CDB 220% do CDI com liquidez diária.

É comum que os títulos públicos sejam um dos primeiros investimentos conhecidos por quem inicia sua jornada no mercado financeiro. Afinal, investidores de diferentes perfis e com diversos objetivos podem se interessar por esses produtos. Mas você sabe como aplicar no Tesouro Direto? 

Os investimentos disponíveis na plataforma são de renda fixa. Isso significa que, no momento da aplicação, você sabe quanto vai receber ou conhece a lógica de rentabilidade se mantiver o título até a data de vencimento. Contudo, existem particularidades que devem ser avaliadas antes de investir. 

Pensando nisso, neste artigo você entenderá como aplicar no Tesouro Direto e como funcionam os diferentes títulos públicos. Continue a leitura e saiba mais! 

O que é o Tesouro Direto? 

Antes de saber como aplicar no Tesouro Direto, é importante entender o que o termo significa. Não se trata de um investimento em si, mas sim de um programa do Tesouro Nacional desenvolvido em parceria com a bolsa de valores brasileira — B3. 

Vale saber que o Tesouro Nacional foi criado em 10 de março de 1986 e representou um passo importante para o fortalecimento das finanças públicas do país. Ele ajudou a consolidar a modernização institucional e a sistematizar a gestão responsável pelos recursos públicos.  

Já o Tesouro Direto é uma plataforma utilizada para a venda de títulos públicos federais para pessoas físicas, de forma completamente digital. O programa foi lançado em 2002 com o objetivo de democratizar o acesso aos títulos públicos. 

Dessa maneira, ele facilita o acesso das pessoas aos investimentos nos títulos do Tesouro Nacional. Além disso, a plataforma do Tesouro Direto oferece alternativas que apresentam características específicas.  

Nela, é possível encontrar títulos com diferentes: 

  • tipos de rentabilidade (prefixada, ligada à variação da taxa básica de juros da economia ou à variação da inflação); 
  • prazos de vencimento; 
  • fluxos de remuneração. 

Com tantas opções, é mais fácil encontrar uma alternativa adequada para os seus objetivos — sejam eles de curto, médio ou longo prazo. Por isso, é interessante aprender mais sobre as aplicações disponíveis.  

Quais são os objetivos do Tesouro Direto? 

Os objetivos da plataforma não se resumem a garantir o acesso de todos os cidadãos ao investimento em títulos da dívida pública federal. De acordo com o próprio site do Tesouro Direto, também são finalidades do programa: 

  • promover a educação financeira dos brasileiros; 
  • ser referência em investimento para os cidadãos; 
  • estimular os brasileiros a pouparem; 
  • incentivar a competitividade no mercado financeiro
  • ser uma alternativa de investimento popular e acessível. 

Quais são as características do Tesouro Direto? 

Os títulos do Tesouro possuem uma série de características que os tornam interessantes para diversos investidores. Dessa maneira, para garantir escolhas acertadas para a sua carteira de investimentos, é importante conhecê-las. 

Conheça a seguir: 

Seguro 

Os investimentos em títulos públicos realizados por meio do programa Tesouro Direto são totalmente garantidos pelo Tesouro Nacional. Por isso, são considerados os mais seguros do país. 

Completamente digital 

O investidor também não precisa sair de casa para investir. Todo o sistema foi criado em um modelo digital, que permite investimentos feitos via internet por meio da sua corretora de valores.  

Ainda, você pode fazer movimentações e acompanhar os seus investimentos via site ou aplicativo oficial do Tesouro Direto. Existem versões tanto para Android quanto para iOS

Flexível 

Com a plataforma do Tesouro Direto, você escolhe os títulos nos quais desejai investir de acordo com as suas necessidades. Como você viu, existem alternativas com diferentes prazos de vencimento, tipos de rentabilidade e fluxos de remuneração. 

Liquidez diária 

Os títulos oferecem liquidez diária, então é possível resgatá-los a qualquer momento. Isso porque o Governo Federal garante a recompra dos títulos. Mas algumas opções se expõem à marcação a mercado, que explicaremos mais à frente.  

Acessível 

A acessibilidade é uma característica importante dessas aplicações, que não exigem muito dinheiro do investidor. Com pouco mais de R$ 30 você consegue fazer seu investimento nos títulos do Tesouro.  

Quais são os títulos que podem ser encontrados? 

Também é importante entender o funcionamento de cada um dos títulos disponibilizados. Esse conhecimento permite que você faça escolhas mais adequadas para os seus objetivos e as suas expectativas. 

Aprenda quais são e como funcionam os títulos da plataforma do Tesouro Direto: 

Tesouro Selic 

Provavelmente, essa é a aplicação mais conhecida entre os investidores. Devido às suas características, ela tem sido muito utilizada como substituta à caderneta de poupança. Um dos motivos para isso é a rentabilidade mais atrativa, pois o Tesouro Selic rende 100% da taxa Selic.  

Outra característica importante é que ele tem uma rentabilidade diária, não apenas mensal, como na poupança. Além disso, o título conta com alta liquidez. Conforme foi possível aprender, essa característica está presente em todos os títulos públicos, mas existe um diferencial no Tesouro Selic.  

Ele não tem tanta exposição à marcação a mercado, que consiste na variação de preço dos títulos conforme a cotação do dia. Isso faz com que a taxa de juros apresentada no momento da aplicação só seja garantida se o investidor mantiver o dinheiro investido até o vencimento. 

Assim, nas outras aplicações do Tesouro Direto, a marcação a mercado traz riscos de perder parte do valor em caso de resgate antecipado. Contudo, no caso do Tesouro Selic, o impacto das variações é menor.  

Por esse motivo, ele oferece maior tranquilidade em relação à liquidez e costuma ser uma das alternativas para quem deseja alocar a reserva de emergência

Tesouro prefixado 

Ao contrário dos demais títulos, o Tesouro prefixado não tem a rentabilidade atrelada a um indicador econômico. Nesse caso, a taxa anual é combinada previamente e indicada por um percentual. Então o investidor pode calcular exatamente quanto receberá no vencimento da aplicação. 

Cabe ressaltar que o valor calculado só é válido se o investimento for mantido até o fim do prazo estabelecido. Em caso de saques antecipados, há exposição à marcação a mercado. 

Também é importante saber que o programa oferece diversas opções, com prazos e taxas de juros diferenciados. Ademais, o fluxo de remuneração também varia. Nesse caso, existem duas alternativas: o Tesouro prefixado tradicional e aquele com cupons de juros semestrais. 

A diferença é que a rentabilidade do primeiro é recebida integralmente no momento do resgate do título. Já no segundo tipo acontece o pagamento dos juros a cada seis meses. Portanto, pode ser uma alternativa para quem visa ter uma renda recorrente. 

Tesouro IPCA 

Por fim, o Tesouro IPCA combina as duas formas de rentabilidade dos outros dois títulos. Ou seja, ele tem uma parte pós-fixada atrelada a um indicador econômico e outra prefixada. No caso, utiliza-se o índice da inflação — o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). 

Como é garantida uma taxa prefixada, o rendimento desse título está sempre acima da inflação. Assim, pode ser uma boa alternativa para quem quer proteger o dinheiro da perda de poder de compra ao longo dos anos, além de garantir um ganho real. 

Para saber como acontece com os outros títulos, é necessário calcular por conta própria a rentabilidade real da aplicação. No entanto, no Tesouro IPCA essa questão fica mais evidente, pois eles estão atrelados à taxa prefixada oferecida. 

Aqui, também é possível encontrar títulos com taxas e prazos diferentes para escolher a mais adequada às suas necessidades. Existem títulos do Tesouro IPCA com e sem juros semestrais, que funcionam da mesma forma apresentada no Tesouro prefixado.

Como funciona a tributação dos títulos públicos? 

Antes de investir em títulos públicos, é importante conhecer a tributação deles. Ela segue a tabela regressiva do Imposto de Renda (IR). Ou seja, quanto mais tempo o dinheiro permanecer investido, menor será a alíquota do IR que incidirá sobre ele. 

A taxa começa em 22,5% e diminui gradualmente até chegar em 15%, dependendo da duração do investimento. Para atingir a menor alíquota, a aplicação deve ter prazo superior a 720 dias.  

Assim, o IR será maior em títulos de curto prazo ou naqueles que contam com cupons semestrais, quando acontecem os primeiros pagamentos. Os resgates antes do vencimento também estão sujeitos a cobranças maiores, dependendo da data em que ocorrer.  

No entanto, é importante destacar que a tributação ocorre apenas sobre o rendimento obtido. Então não há pagamento de imposto sobre o valor investido. Para facilitar, o IR é retido na fonte e cobrado automaticamente no resgate. Logo, você receberá em sua conta o valor líquido da aplicação. 

Quem pode investir nos títulos do Tesouro? 

Uma das vantagens dos títulos do Tesouro está no fato de que qualquer cidadão que tenha CPF pode investir. Além disso, como são aplicações de renda fixa com alta segurança, elas podem ser adequadas para investidores com perfil conservador

Por esse motivo, muitas vezes o investimento é o primeiro contato que muitas pessoas têm com o mercado financeiro. Todavia, essa característica não significa que investidores de perfil moderado ou arrojado não possam investir nos títulos públicos federais. 

Na verdade, eles também podem se beneficiar ao manter essas alternativas na carteira. É o caso de quem precisa alocar a reserva de emergência, quer fazer o manejo de riscos ou tem objetivos financeiros que exigem maior segurança para o aporte. 

Como aplicar no Tesouro Direto? 

Após conhecer mais sobre o Tesouro Direto e os títulos que a plataforma do Tesouro Nacional oferece para os investidores, é importante saber como fazer aplicações.  

Confira alguns passos essenciais para começar a fazer seus investimentos: 

Conheça seu perfil de investidor 

Antes de investir, é essencial conhecer o seu perfil de investidor. Por meio dessa informação, é possível entender se o investimento está alinhado à sua tolerância ao risco e às expectativas de rentabilidade, por exemplo. Contudo, vale relembrar que os títulos do Tesouro podem ser adequados para todos os perfis.

Saiba Mais: Perfil de Investidor: Você sabe o seu tipo de investidor?

Escolha títulos alinhados aos seus objetivos 

Outro ponto fundamental quando o assunto é investimento é definir seus objetivos financeiros para guiar as suas escolhas. Como cada alternativa tem seu prazo e fluxo de pagamento, é essencial analisar quais títulos estão mais adequados às suas necessidades. 

Pessoas que visam a aposentadoria, por exemplo, podem escolher aplicações com prazo de vencimento mais longo para buscar um retorno maior. Isso vale especialmente para quem está na fase de acumulação de patrimônio. 

Quem deseja apenas usufruir do montante acumulado pode se interessar por títulos que pagam cupons semestrais para ter uma renda recorrente. Considerando a finalidade do aporte você encontrará as opções ideais para a sua carteira.  

Tenha uma conta  

Além de ter um CPF, quem pretende aplicar nos títulos do Tesouro também deve ter uma conta bancária, corrente ou poupança ou conta de investimento em corretora. É ela que viabilizará as movimentações do investidor no programa do Governo Federal.  

Mesmo que seja possível realizar negociações diretamente pelo site ou aplicativo do Tesouro Direto, cadastrar a sua conta é essencial. Isso significa que não é possível atuar de forma totalmente autônoma, sendo necessário contar com a intermediação de uma instituição financeira. 

Faça seu cadastro no Tesouro Direto 

Também é importante ter o seu cadastro no Tesouro Direto. Ele deve ser feito por intermédio da sua corretora de valores. Logo, é a instituição que fica responsável por repassar os dados do investidor para a plataforma, facilitando o processo.  

Acesse o Tesouro Direto pela corretora 

Para fazer as aplicações, acesse a sua conta na corretora para fazer os aportes. Na plataforma, confirme se você tem o montante que será aplicado e, se necessário, providencie a transferência de valores. Depois, basta selecionar os títulos escolhidos e concluir os aportes.  

Na Genial Investimentos, você conta com uma plataforma intuitiva que promove acesso facilitado ao Tesouro Direto. Assim, os investimentos podem ser realizados com muito mais facilidade e comodidade. 

Diversifique a carteira 

Diversificar a carteira de investimentos é uma estratégia essencial para os investimentos. Afinal, existem outras alternativas no mercado financeiro que oferecem diferentes níveis de riscos, rentabilidade e regras sobre a liquidez. 

Nesse cenário, a diversificação permite montar um portfólio equilibrado, fazer o manejo de riscos e buscar maiores retornos. Inclusive, ter títulos do Tesouro na carteira pode ser uma forma de proteger o seu capital contra perdas causadas pela volatilidade da renda variável, por exemplo. 

Agora você sabe como aplicar no Tesouro Direto e pode começar a fazer seus investimentos em títulos públicos. Eles podem ajudar na composição de uma carteira diversificada e no manejo de risco. Porém, considere também se eles são alinhados ao seu perfil e objetivos.  

Quer colocar esse conhecimento em prática e começar a investir? Abra a sua conta e faça seus investimentos de forma simples com a Genial Investimentos!

Comentários