Se tem uma coisa que é fato e que muitas pessoas ainda não sabem é que todos podem investir. “Ah, mas só milionário investe. Eu tenho muito pouco dinheiro para investir”. Não tem problema nenhum! Você não precisa de milhões na conta para dar os primeiros passos. Com as plataformas de investimento, os investimentos se popularizaram e não estão mais restritos aos clientes de alta renda dos bancos. Inclusive, essas instituições são as que menos oferecem opções de aplicações.

Se você tem dinheiro, procure uma corretora, como a Genial Investimentos, que ofereça uma plataforma de investimentos completa e com vários opções para todos os bolsos. Hoje, é possível investir com cerca de R$ 30. De fato, não é muita coisa e você pode, sim, ser um investidor apenas com isso.

A seguir, confira o valor mínimo de alguns dos principais investimentos do mercado e veja que, realmente, não é preciso ser um milionário para investir. Ah, e não sinta falta da famosa poupança na lista, já que, apesar de você poder investir o quanto quiser por lá, consideramos a caderneta uma aplicação que rende muito pouco em relação a outros investimentos tão seguros quanto e mais rentáveis:

Tesouro Direto

O valor mínimo para investir em uma parte de um título público por meio do programa do governo Tesouro Direto é de aproximadamente R$ 30,00.

Certificado de Depósito Bancário (CDB)

De forma geral, o investimento mínimo em um CDB, emitido pelos bancos, é de R$ 1000,00. Saiba mais sobre CDB.

Letra de Crédito Imobiliário e Letra de Crédito do Agronegócio (LCI e LCA)

Os bancos também emitem as chamadas LCIs e LCAs, que fazem parte da sopa de letrinhas do mundo dos investimentos. Elas, basicamente, têm a mesma média de valor mínimo para investir que os CDBs: R$ 1000,00.

Certificado de Recebíveis Imobiliários e Certificado de Recebíveis Agrícolas (CRI e CRA)

Basicamente, funcionam da mesma forma que as LCIs e LCAs, porém, os CRIs e CRAs são emitidos pelas securitizadoras. Os investimentos iniciais podem ser feitos, de forma geral, por pelo menos R$ 1000,00.

Debêntures

Os títulos de dívida emitidos pelas empresas costumam ter um valor inicial de no mínimo R$ 500,00 a R$ 1000,00. Leia mais em O guia sobre debêntures.

Letra de Câmbio (LC)

As Letras de Câmbio, emitidas pelas chamadas “financeiras”, costumam ter valor mínimo para investir de R$ 1000,00.

Certificado de Operações Estruturadas (COE)

Os COEs são investimentos que representam um conjunto de ativos no qual o investidor aposta e ganha em cima de cenários. O investimento nesse tipo de aplicação pode ser feito, em geral, a partir de R$ 1000,00. Diversifique sua carteira e aprenda mais sobre os COEs.

Fundos de investimento

É possível investir em fundos de investimento com apenas R$ 1,00. Nesse tipo de aplicação, os gestores administram e alocam o seu dinheiro de acordo com o objetivo de cada fundo. É preciso prestar atenção na cobrança da taxa de administração. Entenda como os fundos de investimento funcionam.

Previdência privada

Os planos de Previdência Privada costumam ter investimentos mínimos que vão de R$ 100,00 a R$ 1000,00. No entanto, verifique as taxas de administração e fuja das alternativas que oferecerem taxa de carregamento e/ou de saída.

Ações

As ações de empresas negociadas na Bolsa de Valores costumam ser vendidas em lotes de no mínimo R$ 100,00. Portanto, se o preço de uma unidade de ações de uma determinada empresa é R$ 10, o mínimo para investir seria R$ 1000, 00, considerando o lote padrão. No entanto, é possível comprar o papel fracionado, ou seja, você pode comprar desta forma de 1 a 99 ações da empresa escolhida. Mas é preciso prestar atenção aos custos de corretagem, custódia e imposto de renda. Por isso, o lote é mais recomendado para diluir esses custos. Saiba como funciona o mercado de ações.

Precisando de ajuda para investir melhor o seu dinheiro? Abra sua conta na Genial Investimentos e tenha assessoria gratuita para fazer a sua grana trabalhar por você!

abra sua conta

Publicado por Leonardo Pinto

Leonardo é jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, com passagens por grandes veículos da imprensa brasileira, como TV Cultura, Veja e Estadão. Especializou-se em jornalismo econômico, com aprovação pela FGV, no curso de trainee promovido pelo Grupo Estado.

Contentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *