A cada 45 dias, o Conselho de Política Monetária (Copom) define a taxa do Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic). Se estes nomes lhe são pouco familiares e esta informação parece não ter tanta importância para você, fique atento. Estamos falando de algo que mexe diretamente com o seu dia a dia e, mais do que isso, implica em impactos no seu bolso. Então, vamos compreender melhor do que se trata?

A chamada taxa Selic é utilizada pelo Banco Central para cobranças em empréstimos feitos a outras instituições financeiras. Ela também serve como referência para as demais taxas de juros cobradas no mercado em produtos como cartão de crédito, cheque especial, financiamentos e investimentos, por exemplo. Compreende como se dá a relação com o seu dinheiro?

Na prática, a taxa Selic influencia diretamente a inflação, e este é mais um motivo para que você fique de olho nela. Quando a Selic está num patamar alto, significa que “o dinheiro está caro”. Sendo assim, o momento exige maior controle financeiro e atenção aos gastos.

Por outro lado, se a taxa Selic está mais baixa, o momento é propício para estimular o consumo e a movimentação econômica. Até março de 2018, o Governo Federal realizou 12 cortes consecutivos, trazendo a Selic ao patamar de 6,5%, o mais baixo registrado na série histórica. Na reunião mais recente feita pelo Copom, em março de 2019, este percentual foi mantido.

Sobre a inflação

Aferida mensalmente pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a inflação se refere à variação de preços dos produtos e é determinada por questões de mercado, baseada na lei da demanda e da oferta. O IPCA fechou 2018 em 4,5%.

A taxa Selic é o principal mecanismo utilizado pelo Governo na tentativa de controlar a inflação e a oscilação da economia nacional.

Qual é o reflexo para o investidor?

Antes de responder a esta pergunta, é importante lembrar que há investimentos em renda fixa que possuem rendimentos atrelados à Selic e ao IPCA. Portanto, se você já é um investidor ou está querendo começar a investir precisa estar atento a este detalhe.

Os preços dos títulos de renda fixa variam conforme o comportamento da sua taxa de juros, isto é, da remuneração que eles pagam. Quando a atualização dos preços de um ativo é feita diariamente, como é o caso de títulos públicos e cotas de fundos de renda fixa, é chamada de marcação a mercado.

Entenda como é feita a precificação

Existem três tipos de rendimento: o prefixado, o pós-fixado e o híbrido.

– Títulos prefixados: pagam apenas uma taxa de juros nominal, pré-acordada e já conhecida no ato do investimento, sem qualquer indexador.

– Títulos pós-fixados: costumam estar atrelados a algum índice de mercado, como a Selic ou o Certificado de Depósito Interbancário (CDI).

– Títulos híbridos: têm parte da rentabilidade prefixada e outra pós-fixada. Geralmente, são atrelados ao IPCA e se apresentam assim: “IPCA + 2,47% a.a.”. No exemplo, significa que seu dinheiro irá render 2,47% ao ano, mais a variação da inflação.

Os títulos públicos prefixados chamam-se Tesouro Prefixado (LTN) e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais (NTN-F).

Os títulos públicos pós-fixados chamam-se Tesouro Selic (LFT) e pagam, na data de vencimento, a variação da Selic no período.

Entre os títulos de renda fixa privados há inúmeros tipos de papéis que podem ser pós-fixados, como o Certificado de Depósito Bancário (CDB), a Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA). Eles costumam pagar um percentual da taxa DI acumulada até a data de vencimento do papel. Por exemplo, 90% do DI, 100% do DI, e assim por diante.

A precificação dos títulos de renda fixa pós-fixados é simples de entender. Partindo do seu preço inicial, ele é atualizado diariamente, de acordo com a variação do seu indexador.

Já os títulos públicos atrelados à inflação são o Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal) e o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTN-B). Entre os títulos privados, os papéis prefixados ou atrelados à inflação podem ser, por exemplo, CDB, LCI, LCA ou debêntures.

Que retorno eu posso ter?

Os títulos pós-fixados são corrigidos pelos seus indexadores. Assim, quanto maior o DI/Selic, maior sua remuneração e mais seus preços aumentam. Sua rentabilidade tende a ser positiva, sejam eles resgatados na data de vencimento ou de forma antecipada.

Já os prefixados e atrelados à inflação tendem a se valorizar quando a expectativa é de queda no DI/Selic até sua data de vencimento, desvalorizando-se quando a expectativa é de alta nos juros.

Se carregados ao vencimento, eles pagam exatamente a rentabilidade contratada. Porém, se vendidos ou resgatados antecipadamente, o investidor irá receber o preço de mercado, que pode ser maior ou menor do que o preço de compra.

Assim, na venda antecipada a rentabilidade pode ser tanto positiva quanto negativa. E se for positiva pode chegar a ser proporcionalmente maior do que a rentabilidade que o investidor teria se tivesse levado o papel ao vencimento.

Orientação

De qualquer forma, os títulos de renda fixa garantem vantagens que vão além da rentabilidade. São opções de investimentos seguras e alguns apresentam liquidez diária, o que significa facilidade ao resgatar o dinheiro em espécie.

Os títulos de renda fixa são indicados para investidores com perfis conservador e moderado. São bastante democráticos, com a possibilidade de investimento inicial a partir de R$ 30.

A orientação é que se busque auxílio de uma corretora para definir qual é a opção mais indicada para o momento que você vive e os planos que deseja realizar. E lembre-se: é sempre importante ficar de olho nos comportamentos da Selic e do IPCA.

Entendeu a importância da taxa Selic e da inflação para os investimentos? Compreendendo os principais conceitos referentes ao mercado financeiro, você investe melhor e de forma mais segura.

Se precisar de ajuda para escolher o produto que mais combina com o seu perfil, conte com a Genial Investimentos. Somos a plataforma de investimentos que está democratizando o acesso aos melhores produtos do mercado, de forma simples, ágil e eficiente, por meio de uma assessoria financeira isenta, transparente e qualificada.

abra sua conta

Publicado por Genial

A Genial é a plataforma de investimentos que está democratizando o acesso aos melhores produtos do mercado, de forma simples, ágil e eficiente, através de uma assessoria financeira isenta, transparente e qualificada.

Contentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *