma beneficiar esse tipo de aporte, já que há mais tempo para a consolidação da empresa, favorecendo a maturação do investimento.

Além disso, o investimento a longo prazo ajuda a diminuir os efeitos da volatilidade, o que é essencial para reduzir os riscos de modo geral. Assim, o ideal costuma ser investir em ações com foco em um prazo maior.

Realize a análise fundamentalista

Para avaliar as diferentes oportunidades do mercado de ações, é essencial fazer uma análise fundamentalista. Essa metodologia se baseia em avaliar os fundamentos de uma empresa, de modo a entender sua situação financeira e mercadológica no presente e projetar os resultados no futuro.

Para que isso seja possível, são utilizados os chamados indicadores fundamentalistas. Eles são ferramentas que servem para medir o desempenho da empresa em determinados aspectos, como em relação ao endividamento ou à geração de resultados.

Entre os indicadores mais utilizados, estão:

  • Lucro por ação (LPA);
  • Preço/Lucro (P/L);
  • Preço/Valor patrimonial por ação (P/VPA);
  • Dividend yield (DY);
  • Dividend payout (DP);
  • EBITDA;
  • Dívida líquida / Resultado operacional;
  • Retorno sobre patrimônio líquido (ROE);
  • Entre outros.

Cada indicador fornece informações específicas sobre o funcionamento do negócio e pode ajudar na tomada de decisão. Se o objetivo for receber renda passiva com o investimento em ações, por exemplo, vale a pena buscar companhias capazes de gerar resultados e que sejam boas pagadoras de dividendos.

Nesse caso, a análise do DY e do DP se torna mais importante. Afinal, companhias que distribuem muitos proventos costumam ter resultados elevados nesses parâmetros.

Porém, é fundamental não usar apenas um indicador para a análise. Como a avaliação deve ser completa, o ideal é verificar diversos parâmetros. Assim, é possível ter uma visão completa do negócio, aumentando a confiabilidade sobre a escolha.

Ainda, é possível usar os indicadores para comparar empresas e selecionar as melhores ações. Contudo, é fundamental que os negócios sejam do mesmo setor, o que permite que a análise seja realmente equivalente.

Negocie as ações na bolsa de valores

Após selecionar os ativos de interesse, é o momento de realizar a compra. Para isso, você precisa ter conta em uma corretora de valores, como a Genial Investimentos. Por meio dela, você terá acesso ao home broker, onde são negociados os ativos da bolsa de valores.

Na plataforma, você deve procurar o ticker do ativo que você deseja, seja ele ação ordinária, preferencial ou unit. Após enviar a ordem de compra, a operação será liquidada conforme o prazo da B3 e os ativos constarão na sua carteira. Para vender os papéis, basta emitir uma ordem de venda.

Com essas informações, você descobriu o que são ações e como funciona investir nesses papéis. Assim, você pode utilizar esse conhecimento para complementar a sua análise e definir a estratégia para participar do mercado acionário, caso ele esteja alinhado às suas características.

Quer investir em ações e em outras oportunidades do mercado financeiro? Abra sua conta conosco e seja Genial!

Filipe Villegas

Filipe Villegas é responsável pelas carteiras recomendadas da Genial e relatório GENOMA. Ele é pós-graduado em administração de empresas pela FGV e tem MBA em engenharia financeira pela POLI-USP. Está no mercado há mais de 10 anos.

Ver todos os artigos
E-book Trader

Navegação rápida

O link do artigo foi copiado!

Planilha Comparativa de Renda Fixa