Antes de começar a investir, é importante entender o que é e como montar uma carteira de investimentos. Também conhecida como portfólio, ela representa o conjunto de aplicações e ativos que você possui. 

Assim, é fundamental estabelecer estratégias ao investir para montar uma carteira sólida, visando obter rentabilidade e controlar a exposição aos riscos. Para isso, é possível contar com alternativas de renda fixa e de renda variável, de acordo com o seu perfil e objetivos. 

Além disso, a sua carteira pode — e deve — passar por alguns ajustes ao longo do tempo. Quer saber como fazer isso? Para facilitar essa tarefa, listamos 9 passos para montar uma carteira de investimentos.  

Aproveite a leitura! 

1. Ter um bom planejamento financeiro 

O planejamento financeiro tem o objetivo de orientar o destino ao seu dinheiro. Então é preciso ter um controle completo do seu orçamento neste primeiro passo — essencial para quem deseja montar uma boa carteira de investimentos.  

Para tanto, verifique quais são as suas receitas e despesas, registrando as entradas e todos os gastos que surgem ao longo do mês.  Com essas informações, você pode buscar melhorias, por exemplo, identificar custos que podem ser cortados ou reduzidos para economizar.  

Por meio desse controle você também entenderá quais são os valores disponíveis para investir. 

2. Manter o hábito de investir com frequência 

Após organizar o seu planejamento financeiro, é possível definir um valor para investir todos os meses. Os aportes frequentes são uma estratégia essencial para impulsionar o seu patrimônio ao longo do tempo, então é preciso ter disciplina. 

Fazendo isso, você conseguirá realizar os seus objetivos mais rapidamente por meio do aumento de capital. Outra dica é buscar formas de ampliar a sua renda ao longo dos anos para fazer aportes maiores. Assim, é possível construir patrimônio de maneiras consistente. 

3. Conhecer o seu perfil de investidor 

Um cuidado fundamental ao montar sua carteira de investimentos é entender o seu perfil de investidor. Ele trata da sua tolerância aos riscos do mercado financeiro e é dividido em três categorias: conservador, moderado ou arrojado.  

Os investidores conservadores prezam por maior segurança, mesmo que isso reduza a rentabilidade. Já os moderados aceitam flexibilizar a carteira, com exposição a alguns riscos, em busca de retornos mais atrativos.  

Por fim, os investidores arrojados têm interesse em obter rendimentos acima da média, mesmo que isso envolva maiores riscos. Assim, conhecer o seu perfil é fundamental para escolher investimentos mais adequados para compor a sua carteira. 

4. Definir seus objetivos e prazos 

Além de conhecer o seu perfil, é necessário definir objetivos e alinhá-los com os prazos dos investimentos. Por exemplo, se você busca uma renda para complementar a aposentadoria, é comum investir em alternativas que proporcionarão pagamentos recorrentes no longo prazo

Portanto, é essencial definir objetivos de curto, médio e longo prazo para guiar as suas decisões. A partir disso, você conseguirá fazer as escolhas mais adequadas aos seus planos para cada fase da vida. 

5. Conhecer as alternativas de investimentos 

Quem quer saber como montar uma carteira de investimentos precisa conhecer as alternativas disponíveis no mercado financeiro. Afinal, o portfólio precisa ser composto por uma variedade de ativos que estejam alinhados ao seu perfil de investidor e aos seus objetivos pessoais. 

Para tanto, você pode contar com alternativas de renda fixa e de renda variável, que conseguem apresentar diferentes níveis de risco, rentabilidade e liquidez.  

Na renda fixa, você encontra opções como: 

  • certificado de depósito bancário (CDB); 
  • títulos do Tesouro; 
  • debêntures
  • letra de crédito imobiliário e do agronegócio (LCI e LCA). 

Na renda variável também existem diversas alternativas, por exemplo: 

Porém, vale frisar que essas são apenas algumas opções do mercado. Logo, é essencial que o investidor pesquise e estude os investimentos disponíveis para tomar as melhores decisões.  

6. Identificar as opções que fazem mais sentido para o portfólio 

Como você viu, a escolha dos investimentos deve se basear em seu perfil e objetivos. Assim, ao avaliar as alternativas do mercado, veja quais apresentam características adequadas às suas necessidades. 

Investidores iniciantes, por exemplo, podem buscar opções mais seguras e com alta liquidez. Isso é importante, especialmente, para quem está montando a reserva de emergência e não pode correr muitos riscos.  

Por outro lado, quem já tem mais experiência e quer impulsionar o patrimônio pode se valer de alternativas com maior exposição ao risco, se isso fizer sentido. Portanto, após estudar os diferentes tipos de investimentos, você deve identificar aqueles que são mais adequados sua carteira. 

7. Entender a importância da diversificação dos investimentos 

Outro passo essencial nessa jornada é diversificar a carteira. A estratégia consiste em alocar os recursos em investimentos de diferentes tipos, setores e níveis de risco. Nesse caso, o objetivo é evitar que o portfólio sofra perdas expressivas por ter exposição mais direta a apenas um ativo. 

Dessa maneira, ao distribuir o capital investido de forma estratégica em diferentes alternativas, você pode equilibrar melhor os riscos — e também a rentabilidade. No entanto, é preciso ter cuidado com a falsa diversificação.  

Ela acontece quando você monta uma carteira que, aparentemente, é variada por ter muitos produtos ou ativos. Porém, na prática, os investimentos escolhidos estão expostos aos mesmos riscos, que podem envolver questões de mercado, crédito ou liquidez.   

8. Ter conta em uma corretora de valores 

Para começar a investir, é importante abrir conta em uma corretora de valores da sua confiança. É por meio da plataforma da instituição que você pode acessar as alternativas investimento. Na Genial, você encontra uma ampla gama de opções em renda fixa e em renda variável. 

A corretora também deve oferecer um bom suporte para realizar os seus aportes. Por fim, vale buscar aquelas com taxas atrativas, serviços completos e assessorias de investimentos qualificadas. Isso ajudará a montar uma carteira de investimento mais completa e com maior segurança.   

9. Contar com o apoio de uma assessoria de investimento 

É bastante comum que surjam dúvidas sobre as alternativas de investimento mais adequadas para montar uma carteira adequada ao seu perfil e objetivos. Nesse caso, você pode contar com o auxílio de uma assessoria de investimentos, vinculada à sua corretora. 

O apoio profissional ajudará nas escolhas, esclarecendo dúvidas sobre as diferentes opções do mercado e como elas funcionam. E saiba que o serviço de assessoria é gratuito e personalizado, portanto, você terá todo o suporte para montar um portfólio conforme suas necessidades. 

Agora que você sabe como montar uma carteira de investimentos, pode traçar sua estratégia para realizar seus objetivos financeiros. Ao seguir estes passos, ficará mais fácil equilibrar risco e rentabilidade, permitindo que você tome decisões mais acertadas para ter sucesso ao investir. 

Gostou do conteúdo? Aproveite para complementar a leitura e confira 5 dicas para viver de renda no futuro!

Comentários