O mercado financeiro oferece diversas possibilidades para as pessoas poderem investir e ganhar dinheiro. Nesse contexto, um produto popular é o título de capitalização — mas você sabe se ele é um investimento e se vale a pena destinar parte dos seus recursos a ele?

Normalmente, esse tipo de título é oferecido por bancos aos seus clientes e, por conta dessa característica, as pessoas acreditam que ele seja um investimento. No entanto, a afirmação não é verdadeira e essa alternativa tem algumas características específicas.

Quer entender o que é um título de capitalização, como ele funciona e se compensa usar seu dinheiro para adquirir esse produto? Então confira as informações deste post com atenção!

Título de capitalização: o que é e como funciona?

O título de capitalização é um produto financeiro cujo objetivo é oferecer às pessoas que o compram a possibilidade de ganhar prêmios por meio de sorteios. Ele é regulamentado e fiscalizado pela Susep (Superintendência de Seguros Privados).

Esse é o órgão regulamentador dos mercados de seguros, capitalização, previdência complementar aberta e resseguros. Seguindo as regras da Susep, o funcionamento do título de capitalização se inicia com a aquisição dele e o depósito mensal de determinada quantia.

Esse montante pode ser R$ 50, R$ 80, R$ 100 ou mais (essa questão varia conforme o produto escolhido). A partir disso, você tem a chance de ganhar diferentes tipos de bonificações.

O aporte financeiro deve ser feito durante um prazo específico, que varia em cada título. Ao longo desse tempo de contribuição, você tem direito a participar de sorteios que podem ser semanais, mensais, trimestrais, semestrais ou anuais.

Depois, após o prazo de aplicação ser encerrado, o dinheiro que destinou ao longo dos anos será depositado em sua conta bancária. Na prática, você pode ou não ganhar prêmios — trata-se de uma questão de sorte, assim como a loteria.

A seguir, entenda com mais detalhes sobre cada elemento presente nesse tipo de título!

Como são feitos os depósitos?

Como você viu, os depósitos no título de capitalização devem ser feitos pelos clientes mensalmente durante um período específico. Essa é a maneira mais conhecida e utilizada pelas pessoas que destinam recursos a esse produto.

Contudo, vale ressaltar que esse pagamento também pode ser feito à vista — o que, inclusive, costuma gerar algum tipo de desconto. Por isso, ao considerar essa alternativa, é essencial fazer uma leitura atenta sobre as regras e condições determinadas na contratação.

Quais as regras dos sorteios e prêmios?

Enquanto o título de capitalização estiver disponível, todas as pessoas que destinam quantias a ele têm direito a participar de sorteios. Lembrando que a periodicidade depende de cada produto (geralmente, eles são realizados uma vez por semana ou uma vez por mês).

Em relação aos prêmios, é válido destacar que eles podem ser tanto de bens e produtos — como carros, motos, eletrodomésticos etc. — quanto em dinheiro. Para ganhá-los, é uma questão estritamente ligada à sorte, conforme você entendeu.

Não há nenhum tipo de garantia de que você ou outra pessoa será contemplada. Portanto, antes de destinar qualquer capital a essa alternativa, tenha esse aspecto em mente, ok?

Como é feito o resgate?

Outro ponto relevante que você deve saber sobre o título de capitalização se refere ao resgate. Isso porque ele deve ser feito apenas no encerramento do prazo. Caso você queira reaver o seu capital antes do período combinado, é comum que exista a cobrança de multas, gerando perdas financeiras.

Ademais, mesmo que você resgate seus recursos apenas na data de vencimento do título, é importante saber que a quantia tende a ser menor do que você aportou inicialmente.

Isso acontece porque uma parte do dinheiro é usada para custear os prêmios do sorteio e a outra para lidar com taxas administrativas. Ainda, há os efeitos da inflação sobre o montante, reduzindo o poder de compra.

Qual a rentabilidade do título de capitalização?

Você percebeu que, ao destinar recursos a um título de capitalização, o seu dinheiro nem sempre aumentará no final do período. Na verdade, ele também poderá diminuir.

A rentabilidade dos títulos de capitalização, embora seja vinculada a uma taxa de atualização, como a TR (Taxa Referencial), e uma taxa de juros mensais, costuma ser baixa. Em alguns casos, ela tende a render menos do que a poupança — um investimento que oferece um dos rendimentos menos atrativos do mercado.

Assim, é provável que seu dinheiro não evolua com o passar do tempo, e você ainda corre o risco de perder o seu poder de compra — você viu.

Qual o propósito desse produto financeiro?

Diante das informações sobre a rentabilidade do título de capitalização, é relevante entender que a proposta dele não é oferecer rendimentos, como aplicações e ativos do mercado financeiro. Esse produto apenas funciona como uma forma de guardar dinheiro e participar de sorteios.

Por essa característica, é válido observar que os títulos de capitalização não são investimentos. Afinal, o objetivo não é fazer seu dinheiro render com o passar do tempo.

Se você comprar, por exemplo, um título de capitalização e destinar R$ 60,00 por mês durante 2 anos, no final do prazo é provável que você receba apenas R$ 1.440,00 ou até menos, dependendo das regras e taxas cobradas.

Veja, a seguir, uma comparação dessa alternativa com o Tesouro Selic para entender essa questão de maneira prática e clara!

Comparação: título de capitalização x Tesouro Selic

O Tesouro Selic é um investimento de renda fixa, caracterizado por ser o mais seguro do mercado, cuja rentabilidade acompanha a taxa Selic. Suponha que ela esteja em 8,0% ao ano e você aplicará os mesmos R$ 60,00 durante o prazo de dois anos.

No final desse período, você terá, de maneira bruta, R$ 1.551,75, e não os R$ 1.440,00. Ou seja, você ganhará em juros R$ 111,75 — o que é mais interessante, não é mesmo? Afinal, nessa circunstância, o seu dinheiro aumentou com o passar do tempo.

No caso do título de capitalização, o seu capital não cresce e a única forma de você ser beneficiado é caso seja sorteado em algum momento. Lembrando que a dificuldade em conseguir esse feito está em haver muitas pessoas que compram essa alternativa, com chances reduzidas de serem contempladas.

Afinal, vale a pena investir em títulos de capitalização em 2023?

Com base em todas as informações que você conferiu até aqui, já dá para ter uma ideia melhor sobre a atratividade dos títulos de capitalização, certo? Embora essa alternativa possa ser uma forma de ajudar a desenvolver o hábito de economizar todo mês, ela não oferece benefícios concretos.

Afinal, você depende da sorte para ganhar dinheiro ou algum bem específico. Além disso, é válido ressaltar que, ao contrário de diversos investimentos, o título de capitalização não conta com a cobertura do FGC (Fundo Garantidor de Créditos).

O FGC é uma entidade privada que garante o ressarcimento de até R$ 250.000,00 por CPF e por instituição financeira em caso de quebra ou falência do banco. O limite é de R$ 1 milhão, renovado a cada 4 anos.

Isso significa que se você tiver, por exemplo, R$ 50.000,00 em um título de capitalização de uma instituição financeira e ela quebrar, você corre o risco de perder todo o seu dinheiro.

Portanto, se o seu objetivo é fazer o seu patrimônio crescer e ter mais segurança ao investir, saiba que existem outras opções mais atrativas no mercado financeiro.

Onde encontrar as melhores opções para investir?

Agora você percebeu que o título de capitalização não é a opção mais atrativa do mercado para quem deseja investir e fazer o dinheiro render. Diante disso, quais seriam as alternativas a esse produto disponíveis?

Existem diversas oportunidades, tanto na renda fixa quanto na renda variável. Porém, para escolhê-las com inteligência, é fundamental considerar o seu perfil de investidor e os seus objetivos financeiros.

Isso porque, com base neles, você poderá tomar decisões mais estratégicas, embasadas e adequadas ao estruturar o seu portfólio. Logo, não deixe de considerar esses aspectos para fazer boas escolhas.

Feita essa observação, confira algumas opções de investimentos para você analisar e ter a chance de fazer o seu dinheiro render mais que em um título de capitalização!

Títulos do Tesouro Direto

Se você é uma pessoa que busca segurança ao investir, saiba que as aplicações do Tesouro Direto podem ser uma forma de substituir o título de capitalização. Esses títulos são emitidos pelo Governo Federal, sendo classificados como os mais seguros do Brasil.

Essas aplicações fazem parte da renda fixa, então a rentabilidade delas já é conhecida no momento de investir. Na prática, o Tesouro Direto funciona da seguinte maneira: você compra um dos títulos oferecidos pelo Governo, de modo a fazer um empréstimo.

Em troca, ele devolve o montante que você investiu com o acréscimo de juros. Vale saber que existem quatro títulos do Tesouro Direto: Tesouro Selic, Tesouro Prefixado, Tesouro IPCA+ e o Tesouro RendA+. Cada um tem suas próprias características, sendo indicados para diferentes objetivos.

Por exemplo, o Tesouro Selic costuma ser utilizado por muitos investidores para montar a reserva de emergência. Já o Tesouro IPCA+ é uma opção para quem deseja que o dinheiro aplicado sempre renda acima da inflação.

Cada título tem um propósito, inclusive para prazos específicos (curto, médio ou longo). Por isso, você deve estudar as alternativas de modo a entender quais delas se encaixam melhor em suas metas e objetivos.

CDBs

Outra opção para investir no lugar do título de capitalização são os CDBs (certificados de depósito bancário). Eles também fazem parte da renda fixa e possuem características semelhantes às dos títulos do Tesouro.

Os CDBs funcionam como uma forma de empréstimo feito para as instituições financeiras. Por esse motivo, eles são classificados como títulos privados.

Nesse investimento, assim como nos títulos do Tesouro, você pode encontrar opções com diferentes características. Existem CDBs, como os de liquidez diária, que fazem sentido para montar a reserva de emergência.

Também há CDBs com diferentes lógicas de remuneração para atender a variados objetivos. Novamente, é importante que você estude cada um deles para analisar aqueles que mais fazem sentido para o seu portfólio.

Além desse ponto, vale destacar que esse investimento conta com a proteção do Fundo Garantidor de Créditos — o que gera mais segurança.

LCIs e LCAs

Mais duas aplicações de renda fixa que contam com a garantia do FGC são as LCIs e LCAs — letras de crédito imobiliário e letras de crédito do agronegócio. Como o próprio nome já indica, essas duas alternativas estão relacionadas a investimentos em imóveis e no setor agro.

O funcionamento desses dois investimentos é semelhante ao dos títulos do Tesouro Direto e dos CDBs. O dinheiro que você investe é remunerado por meio de uma taxa de juros específica que você sabe no momento da aplicação. Também há cobertura do FGC.

Porém, tanto a LCI quanto a LCA têm uma vantagem: ambas são isentas de IR (Imposto de Renda) para pessoas físicas. Isso ocorre porque esses investimentos são ligados a áreas essenciais para a economia brasileira. Logo, trata-se de uma forma de incentivar os aportes financeiros nessas alternativas.

Ações, BDRs, ETFs e FIIs

Até aqui, você conferiu algumas opções presentes na renda fixa para investir no lugar do título de capitalização. Porém, se você quiser expandir ainda mais as possibilidades, pode considerar os ativos de renda variável, como:

  • Ações;
  • BDRs (brazilian depositary receipts);
  • ETFs (exchange traded funds);
  • FIIs (fundos imobiliários).

Você pode investir neles por meio da bolsa de valores brasileira, a B3. Ao contrário dos investimentos em renda fixa, aqui não há previsibilidade sobre o retorno que você terá. Ou seja, trata-se de alternativas mais arriscadas e voláteis.

Portanto, antes de destinar qualquer quantia a esses ativos, é indispensável considerar o seu perfil de investidor e avaliar se você está disposto a correr riscos. É válido destacar que ao investir em alternativas de renda variável, você terá um potencial de retorno maior em comparação com aplicações de renda fixa.

Porém, tenha em mente que o retorno não é garantido e há mais riscos envolvidos. Sendo assim, só invista nesses ativos se você entender que eles fazem sentido para a sua carteira de investimentos e estratégias.

Você aprendeu que o título de capitalização, embora seja um produto bastante popular, não é a opção mais atrativa para quem quer fazer o dinheiro render. Se esse é o seu caso, vale considerar outras alternativas de investimento para ver o seu patrimônio evoluir com o passar do tempo.

Gostou do conteúdo? Acredita que ele possa ser útil para outras pessoas? Compartilhe-o com seus amigos e familiares que compram ou estão pensando em comprar títulos de capitalização!

Antonio Pandim Neto

Especialista de investimentos aqui na Genial há mais de dois anos. Premiado como Melhor Assessor Genial Pleno 2022 e Assessor Destaque 2021. Possui as certificações CEA, CPA 20, PQO e Green Belt.

Ver todos os artigos
Campanha Institucional - Ativação - Abra sua conta

Navegação rápida

O link do artigo foi copiado!