Ao realizar um investimento, seja de qual categoria for, é importante saber que há riscos. Ou seja, não existe uma aplicação financeira que seja totalmente segura. Entre eles, existe o risco de mercado, de liquidez e de crédito. 

Mas quais fatores são considerados quando se trata do risco de mercado? E como esse aspecto influencia sua carteira de investimento? Se você tem essas dúvidas, acompanhe as informações que nós, da Genial, reunimos a seguir.  

Continue a leitura e descubra, ainda, como fazer a gestão de risco de mercado, a fim de proteger seu patrimônio! 

O que são riscos de um investimento? 

Antes de explicar especificamente sobre o risco de mercado, é interessante compreender o que são os riscos de um investimento. Eles são aspectos que indicam um grau de incerteza, refletindo-se na probabilidade de você não obter a rentabilidade que esperava — ou de ter perdas. 

Os riscos podem ser mais altos ou baixos, dependendo da alternativa em que você aloca seu capital. Por isso, é importante conhecer o conceito do risco financeiro na hora de montar sua carteira, já que ele está bastante ligado ao quesito segurança. 

Nesse sentido, é válido saber que a renda variável representa um risco maior do que a renda fixa, por exemplo. Já dentro da renda fixa, os títulos públicos do Tesouro Direto são considerados os mais seguros, visto que têm a garantia do Governo Federal. 

Também é fundamental compreender a relação existente no mercado financeiro entre risco e rentabilidade. De modo geral, quanto mais arriscado é um investimento, maior é o potencial de retorno.  

Desse modo, as ações, por exemplo, apesar do risco mais elevado, podem propiciar ganhos maiores. Em especial, quando se compara com aplicações mais seguras da renda fixa. Logo, os títulos que apresentam um risco menor são também marcados por rendimentos limitados. 

Como os riscos funcionam? 

Para entender os riscos, é preciso saber que existem diversos tipos. Um deles é o risco de crédito, mais presente na renda fixa. Ele tem relação com o fato de você não receber o pagamento, por conta de dificuldades financeiras da empresa ou instituição emissora. 

Além disso, existe o chamado risco de liquidez. Nesse caso, trata-se da dificuldade maior de se desfazer de uma aplicação ou ativo, transformando-a em dinheiro. Se você precisar resgatar o valor e não puder fazer isso, estará em risco, certo? 

Por fim, há o risco de mercado, que você conhecerá mais neste artigo. Ele se associa geralmente à volatilidade de um ativo, que se refere na sua oscilação de preço em um determinado período. Por isso, quanto mais volátil é o investimento, mais arriscado ele tende a ser. 

O que é risco de mercado? 

Ao se referir ao risco de mercado, é preciso pensar em aspectos de dimensão macroeconômica. Também chamado de risco sistemático, ele acaba afetando todos os tipos de investimentos, em maior ou menor grau. 

Afinal, as oscilações econômicas têm impacto direto em todo o mercado financeiro. Assim, afeta a rentabilidade dos investimentos. Isso porque os riscos de mercado provocam variações de preços de ativos, de taxas e de índices, a depender do cenário econômico. 

Quando se fala em risco de mercado, é essencial considerar uma série de fatores, como: 

  • crises econômicas; 
  • política monetária; 
  • oscilações nas taxas de juros; 
  • índice de inflação; 
  • variações do câmbio. 

Como você pode ver, o risco de mercado pode estar ligado às reações da economia diante de grandes eventos. Por exemplo, a pandemia do novo coronavírus em 2020 aumentou os riscos de diversos investimentos de renda fixa e variável. 

Por isso, fala-se que esse tipo de risco é sistemático. Ou seja, ele difere do não sistemático, que tem relação com o desempenho de uma determinada companhia ou setor econômico. Eventos como a pandemia afetam todo o mercado, ainda que de modo diferente.

Saiba Mais: Risco de mercado: o que é e como ele influencia os investimentos?

Como o risco de mercado interfere na sua carteira de investimento? 

Agora que você já sabe qual é o conceito de risco de mercado, precisa compreender como ele impacta a sua carteira. Como se trata de um risco que afeta todo o universo de investimentos, certamente qualquer portfólio sofre influência dele. 

Diante de uma crise como a causada pela pandemia de 2020, por exemplo, todos os investidores sentiram o impacto de alguma forma. Isso pode ter aparecido pela redução das taxas de juros na renda fixa ou pelas quedas na bolsa de valores. 

Nesse sentido, é importante pensar em modos de manejar o risco, já que não há como evitá-lo completamente. Para isso, existe a estratégia de diversificação dos seus investimentos. Dessa forma, é possível ter investimentos que respondem de modo diferente ao risco de mercado. 

Assim, há maior equilíbrio. Em uma carteira complexa com investimentos descorrelacionados, por exemplo, é possível encontrar alguns ativos que sentem mais determinado evento econômico e outros que sentem menos. Inclusive, uns podem apresentar lucro enquanto outros têm prejuízo. 

Como gerenciar os riscos de mercado? 

Como você pode perceber, uma das maneiras de fazer a gestão dos riscos de mercado em seus investimentos é compor um portfólio variado. Então, é importante conhecer o funcionamento de ativos e aplicações, principalmente em relação à volatilidade, para fazer essa composição. 

Na renda fixa, é válido considerar o prazo de vencimento do investimento. Quanto maior esse tempo, maior é o risco de mercado. Isso porque é possível ter variações grandes de retorno devido a mudanças nas taxas de juros ou outros índices.  

Já na renda variável, é preciso saber que as oscilações de preços dos papéis são intensas em curto espaço de tempo. Em contrapartida, no longo prazo, existe uma tendência de variação menor, considerando ativos de emissores sólidos. 

Ao tratar do risco de mercado, também vale a pena pensar na diversificação entre as duas classes de investimentos. Assim, diante de um evento que leve à queda da bolsa de valores, por exemplo, parte de seu patrimônio pode estar segura na renda fixa. 

Na hora de montar uma carteira variada, contudo, fique atento para realizar a composição sempre considerando seu perfil de investidor e objetivos financeiros. Com isso, você não se expõe a riscos maiores do que deseja. 

Como vimos, o risco de mercado é um fator que precisa ser avaliado pelos investidores para que possam fazer escolhas conscientes de investimentos e compor um portfólio mais diversificado. Desse modo, é uma forma de se obter um equilíbrio, prevenindo-se de grandes perdas! 

Depois de descobrir o que é risco de mercado, aprofunde seus conhecimentos do mercado financeiro, conhecendo em detalhes o que é risco de liquidez!

Comentários