CDB 220% do CDI com liquidez diária.

Quem deseja organizar suas finanças e investir com mais consciência precisa contar com uma planilha de gastos. Essa ferramenta ajuda no controle e planejamento financeiro, trazendo benefícios no presente e para o futuro.

Ao ter esse controle, você poderá ter uma visão completa de sua saúde financeira e adequar seus gastos à sua renda. Desse modo, será possível poupar e acumular patrimônio com tempo, desde que o dinheiro seja utilizado com inteligência.

Quer aprender mais sobre esse assunto e conhecer dicas importantes para controlar as finanças? Então acompanhe nosso guia completo sobre a planilha de gastos!

Qual a importância do controle e do planejamento financeiro pessoal?

Antes de conhecer a planilha de gastos é fundamental que você entenda a importância de um planejamento e de um controle financeiro pessoal. Afinal, quais são os benefícios dessas práticas na sua vida?

Entenda cada um deles a seguir:

1. Controle financeiro

Ter um controle financeiro significa entender realmente sua situação com as finanças e manter dados atualizados sobre ela. Nesse momento, é fundamental que você saiba quais são todos os seus ganhos e todas as despesas.

No entanto, não basta apenas saber essas questões, é preciso anotá-las. Assim, é fundamental que haja ferramentas para isso, como planilhas. Nelas, você conseguirá anotar os seus ativos e passivos periodicamente.

Com essas informações, será possível entender sua relação com o dinheiro, saber quanto sobra por mês ou se está no vermelho e aumentando o endividamento, por exemplo. Ademais, também é possível verificar de onde vêm as suas despesas e o seu montante.

Saiba Mais:

  1. Como se organizar e sair do vermelho? 7 Dicas definitivas!
  2. Está endividado? 10 passos para sair do vermelho

Essas são as informações básicas que você precisa para organizar-se e planejar-se financeiramente. Afinal, não é possível constituir boas estratégias e começar a investir se você não sabe quanto realmente tem disponível.

Por isso, monte uma planilha e a alimente periodicamente com esses dados. O ideal é que tanto os ganhos quanto as despesas sejam divididas em categorias. Organize com os principais grupos, como salário, custos com alimentação, moradia, transporte etc.

A partir desses dados você terá um controle de onde vem seus ganhos e gastos. Assim, o planejamento será facilitado, pois haverá informações mais precisas sobre as áreas importantes da sua gestão financeira.

2. Planejamento financeiro

Diferente do controle financeiro, o planejamento não consiste em demonstrar sua situação atual e ter informações em mãos. Aqui, a ideia é criar estratégias com esses dados para alcançar os seus objetivos de curto, médio e longo prazo.

Saiba Mais:

  1. Planilha de Metas e Objetivos: Saiba quanto deve poupar!
  2. Objetivos Financeiros: Como se planejar antes de investir
  3. Quais os melhores tipos de fundos de investimento para seus objetivos?

Nesse sentido, o planejamento diz respeito a utilizar o controle financeiro para determinar os próximos passos. Em curto prazo, é preciso quitar as dívidas existentes ou dar destinação ao dinheiro poupado mensalmente, por exemplo.

Certamente, esses passos dependem da sua situação. Quem já tem liberdade financeira poderá utilizar o planejamento pensando em objetivos mais longos. No entanto, quem ainda não quitou dívidas ou não tem reservas precisa primeiro alcançar essas metas.

Como você pode ver, o planejamento financeiro sempre deve ser precedido por um bom controle. Ele é o primeiro passo para verificar sua situação e determinar as estratégias. Ademais, um ponto fundamental para se planejar é ter objetivos.

A utilização do seu dinheiro precisa ser pautada em desejos, metas e sonhos. Ter objetivos concretos e quantificados é muito importante para que o seu planejamento seja mais eficiente. Por isso, anote as metas, seus prazos e quanto você precisará para alcançá-las.

Assim, seu planejamento seguirá essa ideia e você poderá trabalhar melhor com a sua situação atual. Lembre-se de que os objetivos precisam ser realistas e pautados no controle, para evitar a frustração ou grandes dificuldades.

Como se planejar e fazer o controle financeiro?

Depois de entender o que é o planejamento e o controle financeiro, é preciso saber como colocá-los em prática, não é mesmo? Apesar de já haver algumas informações sobre isso anteriormente, nos tópicos a seguir você se aprofundará nessas questões.

Confira os principais pontos:

1. Acompanhe entradas e saídas financeiras

Parte fundamental do controle financeiro, o acompanhamento de receitas e despesas deve ser feito com rigorosidade. Aqui, a sua planilha deve conter campos específicos para cada uma dessas informações, inclusive com as datas de referência.

Então, sempre que houver alguma despesa, anote na sua planilha. Vale a pena criar uma rotina para alimentar o documento no dia em que você paga as contas do mês. Assim, fica mais fácil não se esquecer de incluir essas informações no seu controle.

É fundamental que a planilha tenha cálculos automáticos, como a soma de gastos e despesas. Além disso, é possível criar campos para verificar esses dados de acordo com suas categorias — como você verá mais adiante.

O resultado da diferença entre gastos e receitas médias é que definirá a sua saúde financeira. Com essa informação, você pode saber se já consegue poupar mensalmente ou se está corroendo o seu patrimônio com dívidas.

Por isso, tenha uma planilha eficiente e acompanhe os seus resultados periodicamente. Manter esse hábito é muito importante para adequar seu planejamento quando necessário e verificar os resultados de cada estratégia.

Saiba Mais:

  1. Como fazer o controle de despesas mensais para investir?
  2. Como se organizar financeiramente? Conheça a resposta!
  3. Disciplina financeira: como melhorar sua relação com o dinheiro?

2. Foque em economizar

Depois é preciso que você encontre maneiras de economizar, principalmente se os seus gastos estão muito perto ou ultrapassando as receitas. Nesse momento, saiba que não é preciso cortar todos os itens supérfluos.

Primeiro, foque em analisar todas as categorias de suas despesas e ver onde gasta mais por mês. Você pode verificar quais são os maiores gargalos da sua renda. Conhecer essa informação é importante para rever hábitos financeiros.

Muitas pessoas focam em cortar pequenos gastos desnecessários, como lanches esporádicos e passeios no fim de semana. Mas, apesar de realmente trazerem despesas, eles podem não influenciar tanto no resultado de suas finanças.

Ademais, os momentos de lazer trazem mais qualidade de vida — que é o objetivo de viver tranquilamente. Então uma estratégia mais eficiente é cortar uma parcela de seus maiores gastos. Afinal, eles são os que mais impactam as finanças.

Se você contrata diversos serviços de streaming, TV por assinatura e outros do tipo, que tal escolher aqueles que menos usa e cancelar? Caso utilize muito os aplicativos de delivery para fazer as refeições normais, também é possível tentar se organizar para cozinhar mais em casa.

Esses são apenas exemplos. Como cada pessoa ou família tem uma rotina e hábitos diferentes, é preciso encontrar estratégias próprias. Lembre-se de focar nos maiores gastos e, se possível, economizar nessas áreas primeiro.

Saiba Mais:

  1. Como economizar dinheiro? Confira 11 dicas fundamentais!
  2. 6 Dicas para economizar dinheiro agora mesmo!

3. Invista seu capital

Depois de conseguir economizar e poupar dinheiro mensalmente, é hora de investir esse capital para não ter prejuízos. Lembre-se de que a inflação diminui o poder de compra do dinheiro ao longo do tempo.

Dessa forma, é preciso investir para, pelo menos, superar os efeitos da inflação e não perder seu patrimônio a longo prazo. Em relação a investimentos, é comum que os brasileiros conheçam apenas a poupança — que é uma conta oferecida por bancos tradicionais.

Contudo, ela é uma das piores maneiras de investir o seu capital. Em muitos momentos, o rendimento da poupança não supera a inflação. Assim, deixar o seu dinheiro nessa aplicação gera perdas ao longo do tempo.

Felizmente existem alternativas que são tão seguras quanto a poupança e ainda oferecem uma rentabilidade mais atrativa. Os títulos de renda fixa do Tesouro Nacional, por exemplo, podem servir para essa finalidade.

E você também pode potencializar a rentabilidade de seus investimentos, se esse for seu objetivo. Para isso, é preciso assumir riscos um pouco maiores, como na bolsa de valores. Com uma boa estratégia, isso pode ser benéfico.

Aqui é preciso fazer uma ressalva: tenha cuidado com empresas que prometem certeza de rentabilidade alta com proteção. Isso pode ser um golpe. Todos os investimentos possuem riscos de diversos níveis e não há como garantir lucros maiores com total segurança.

Como escolher as opções de investimento?

Você percebeu que é fundamental investir seu capital. Mas como escolher as alternativas de investimento entre as disponíveis, sem cair em golpes?

O primeiro passo é abrir conta em uma instituição confiável, como a Genial, para ter acesso a investimentos.  

Confira a seguir outros fatores a se considerar nesse momento!

1. Identificar o perfil de investidor

Um passo essencial é conhecer o seu perfil de investidor. Ele demonstra como você lida com os riscos dos investimentos. Logo, serve como base para nortear as suas decisões ao fazer os aportes de acordo com essas características.

O perfil pode ser dividido em três tipos: conservador, moderado e arrojado, em ordem de tolerância aos riscos. Para conhecê-lo, você pode fazer uma Avaliação do Perfil de Investidor (API), que consiste em um questionário aplicado pelas instituições de investimento.

Saiba Mais: Perfil de Investidor: Você sabe o seu tipo de investidor?

2. Considerar os objetivos financeiros

Também é muito importante considerar os seus objetivos financeiros. Ou seja, o que você deseja alcançar com os investimentos e qual o prazo para isso. Junto com o perfil, são eles que baseiam suas decisões.

No momento de escolher os aportes para compor sua carteira, lembre-se de considerar as finalidades de cada um. Desse modo, você poderá alcançar os seus sonhos e ter um planejamento mais focado e objetivo.

Saiba Mais: Objetivos Financeiros: Como se planejar antes de investir

3. Conhecer as alternativas do mercado

Antes de começar a investir, é essencial conhecer as alternativas disponíveis no mercado financeiro. Nesse ponto, você deve entender todas as características da opção. Por exemplo, riscos, taxas de juros, prazos, como fazer o aporte etc.

Com essas informações será possível avaliar se a alternativa faz sentido para a sua carteira de investimento. A decisão final é tomada quando se considerar as características do investimento em comparação com seu perfil e objetivos financeiros.

Saiba Mais: Aplicações Financeiras: Conheça todos os tipos investimentos!

Como montar uma planilha de gastos?

Como você viu, a planilha de gastos é fundamental para o seu controle e planejamento financeiro. É nela que você anotará as suas despesas para conseguir ter uma visão ampla da situação financeira e basear sua estratégia.

Por isso, é importante saber como montar uma planilha para que ela seja eficiente e o ajude a controlar as finanças. Confira um passo a passo:

1. Escolha o meio, plataforma, ferramenta ou aplicativo

O primeiro passo para montar a planilha é escolher o meio em que ela será utilizada. As principais opções são o Excel, programa muito conhecido da Microsoft, e o Google Sheets. Ambos funcionam de forma parecida.

É fundamental que você saiba como eles funcionam, os tipos de formatação e as fórmulas utilizadas para cálculo antes de começar a montar a planilha. Assim você não perderá tempo com retrabalhos posteriores.

2. Determine as fontes de receita

Depois de escolher o programa utilizado, você deve anotar todas as suas fontes de receita. Ou seja, de quais áreas vêm os seus ganhos mensais. As principais alternativas são:

  • salário;
  • pró-labore;
  • aluguéis;
  • dividendos;
  • benefícios.

Liste essas fontes em diferentes colunas no topo da tabela para facilitar a organização. Nas linhas à esquerda você colocará todos os meses do ano em ordem. Com isso, poderá anotar os ganhos referentes a cada mês com facilidade.

3. Liste as despesas

Em outra aba de sua planilha você fará a mesma formatação do tópico anterior. Contudo, agora é o momento de listar as categorias de despesas mensais. Como existem diversas fontes de gastos, é pensar e anotar isso com antecedência.

Confira os principais exemplos de gastos que você deve anotar:

  • alimentação;
  • moradia;
  • contas de água, luz, telefone e internet;
  • serviços variados;
  • plano de saúde;
  • escola dos filhos;
  • cartões;
  • impostos;
  • lazer.

Da mesma maneira que as receitas, as categorias serão organizadas nas colunas e as linhas da esquerda serão referentes aos meses do ano.

4. Calcule os resultados

Por fim, é preciso fazer o cálculo dos resultados. Em uma planilha simples, as fórmulas utilizadas serão apenas a subtração e a soma. Se você não souber fazer isso ainda, é possível encontrar tutoriais para cada ferramenta.

A ideia é somar todas as receitas de um mês e diminuir esse resultado da soma dos gastos do mesmo mês. O resultado será o saldo daquele período, que pode ser negativo: quando as despesas superaram as receitas; ou positivo — quando as receitas superaram as despesas.

Fazendo isso em todos os meses, você terá um controle eficiente e concreto do seu orçamento. Assim, será possível ter uma planilha que supre as suas necessidades e pode ser aplicada para basear seu planejamento.

Além de aprender a montar a sua, há a possibilidade de utilizar um dos modelos de planilhas de gastos disponíveis na internet, inclusive você encontra alguns modelos em nosso blog. Com isso, você pode encontrar uma ferramenta ainda mais completa e eficiente para controlar suas finanças.

Nesse sentido, a planilha de gastos da Genial pode ser uma ótima aliada para suas finanças. Com ela você controla despesas e receitas, além de ter resultados e indicadores próprios para acompanhar sua evolução financeira.

Quero baixar uma cópia da planilha!

Entendeu como funciona uma planilha de gastos e a sua importância? Lembre-se que o seu controle e planejamento financeiro dependem dessa ferramenta. Então é fundamental criar o hábito de mantê-la atualizada.

Ficou interessado em começar a investir para utilizar o seu dinheiro de forma inteligente? Conheça o portfólio da Genial!

Comentários