Ações e FuturosInvestimentos

O que é um IPO e por que uma empresa abre o capital

Por 19 de junho de 2017 Nenhum comentário

Se você acompanha mais ou menos o noticiário econômico, já deve ter se deparado com a sigla IPO. Ela significa Initial Public Offering ou Oferta Pública Inicial e é usada para caracterizar a primeira oferta pública de ações de uma companhia de capital aberto no mercado – ou seja, o momento em que uma empresa lança ações na bolsa pela primeira vez.

Mas o que significa abrir o capital e por que uma empresa faz um IPO?

Abrir o capital significa tornar o quadro acionário acessível ao público, permitindo ao mercado fazer parte do seu quadro de sócios de alguma forma.

Companhias de capital aberto podem, ainda, negociar uma série de valores mobiliários nas bolsas de valores ou no mercado de balcão. Além das próprias ações, podem emitir outros tipos de títulos, como debêntures, notas promissórias e bônus de subscrição para financiar as próprias atividades.

A emissão de títulos e valores mobiliários serve, por exemplo, para financiar investimentos em novos projetos, expansão, diversificação de negócios ou mesmo a reestruturação das suas obrigações financeiras.

Para se tornar uma companhia aberta, a empresa precisa estar constituída sob a forma de sociedade anônima e obter registro de companhia aberta junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), entidade reguladora do mercado de capitais.

Se a companhia quiser ter ações negociadas em bolsa de valores, entretanto, é preciso também obter um registro junto à Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&FBovespa).

É importante notar que a abertura de capital não requer obrigatoriamente a oferta de ações. Uma empresa pode querer abrir o capital, por exemplo, apenas para poder emitir debêntures.

A oferta pública de ações implica uma série de exigências de transparência que pode não ser interessante para o negócio de todas as empresas.

Oferta primária X oferta secundária

A oferta primária ocorre quando os recursos obtidos junto aos investidores com a emissão de ações vão para o caixa da companhia. Para a empresa, esta é uma forma em geral mais barata de se financiar do que os empréstimos.

Já a oferta secundária ocorre quando grandes sócios atuais da companhia vendem sua participação na bolsa. Os recursos vão, então, para o bolso dos sócios que se desfizeram da sua parte.

Isso pode ocorrer, por exemplo, quando a empresa contou com o investimento de um fundo de private equity na época em que ainda não tinha capital aberto, e chega a hora de o fundo sair do negócio e realizar os lucros do seu investimento.

Um IPO pode tanto ser uma oferta primária quanto uma oferta secundária. Mas apenas no primeiro caso a companhia de fato capta recursos para si.

Além disso, mesmo após o IPO, uma empresa pode fazer novas ofertas primárias e grandes sócios podem fazer novas ofertas secundárias. A capitalização da Petrobras em 2010 é um bom exemplo de oferta primária de ações feita depois que a companhia já tinha feito IPO.

Quaisquer negociações de ações entre sócios, majoritários ou minoritários, não afetam o caixa da empresa.

Por que uma empresa abre o capital

Abrir o capital tem uma série de vantagens para a empresa. Financiar-se por meio da oferta de ações em geral é mais barato para a companhia do que captar recursos por meio de dívidas.

É, ainda, uma fonte de recursos ilimitada. Enquanto a empresa tiver projetos viáveis e rentáveis, haverá investidores interessados em financiá-los.

Também não existe a mesma pressão que existe no financiamento por dívida: o investimento dos sócios não tem prazo de amortização e resgate nem retorno definido; a rentabilidade depende unicamente do desempenho da empresa.

A abertura de capital também aumenta a liquidez patrimonial da companhia, o que facilita processos como a saída de sócios que estejam em fase de desinvestimento e realização dos lucros (no caso, por exemplo, dos investidores de risco), a sucessão do comando da empresa e a partilha entre os futuros herdeiros dos sócios majoritários.

Além disso, a companhia ganha mais visibilidade, passa a ser mais mencionada na mídia e acompanhada por analistas. A cotação de suas ações é um indicativo de seu valor, pois reflete a percepção dos investidores sobre as perspectivas futuras da companhia.

A transparência também aumenta, pois a empresa passa a ser obrigada a prestar uma série de informações ao mercado. Isso pode melhorar suas condições de negociação com fornecedores e instituições financeiras

Dependendo do nível de governança da companhia, ela precisa cumprir mais ou menos exigências de transparência e organização. Quanto mais elevado o nível de governança corporativa, mais transparente deve ser a companhia e mais resguardados estão seus sócios.

Oferta Pública de Aquisição (OPA)

Uma companhia também pode recomprar suas próprias ações. Esse procedimento chama-se Oferta Pública de Aquisição (OPA), e pode ser parcial ou total.

Ao recomprar parcialmente suas ações, a empresa pode estar tentando sinalizar para o mercado, por exemplo, que acredita no seu negócio e que acha que suas ações deveriam valer mais. Caso decida fechar seu capital, a empresa aberta deve recomprar todas as suas ações.

Ficou alguma dúvida sobre o post? Deixe sua dúvida nos comentários!


Quer investir melhor o seu dinheiro? Saiba como a GENIAL Investimentos pode ajudar você!

Genial

Genial

A Genial é a plataforma de investimentos que está democratizando o acesso aos melhores produtos do mercado, de forma simples, ágil e eficiente, através de uma assessoria financeira isenta, transparente e qualificada.