CDB 220% do CDI com liquidez diária.

Qual o melhor investimento para a aposentadoria? A resposta a essa pergunta depende muito do perfil do investidor, mas as melhores aplicações financeiras para esse objetivo são aquelas focadas no longo prazo.

Existem produtos financeiros especialmente voltados para o investimento para a aposentadoria. É o caso dos planos de previdência privada. Eles recebem tratamento tributário diferente, que possibilita ao investidor pagar menos imposto de renda e, com isso, acumular mais recursos no longo prazo.

Planos de previdência são recomendados para quem não tem tempo ou não se sente seguro de fazer, por conta própria, a simulação de quanto poupar e a escolha dos investimentos.

Também são indicados para quem tem dependentes, sobretudo menores de idade, e deseja que eles tenham fácil acesso a um patrimônio ou uma renda mensal após sua morte.

Outros investimentos não são específicos para a aposentadoria, mas tendem a ser bastante rentáveis no longo prazo. É o caso dos títulos de renda fixa atrelados à inflação e das ações.

Esses investimentos são indicados para investidores mais independentes, que querem manter o controle sobre a escolha dos ativos e a gestão do seu patrimônio pessoalmente.

Conheça as diferenças e semelhanças entre aposentadoria privada e aposentadoria pública.

O melhor investimento para a aposentadoria

Previdência privada

Os planos de previdência privada são produtos financeiros voltados especificamente para a formação de poupança para a aposentadoria. Eles recebem tratamento tributário diferente de outros tipos de investimento, o que os torna vantajosos para qualquer tipo de objetivo de longo prazo – oito anos ou mais.

Há dois tipos de planos de previdência. Os planos fechados, também chamados de fundos de pensão, são oferecidos por empresas aos seus empregados ou por entidades de classe a seus associados. Seus custos em geral são baixos, o que os torna bastante vantajosos.

Quando patrocinados – isto é, quando o empregador também contribui em nome do empregado – são particularmente atrativos. Quem tem acesso a um plano de previdência fechada, deve aproveitar.

Já os planos abertos são aqueles oferecidos por instituições financeiras a quaisquer interessados. Em razão disso, têm custos mais altos que os planos fechados, mas são acessíveis a qualquer pessoa. Os mais comuns são os PGBL e os VGBL.

Os PGBL são voltados para quem entrega a declaração completa do imposto de renda, enquanto os VGBL, para quem entrega a declaração simplificada.

Por contarem com benefícios tributários, eles se tornam vantajosos se forem minimamente competitivos em relação a fundos de investimento comuns, tanto em termos de custos quanto de rentabilidade.

A previdência privada é o investimento para a aposentadoria mais indicado para quem prefere uma gestão profissional e voltada especificamente para esse objetivo.

Saiba tudo sobre previdência privada e veja como esse produto pode ajudar você a poupar para o longo prazo.

Títulos públicos atrelados à inflação

Esses investimentos de renda fixa garantem uma rentabilidade acima da inflação. Proteger o poder de compra dos recursos em investimentos de longo prazo é fundamental, para que a inflação não acabe corroendo por completo o valor da moeda.

Os títulos públicos indexados à inflação podem ser comprados pelo Tesouro Direto, o programa de compra e venda de títulos públicos do Tesouro Nacional. Recebem os nomes de Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal) e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTN-B).

Ambos pagam uma rentabilidade definida no ato do investimento mais a variação da inflação pelo IPCA no período. Seus prazos também podem ser bem longos. Há títulos com vencimento em 2050.

Mas entre os dois tipos de título, o Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal) é o mais interessante para quem está acumulando recursos para se aposentar no futuro. O outro paga juros semestralmente, gerando uma renda para o investidor; no Tesouro IPCA+, entretanto, os rendimentos continuam aplicados, gerando mais rentabilidade com o tempo.

Esse tipo de investimento não conta com qualquer incentivo fiscal para quem investe para o longo prazo, mas o risco de calote é baixíssimo, uma vez que há garantia do governo federal.

Para investir no Tesouro Direto, o investidor precisa abrir conta numa corretora de investimentos e pedir para ser habilitado no sistema do Tesouro. Ele pode ir comprando os títulos aos poucos, casando as datas de vencimento com a época em que pretende se aposentar. Os custos do investimento são baixos, caso a corretora não cobre taxa de custódia.

Investir em títulos públicos pode ser uma boa alternativa para quem quer controlar de perto seus investimentos para a aposentadoria e consegue ter disciplina para gerir seu patrimônio por conta própria.

Tesouro Direto: tudo que você precisa saber

Ações e fundos de ações

Investidores mais arrojados e com bastante tempo até a aposentadoria também podem investir em ações de empresas boas pagadoras de dividendos.

O investimento em renda variável tem alto potencial de retorno, o que pode resultar em um patrimônio maior em menos tempo, em comparação a outros investimentos. Mas é preciso que o investidor esteja ciente dos riscos de oscilação dos papéis e de que é possível ter retornos negativos momentâneos.

Quem não tiver tempo ou conhecimento para escolher as ações por conta própria pode optar por um bom fundo de ações, deixando tudo para um gestor profissional.

A renda variável é vantajosa sobretudo para os mais jovens, que têm um prazo grande de acumulação pela frente. Eles podem se beneficiar do ganho potencial das ações no longo prazo, além de ter tempo para recuperar eventuais perdas.

Investidores que estejam muito perto da aposentadoria devem evitar concentrar um grande percentual da sua carteira em ações. O ideal é preferir ativos menos arriscados.

Seja como for, a parcela alocada em renda variável deve ser mensurada com cuidado, com base em quanto a pessoa pode poupar, sua situação profissional, sua idade e o patrimônio que ela já tem.

Focar em empresas sólidas e que paguem bons dividendos ao investir para a aposentadoria é especialmente interessante quando os dividendos forem reinvestidos na compra de mais ações, aumentando ainda mais o bolo.

O básico que você deve saber para investir com foco em dividendos

Comentários